MENU

25 de agosto de 2019 - 22:25Intercontinental GT Challenge

Audi vence 10h de Suzuka

25-WRT-Audi-Suzuka-10-Hours-2019

A Audi conquistou sua primeira vitória em Suzuka com o trio Dries Vanthoor/Kelvin Van der Linde/Fréderic Vervisch dominando a disputa que foi encerrada com 275 voltas completadas após dez horas de disputa no traçado japonês

RIO DE JANEIRO – Com um domínio inquestionável – liderando desde a segunda hora de disputa – a Audi venceu neste domingo as 10h de Suzuka, quarta etapa da temporada 2019 do Intercontinental GT Challenge. O carro #25 do Team WRT foi impecavelmente conduzido por Fréderic Vervisch/Kelvin Van der Linde/Dries Vanthoor, fechando a disputa que terminou já de noite e com 275 voltas percorridas pelos 5,807 km do tradicional circuito japonês com uma vantagem superior a 40 segundos para o segundo colocado.

Foram 201 voltas lideradas no total – uma marca incontestável para um triunfo merecido e que, por muito pouco, não foi em dobradinha: não fosse uma falha no último pit stop e o #125 da trinca Markus Winkelhock/Christopher Haase/Christopher Mies, inscrito pela Absolute Racing, teria sido o escudeiro do triunfo do carro azul. Acabaram em 7º lugar.

O segundo posto foi da GruppeM Racing, que lutou muito para alcançar tal posição – importante para manter a Mercedes-AMG líder do campeonato no confronto direto com a Porsche (115 a 93). Maxi Bühk/Maro Engel/Raffaele Marciello foram os tripulantes do carro #999 e Bühk, restando apenas as 9h de Kyalami, lidera entre os pilotos com 58 pontos, contra 55 de Lello, 52 de Maxi Götz e 51 da trinca Dennis Olsen/Dirk Werner/Matt Campbell, que neste domingo conquistaram um importante 3º posto com o Porsche 911 GT3-R da Absolute Racing.

367342_902129_p90363567_highres_suzuka_jpn_25th_augu

A trinca do brasileiro Augusto Farfus, que tinha ainda Martin Tomczyk e Nick Yelloly, largou na pole e liderou as 10h de Suzuka no início; mas uma punição drive-through empurrou a BMW para o 5º lugar final

Götz fez parte da tripulação que alcançou o quarto posto no Mercedes-AMG da Craft-Bamboo Racing que teve ainda Yelmer Buurman e Luca Stolz, seguidos da BMW de Augusto Farfus/Nick Yelloly/Martin Tomczyk. O carro #42 do construtor bávaro foi o que largou da pole position, que liderou no início assim como o #34 da Walkenhorst Motorsport e que arriscou uma estratégia diferente reabastecendo em períodos de Safety Car.

Todavia, uma punição drive-through acabou por jogar fora as possibilidades de pódio do trio. Farfus chegou a 32 pontos no IGTC e suas chances de título praticamente deixaram de existir após a corrida japonesa.

“Por um lado, foi muito bom ver nossa boa performance, com um ótimo ritmo com a BMW M6 GT3 em Suzuka, largando na pole e brigando por um lugar no pódio. Porém, depois que ficamos travados atrás de outros carros por conta do drive-through, não pudemos tirar o máximo da nossa velocidade nas últimas horas. Nesta pista é muito difícil de ultrapassar, então foi uma pena por isso. Mas no geral foi uma boa performance e um grande trabalho de toda a equipe”, comentou o brasileiro.

A Walkenhorst, citada linhas acima, saiu de esquadro após um incidente em que ela foi prejudicada de forma indireta. Dois retardatários – um Lamborghini da JLOC e o Nissan da GTNET Motorsports, ambas equipes locais, rodaram na saída da grande curva Spoon. Christian Krognes, que estava a bordo no momento da refrega, tentou desviar e atingiu o carro da GTNET, ficando ambos seriamente danificados.

Mas o acidente mais forte da corrida envolveu o Honda NSX GT3 da Arrows Racing e a Ferrari 488 GT3 da HubAuto Corsa, numa forte batida que mandou o carro #27 de Nick Cassidy/Nick Foster/Heikki Kövalainen para o fundo do pelotão. Perderam 78 voltas e acabaram em 32º e último entre os que viram a quadriculada.

43-Strakka-Mercedes-Suzuka-10-Hours-2019

A dinamarquesa Christian Nielsen, com seus parceiros Dominik Baumann e Adrian Henry D’Silva, venceu a disputa na classe Pro-Am

Nas demais classes em disputa, a SunEnergy1 Racing com Kenny Habul/Mikaël Grenier/Nico Bastian chegou em 12º lugar e venceu a competição da classe Silver Cup; a Strakka Racing, apesar das várias trapalhadas do piloto de Macau Adrian Henry D’Silva ao longo do fim de semana, conseguiu a vitória na Pro-Am graças ao sólido desempenho de Christina Nielsen e do austríaco Dominik Baumann, que carregou o parceiro oriental nas costas. O trio derrotou o Aston Martin da Garage 59 e fechou as 10h de Suzuka em vigésimo. Na Am Cup, a Sato-SS Sports ganhou com o trio Norio Kubo/Ryosei Yamashita/Atsushi Sato.

Outro destaque ficou por conta da participação do bicampeão mundial de Fórmula 1 Mika Häkkinen que, enquanto esteve na pista, fez o que pôde para ser competitivo. O problema é que o piloto bronze da trinca, o japonês Katsuaki Kubota, não era rápido. Hiroaki Ishiura também tentou com sua vasta experiência em Grã-Turismo, mas o carro #11 da Planex SmaCam Racing acabou mesmo em 22º lugar na geral e 18º na Pro, completando um total de 268 voltas.

Compartilhar

3 comentários

  1. Antonio Vidal disse:

    Show da Audi…vitória merecidíssima!

  2. Ivair disse:

    Rodrigo a BMW vive uma fase bem irregular nos últimos anos. Tanto na WEC como no IGTC. Nas outras competições de GT também. Será que a aposta na F-E, fez com que ela abandonasse” essa categoria? O que você pensa a respeito?

    • Gabriel Medina, O outro disse:

      A BMW não corre as provas de GT com um GT, isso é fato. Tanto na GTE, quanto na GT3 seus carros dependem muito do BOP para serem competitivos, o que acontece também com a outra “intrusa” na GT3, a Bentley.

      GTs de nascimento também sofrem e triunfam com o balanço de performance, claro, mas se mostram bem mais regulares nesses altos e baixos, como por exemplo Porsche e Ferrari na GTE e Audi e Mercedes na GT3.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *