MENU

28 de outubro de 2019 - 22:4324 Horas de Le Mans, Cinema, Vídeos

Contagem regressiva…

RIO DE JANEIRO (Ansiedade toma conta!) – Em pouco menos de 20 dias, o cinema terá mais uma obra baseada em uma história real do automobilismo. Ford vs Ferrari, com direção de James Mangold e estrelado por Christian Bale, que fará Ken Miles e Matt Damon, no papel de Carroll Shelby.

Para controlar a ansiedade, convido os leitores do blog a assistir o documentário “This Time Tomorrow”, que está disponível no YouTube.

Mergulhem na história e se imaginem há 53 anos atrás em La Sarthe, assistindo o ‘Matador de Ferraris’ escrever sua história pela primeira vez na clássica prova francesa.

Compartilhar

6 comentários

  1. Antonio Seabra disse:

    Essa estoria de que eles cruzaram juntos, e o 2 foi declarado vencedor posteriormente, me parece a maior mentira já inventada. Se eu tinha duvidas anes, agora não tenho mais, dá pra ver claramente no video que o carro preto recebeu a bandeirada bem a frente do carro azul claro.
    Foram ordens expressas, diretas de Mr H Ford II, um belo FDP !!!
    Se eu fosse o Ken Miles, matava ele, facil facil…

    Antonio

    • Antonio Seabra disse:

      Vejamos o filme pra ficar com mais raiva ainda de M Ford II.
      Miles fez uma corrida impecável, e ia ter a triplice coroa. Ele não permitiu isso ao piloto que foi a mola mestra do sucesso da Ford na SP.

  2. Lucas disse:

    Queria saber quem foi Léo breve, cara fdp que só queria ferrar com o Ken Miles no filme

  3. Ney Marcos Ferreira disse:

    Ken Miles era um baita piloto. Mas Shelby inicialmente corre provas de protótipos nos EUA com Dave Mcdonald, que era o rei da derrapagem controlada, igual o Bird Clemente no Brasil, contemporâneos, por sinal. O Mcdonald morre na 500 Indy de 1964 e o Ken Miles se torna o piloto principal da Shelby. Talvez ja fosse o “Piquet” da equipe no desenvolvimento do carro e o Mcdonald o Senna. Mas o fato que o desenvolvimento do programa GT 40 tem como principal elemento os milhões de dolares da Ford investidos na categoria para bater a Ferrari que ainda bem que não foi vendida. Estreiam o carro nos 1000 km de Nürburgring de 1964 e apanham mais do que cachorro magro ao longo de todo ano,inclusive nas 24 Horas de Le Mans. Ganham Daytona em 65 que ainda não era 24 horas, mas perdem 12 Hs de Sebring para a Chaparral. Apanham de novo o ano inteiro, mesmo correndo com o motor 7l no GT 40. Nessa ocasião como que gastaram, poderiam ter comprado umas 5 fabricas da Ferrari. Fora a grande investida no motor para as 500 Milhas da Indy, que desde 1963, com a Lotus bateram na trave chegando em segundo lugar. Finalmente ganharam com o tal chassis Lotus e Jim Clark de piloto (a estirpe do automobilismo da época). Enquanto entre os melhores pilotos do mundo corriam para a Ford no campeonato de Marcas e inclusive um tal de Bruce Mclaren participou muito do desenvolvimento do carro. Ninguém dá o devido mérito para esse cara, que veio a ganhar a tal das 24 de Le Mans de 1966. Tinha a Ford na equipe um dos maiores botas da època chamado Dan Gurney que dizem que foi quem convenceu Chapamam da Lotus para ir para Indy em parceria com a Ford e tambem correu as 500 com Lotus Ford em 63 / 64 e 65 pelo menos. Em 66 ia levando as 12 hs de Sebring quando me parece, na ultima volta quebrou e a corrida ficou para Ken Miles e Ruby em outro GT 40

    • Rodrigo Mattar disse:

      Dan Gurney era um bota, mas não venceria as 24h de Le Mans de 1967, não fosse um detalhe. O carro dele entrou como “coelho” pra fazer as Ferrari quebrar. Todas elas quebraram e mesmo mantendo um ritmo violento, o #1 dele e de A.J. Foyt venceu.

      Sobre a grana gasta no projeto, pois é… Henry Ford II deu carta branca pra gastar o que podia, já que ele teve a negativa da compra da Ferrari pelo Comendador…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *