MENU

23 de outubro de 2019 - 20:40Fórmula 1

Protesto acolhido

RIO DE JANEIRO – Véspera de GP do México e a Renault foi comunicada da notícia infausta: seus dois carros foram desclassificados do resultado final da etapa anterior, disputada no Japão.

Em Suzuka, os dois pilotos da Régie foram aos pontos: Daniel Ricciardo com um bom 6º lugar após um treino classificatório fraco e Nico Hülkenberg em décimo.

Porém, a Racing Point, interessada em ter um quinhão maior na distribuição de $ para a temporada 2020 de acordo com sua posição no campeonato, protestou alegando que os carros do construtor francês tinham uma clara vantagem com relação à distribuição do sistema de freios.

A equipe protestante alegava que o sistema tinha um ajuste pré-definido baseado na distância e no número de voltas de cada corrida – o que se configura um auxílio para os pilotos.

O sistema, contudo, não é ilegal. O ajuste automático, sim. Como os carros estão em desacordo com o Artigo 27.1 do código esportivo da FIA, que exige que os pilotos guiem sozinhos, sem auxílios, a Renault foi desclassificada.

Dessa forma, são nove pontos a menos para a equipe francesa, que cai para 68 no Mundial de Construtores.

Sétimo em Suzuka após punições, Charles Leclerc é um dos beneficiados. Acabou com o 6º lugar e sobe para 223 pontos no Mundial de Pilotos, abrindo onze para Max Verstappen e Sebastian Vettel, que vêm empatados em quarto lugar.

Pierre Gasly ganha mais dois pontos vindo de oitavo para sétimo e se aproxima de Carlos Sainz Jr. na luta pelo posto de ‘melhor do resto’ em 2019. Sergio Pérez, da Racing Point, dobra seu total da corrida nipônica, Lance Stroll sobe para nono e Daniil Kvyat herda a décima posição.

Isto posto, no Mundial de Construtores o que basicamente muda é a soma de pontos de Renault, Toro Rosso e Racing Point. Como já dito acima, a Renault desce para 68. A Toro Rosso ganha três – vai para 62. A Racing Point sobe mais quatro pontos – alcança 58.

E logicamente Ricciardo e Hülkenberg vão perder posições no Mundial de Pilotos. O australiano e o alemão voltam a somar 34 pontos cada. Foram ultrapassados por Sergio Pérez, que vai a 37 e Lando Norris, que tem 35. Daniil Kvyat os alcança com os mesmos 34 pontos – com a diferença que foi ao pódio no GP da Alemanha.

Que fase, a da Renault…

Compartilhar

2 comentários

  1. Claudio disse:

    A Racing Point já devia ter essa info com relação aos freios da Renault e esperou a etapa aonde teria o maior potencial de ganho de pontos antes de dedurar a rival.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *