Wayne Rainey rides again!

W

RIO DE JANEIRO (Emocionante!) – Cinco de setembro de 1993. Durante a disputa do Grande Prêmio da Itália, no circuito de Santa Monica (hoje Marco Simoncelli), em Misano Adriático, o tricampeão mundial de 500cc Wayne Rainey sofre o acidente mais dramático de toda a sua carreira de piloto de competição.

Que acabaria ali, naquela queda a bordo da Yamaha YZR com o dorsal #1, adornada pelas cores da Marlboro e alinhada pela equipe de Kenny “The King” Roberts.

Ele, que começara forte aquele campeonato, inclusive conseguira vencer uma prova em Barcelona de forma improvável usando o chassi ROC oferecido a times não-oficiais, buscava se aproximar de Kevin Schwantz na classificação do campeonato, quando sofreu o acidente que lhe trouxe sequelas para o resto da vida.

As lesões foram tão graves que ele jamais conseguiria caminhar.

Aquela queda representaria também o fim do domínio dos EUA na ‘categoria-rainha’. Sim, Kenny Roberts (o filho) e Nicky Hayden (desculpem, troquei as bolas) foram campeões do mundo. Mas a turma formada por “The King”, Freddie Spencer, Randy Mamola, Wayne Rainey, Eddie Lawson (esqueci dele!) e Kevin Schwantz era mágica, inesquecível.

Rainey, que recentemente completou apenas 59 anos de idade – vejam quão novo ele se acidentou… – é o protagonista do vídeo abaixo.

Apenas apreciem.

Depois comentem, se puderem ou quiserem.

É uma lição de vida. Zanardi, Billy Monger, Rainey, Fréderic Sausset, Takuma Aoki…

Tantos exemplos… e nós aqui nos queixando da vida que temos.

Em tempo: obrigado ao seguidor Jorge Alves Pereira no Twitter, pela dica valiosíssima!

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

7 Comentários

  • Rodrigo, será que você não quis dizer o saudoso Nicky Hayden? Doohan é australiano.

    E Rainey é um exemplo de vida também. Tomara que ele consiga reerguer o motociclismo estadunidense já que ele é o presidente da Motoamerica.

  • Emocionante (o video)
    Rodrigo: errar é pra qualquer um. Assumir o erro, corrigir, e ainda brincar com isso, é só para os bons. Parabéns.
    E mais: quem tem um bom nivel de seguidores, ainda leva vantagem. Eles estão atentos e ajudam você a manter o altíssimo nível das informações do blog.

    Antonio

  • Tranquilo, acontece Rodrigo.

    Somos todos humanos,cometemos erros mesmo.

    É que eu tenho a mania mesmo que sempre notar que quando tem algum erro em algo, eu procuro avisar a pessoa disso. Não quero cornetar ninguém, muito longe disso. Se você se sentiu ofendido, peço desculpas. Juro que não tinha a menor intenção de lhe irritar, Rodrigo.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames