IMSA 2020 – O que vem por aí

I
Todos querem bater o Acura Team Penske, campeão em 2019, na próxima temporada da IMSA

RIO DE JANEIRO (atualizado dia 18/12 às 21h10) –  A temporada 2020 da IMSA será a primeira (ou uma das) a iniciar suas atividades tão logo comece o próximo ano. A bem da verdade, o campeonato que larga com as 24h de Daytona já começou. Nos bastidores, equipes e pilotos se preparam para os próximos desafios.

E no que aparentemente será a primeira de duas temporadas de transição – em especial para os Esporte-Protótipos – não só a classe DPi, mas também a GTLM, sofrerão com a falta de alguns construtores. Nissan e Ford estarão fora – são três carros a menos.

Há contrapartidas. A LMP2 pelo menos caminha para um panorama bem mais animador com a adoção de um obrigatório regulamento Pro-Am com pilotos bronze e a GTD também deve seguir como a classe mais numerosa da série.

O interesse do torcedor brasileiro não irá diminuir, posto que Pipo Derani, Felipe Nasr e Hélio Castroneves seguirão na linha de frente, com eventuais participações de nomes como os de Bia Figueiredo, Augusto Farfus, Daniel Serra e Felipe Fraga – podendo vir outros.

Neste post, veja como já estão montadas as escuderias e o que poderemos ter por aí até o ROAR Before The Rolex 24, no início de janeiro.

Daytona Prototype International (DPi)

JDC-Miller Motorsports (2 carros – Cadillac DPi-V.R)

A equipe de John Church tem um reforço de peso: a chegada do patrocínio da Mustang Sampling a reboque da contratação de João Barbosa e do experiente francês Sébastien Bourdais. Loïc Duval está confirmado para as etapas do Michelin Endurance Cup e um quarto piloto deve estar nas prioridades para Daytona.

Para o segundo protótipo, que deve andar – a princípio – apenas no IMSA Michelin Endurance Cup, o brasileiro Matheus Leist é a grande novidade. Ele vai guiar o carro #85 junto ao colombiano Juan Piedrahita e a Chris Miller, o único que sobreviveu para a próxima temporada.

Outra certeza é a saída do russo-canadense Misha Goikhberg, que vai andar de Acura na classe GTD.

Acura Team Penske (2 carros – Acura ARX-05 DPi)

O Team Penske segue a máxima de que “time que está vencendo e sendo campeão não se mexe”. E assim Dane Cameron e Juan Pablo Montoya permanecem juntos para buscar o bicampeonato, tendo no segundo carro a mesma dupla para o terceiro ano seguido – Hélio Castroneves e Ricky Taylor.

Simon Pagenaud e Alexander Rossi são as opções para as provas do IMSA Michelin Endurance Cup em 2020.

Wayne Taylor Racing (1 carro – Cadillac DPi-V.R)

Com a saída de Jordan Taylor para a Corvette Racing, Wayne Taylor não terá em muito tempo qualquer um de seus dois filhos sob seu teto – pelo menos na escuderia da IMSA. A opção para substituir Jordan veio do extinto programa da Ford Ganassi: o experiente Ryan Briscoe será o novo companheiro de Renger Van der Zande no carro #10.

Outro refugiado da Ford que se garantiu foi Scott Dixon, que fará o conjunto de quatro provas longas em paralelo com a Fórmula Indy. Kamui Kobayashi fechou para as 24h de Daytona.

Whelen Engineering Racing/AX Racing (1 carro – Cadillac DPi-V.R)

Com problemas de orçamento, a Action Express cortou seu programa pela metade e terá apenas um Cadillac DPi a tempo inteiro em 2020. Pipo Derani e Felipe Nasr vão para o desafio de desbancar os atuais campeões da IMSA, correndo juntos pelo segundo ano seguido.

Sem Eric Curran, a opção foi reforçar a tripulação para as provas longas com o excelente Filipe Albuquerque. Mike Conway está garantido para Daytona.

Mazda (2 carros – Mazda RT24-P)

Sendo o construtor que mais evoluiu em 2019 e que chegou finalmente às vitórias, a Mazda poderia usufruir mais da parceria com o Team Joest. Só que a notícia chegou em forma de surpresa: a marca japonesa não ficará como parceira do time do lendário Reinhold Joest, por opção própria.

Não se sabe se a saída de John Doonan – novo presidente da IMSA – causou esse rebu, mas o seu sucessor Nelson Cosgrove não acenou com a possibilidade de permanecer a associação.

Até agora os pilotos a tempo inteiro não foram anunciados.

Equipes a definir

Juncos Racing (1 carro – Cadillac DPi-V.R)

Ricardo Juncos sobreviveu a sérias dificuldades financeiras em 2019 e esperava se que o seu Cadillac DPi-V.R fosse visto pelo menos nas quatro provas do Michelin Endurance Cup em 2020.

Mas será difícil: foi confirmado que o time não disputará as 24h de Daytona e a presença no resto do ano é incerta.

Spirit of Daytona (1 carro – Mazda RT24-P)

Outra especulação diz respeito à Spirit of Daytona: ausente do grid desde o início de 2018, a equipe de Troy Flis negociava para receber um chassis Mazda – mas não se sabe se as conversas foram para a frente após a mudança de comando na IMSA e também na Mazdaspeed.

Dyson Racing (1 carro – Mazda RT24-P)

Novidade possível para o segundo semestre é o retorno da Dyson Racing como cliente da Mazda e um DPi montado na plataforma Riley. Os velhos parceiros Chris Dyson e Guy Smith poderiam voltar a correr juntos nos EUA, o que não acontece desde 2013.

Protótipos LMP2

DragonSpeed (1 carro – Oreca 07 Gibson GK428)

Elton Julian traz sua escuderia para a temporada completa da série IMSA para os LMP2 – que correrão apenas seis vezes com direito a pontos, fora as 24h de Daytona. Com a inscrição obrigatória de um piloto de graduação bronze, Henrik Hedman se animou e entrou de cabeça na empreitada junto a Ben Hanley – serão a dupla a tempo inteiro.

Colin Braun, com o fim da CORE Autosport, se arrumou pelo menos para as 24h de Daytona.

Era Motorsports (1 carro – Oreca 07 Gibson GK428)

Outra nova equipe da LMP2 é a Era Motorsports, que tem expertise na preparação e manutenção de carros históricos de competição. Kyle Tilley fechou parceria com a DragonSpeed, que vai cuidar do running do protótipo Oreca 07 do time. Pilotos ainda não foram anunciados.

Performance Tech Motorsports (1 carro – Oreca 07 Gibson GK428)

Dono de uma das vagas automáticas destinadas à IMSA para as 24h de Le Mans em junho, Cameron Cassels volta com a Performance Tech e o time de Brent O’Neill fará sim sua estreia em Sarthe. James French foi confirmado para a temporada completa, faltando nomes para compor a tripulação no Michelin Endurance Cup.

Rick Ware Racing (1 carro – Riley MK30 Gibson GK428)

Oriunda da Nascar, a Rick Ware Racing pretendia disputar a temporada 2020 da IMSA e apresentou seus planos que incluíam ressuscitar o mal-amado modelo Riley MK30 – é o mesmo carro já usado pela Spirit of Daytona, por Ben Keating e também pela equipe de Brian Alder. Terá contra si, se confirmado, o fato do modelo Oreca 07 ser o mais competitivo e provavelmente maioria absoluta entre os times interessados.

Nada de pilotos, por enquanto.

Tower Motorsports by Starworks (1 carro – Oreca 07 Gibson GK428)

Após um ano difícil na GTD, Peter Baron regressa com sua organização aos protótipos, com garantia de participação nas quatro corridas do Michelin Endurance Cup com o canadense John Farano, o escocês Ryan Dalziel e o dinamarquês David Heinemeier-Hänsson. Nico Lapierre foi escalado para as 24h de Daytona.

Equipes a definir

PR1/Mathiasen Motorsports (1 ou 2 carros – Oreca 07 Gibson GK428)

A organização de Bobby Oergel e Ray Mathiasen está com dois carros prontos e pode voltar em 2020. Terão que fechar com pelo menos um novo piloto, pois Matthew McMurry rumou para um programa GTD com a Meyer Shank Racing. A opção mais viável é ter um carro full season e dois nas provas longas.

O status da Porsche é de franca favorita na GTLM em 2020

GT Le Mans (GTLM)

Porsche GT Team (2 carros – Porsche 911 RSR -19)

Tendo direito finalmente ao kit “EVO” do Porsche 911 RSR, o braço estadunidense da marca de Stuttgart na IMSA vai brigar mais uma vez pelo título e com o status de grande favorita. Houve pelo menos uma modificação nas duplas titulares: enquanto “Bamthor” (Earl Bamber e Laurens Vanthoor) seguem juntos, Nick Tandy terá como novo parceiro o francês Fred Makowiecki, em substituição a Patrick Pilet.

Alçados à condição de novos pilotos de fábrica, Matt Campbell e Mathieu Jaminet já foram confirmados como os reforços para as provas longas de 2020.

Corvette Racing (2 carros – Chevrolet Corvette C8.R)

A Corvette Racing ataca 2020 com carro novo – estreará o belo modelo C8.R – e com novidades: após 16 anos, Jan Magnussen deixou a escuderia e foi substituído por Jordan Taylor – que formará dupla com o veterano espanhol Antonio Garcia. No outro carro, seguem Tommy Milner e Oliver Gavin.

Nicky Catsburg é o novo contratado e junta-se a Marcel Fässler nas provas de Endurance e também nas 24h de Le Mans. Mike Rockenfeller, por motivos de agenda, está fora.

BMW Team RLL (2 carros – BMW M8 GTE)

Com o fim da operação da BMW no WEC, temeu-se pelo futuro da permanência da marca da Baviera na IMSA. Mas o programa (pelo menos para 2020) está de pé. Sem indicativos de que veremos os M8 GTE em Sarthe novamente.

Há uma novidade, pelo menos: após uma década e meia guiando no DTM, Bruno Spengler assume o posto de titular no carro #25 junto a Connor de Philippi, com Jesse Krohn e John Edwards formando a segunda dupla. Nas 24h de Daytona, estes últimos terão a companhia do brasileiro Augusto Farfus e de Chaz Mostert. Colton Herta e Philipp Eng vão no segundo bólido bávaro.

Risi Competizione (1 carro – Ferrari 488 GTE)

A Risi Competizione dependeria de dinheiro para poder fazer a temporada completa. Sem um orçamento fechado para todos os onze eventos do ano, o time de Houston deve limitar sua participação pelo menos nas provas do Michelin Le Mans Cup, prospectando uma vaga direta nas 24h de Le Mans na divisão LMGTE-PRO.

Pelo menos para Daytona confirmaram um timaço de pilotos Ferrari: Alessandro Pier Guidi, James Calado, Davide Rigon e o bicampeão de Le Mans Daniel Serra.

Campeã da GTD, a Meyer-Shank Racing traz muitas novidades para 2020

GT Daytona (GTD)

Pfaff Motorsports (1 carro – Porsche 911 GT3-R)

O time canadense vai para a segunda temporada na GTD após deixar boa impressão em 2019, reforçado pelo norueguês Dennis Olsen: o campeão do Intercontinental GT Challenge foi alocado no esquema para ser o novo companheiro de Zach Robichon.

Lars Kern e Patrick Pilet estão escalados pelo menos para as 24h de Daytona. Veremos quem segue nos demais eventos de Endurance da IMSA.

AIM Vasser Sullivan (2 carros – Lexus RC-F GT3)

Como grande atração, a AIM Vasser Sullivan anunciou ninguém menos que Kyle Busch para a disputa das 24h de Daytona. A presença do bicampeão da Nascar foi a primeira confirmada para 2020 – antes mesmo do anúncio de uma das formações titulares, que terá Parker Chase ao lado de Jack Hawksworth. É com eles que Buschinho disputará a corrida da Flórida, no carro #14.

O #12 volta a contar com Townsend Bell e Frankie Montecalvo, sendo que para Daytona foi anunciada a presença do fera do Supercars australiano Shane Van Gisbergen.

Wright Motorsports (2 carros – Porsche 911 GT3-R)

Tendo participado eventualmente da série ano passado e também do GT World Challenge America, a Wright Motorsports tem expertise em provas de formato “Sprint”, mas ainda não mostrou potencial em Endurance, o que será explorado em 2020.

A equipe terá dois carros na temporada completa e três pilotos já foram anunciados: Ryan Hardwick vem da Paul Miller Racing para compor uma dupla Pro-Am com o experiente Patrick Long. O companheiro de Anthony Imperato ainda não foi definido – muito menos os nomes para as provas do Michelin Endurance Cup.

GEAR Grässer Racing Team (1 carro – Lamborghini Huracán GT3 EVO)

A austríaca Grässer terá em suas fileiras uma tripulação 100% feminina – praticamente a mesma que defendeu a Meyer Shank Racing neste ano em associação a Jackie Heinricher, num modelo Acura. Só a suíça Simona de Silvestro, que assinou com a Porsche, deixou o esquema.

Para seu lugar, veio a colombiana Tatiana Calderón, garantida apenas para as 24h de Daytona. A dupla fixa será formada por Christina Nielsen e Katherine Legge, com a brasileira Bia Figueiredo sendo nome certo nas provas de longa duração e em eventuais casos de substituição de qualquer uma das titulares por motivos de força maior.

GRT Grässer Racing Team (2 carros – Lamborghini Huracán GT3 EVO)

Vinda das provas do GT World Challenge Europe e também do ADAC GT, a Grässer mergulha de cabeça na IMSA em 2020 – e não virá a passeio. Nas poucas vezes em que correu, deixou sua marca: é a atual bicampeã das 24h de Daytona em sua categoria e venceu as 12h de Sebring deste ano.

Em parceria com a Magnus Racing, vão alinhar um carro na temporada completa com John Potter e Andy Lally a bordo (Spencer Pumpelly corre os eventos de Endurance) e outro vai ficar com a campanha do IMSA Michelin Endurance Cup, com plantel já definido de pilotos – os oficiais de fábrica Franck Perera e Albert Costa, além de Richard Heistand e Steijn Schothorst.

Paul Miller Racing (1 carro – Lamborghini Huracán GT3 EVO)

Após um ano sabático em que foi ‘rebaixado’ de graduação (passou de Ouro a Prata), Madison Snow regressa às pistas em 2020 para compor a dupla campeã do ano passado com Bryan Sellers a bordo do Lambo #48 da Paul Miller Racing.

Andrea Caldarelli foi confirmado pelo menos para a disputa das 24h de Daytona. Corey Lewis fará parte da tripulação nas corridas do Michelin Endurance Cup.

Heinricher Racing w/Meyer-Shank Racing (1 carro – Acura NSX GT3 EVO)

Mesmo com o fim da tripulação feminina, Jackie Heinricher ainda empresta seu nome para o carro #57 que mais uma vez será alinhado em parceria com a Meyer-Shank Racing. Álvaro Parente vai compor a dupla full season com o russo-canadense Misha Goikhberg, que vem da JDC-Miller e dos protótipos.

A equipe será reforçada por Trent Hindman nas etapas do Michelin Endurance Cup e por A.J. Allmendinger nas 24h de Daytona.

Meyer-Shank Racing w/Curb-Agajanian (1 carro – Acura NSX GT3 EVO)

A Meyer-Shank Racing foi, de fato, uma das primeiras escuderias a fechar sua dupla para 2020. Tão logo o último campeonato terminou, já se sabia que Mario Farnbacher teria um novo parceiro – Matt McMurry entrou na vaga de Trent Hindman, que passou da graduação Prata para Ouro, invalidando suas chances de formar uma tripulação Pro-Am no campeonato todo.

Para as provas de Endurance, foram anunciados o francês Jules Gounon, filho de Jean-Marc Gounon, de curta carreira na Fórmula 1 (este somente para Daytona), além do japonês Shinya Sean Michimi (IMSA Michelin Endurance Cup).

Mercedes-AMG Team Riley w/Robinson Racing (1 carro – Mercedes-AMG GT3)

Com a mudança de rota de Ben Keating para o FIA WEC, o Team Riley teve de buscar outra alternativa para não perder o status de cliente da Mercedes-AMG. Assim, associou-se à Robinson Racing, cujos pilotos Gar Robinson e Lawson Aschenbach serão a dupla titular.

Incrivelmente, Ben Keating não perdeu a chance e logo confirmou presença a bordo da equipe para as 24h de Daytona. Fominha…

Consta que este será também o carro de Felipe Fraga na abertura do campeonato. A ver.

Aston Martin Racing (1 carro – Aston Martin Vantage AMR GT3)

Na estreia do Aston Martin Vantage AMR GT3 no mercado de competição dos EUA, a equipe oficial de fábrica levará um carro para as 24h de Daytona graças ao cliente Paul Dalla Lana: o canadense, que em duas edições anteriores andou com Ferrari da Spirit of Race, vai levar um carro à Flórida.

Completam a tripulação novos e velhos parceiros do empresário – o austríaco Mathias Lauda, o português Pedro Lamy e o britânico Ross Gunn.

Scuderia Corsa (1 carro – Ferrari 488 Scuderia GT3)

Com o apoio da Weathertech, a equipe de Roberto Amorosi volta a disputar a temporada completa da IMSA na classe GTD com a nova versão da Ferrari 488 GT3, batizada de Scuderia. Nenhuma novidade na dupla titular, já que Cooper MacNeil volta a ter a parceria de Toni Vilander.

A novidade está nos pilotos que compõem a tripulação de provas longas: recuperado de uma séria doença, Alessandro Balzan, antigo titular e também campeão da série, está de volta às pistas em 2020. Jeff Westphal, campeão do Michelin Pilot Challenge, evento suporte da classe principal, foi igualmente lembrado.

The Heart of Racing (1 carro – Aston Martin Vantage AMR GT3)

A temporada 2020 marca o retorno às pistas da organização The Heart of Racing, que por alguns anos correu associada à Alex Job Racing no início da série, quando houve a fusão entre a Grand-Am e a American Le Mans Series.

A equipe terá à disposição o novo Aston Martin Vantage AMR GT3 e o experiente Ian James, que correu no Pirelli GT4 Challenge nas últimas temporadas, deve ser um dos pilotos escolhidos. Os demais ainda não foram confirmados ou especulados.

Audi Sport WRT Speedstar (1 carro – Audi R8 LMS GT3 EVO)

A exemplo do que aconteceu em 2019, Vincent Vosse e Yves Weerts associam-se à canadense Speedstar para alinhar um Audi R8 LMS EVO nas 24h de Daytona. Pilotos já definidos: o novo recruta da casa de Ingolstadt Mirko Bortolotti dividirá os trabalhos com Daniel Morad, Dries Vanthoor e Rolf Ineichen.

Park Place (1 carro – Porsche 911 GT3-R)

Patrick Lindsey  inscreverá seu Porsche somente nas provas do Weathertech Sprint Cup, estreando em 2020 somente em Long Beach, por uma questão de custos. Com um calendário de provas mais curtas, o piloto-proprietário não quer correr riscos inúteis. Ele ainda prospecta o retorno ao FIA WEC.

O companheiro de equipe dele ainda não foi anunciado.

Equipes a definir

Moorespeed

Dificilmente a equipe egressa do Porsche GT3 Cup America volta à divisão GTD em 2020. Tiveram muitas dificuldades e um acidente atrapalhou os planos.

Montaplast by Land Motorsport (1 carro – Audi R8 LMS EVO)

A equipe alemã deve fazer uma temporada parcial no Michelin Endurance Cup, possivelmente inscrita em Daytona, Sebring e Petit Le Mans. A ver.

Precision Performance Motorsports (1 carro)

Do lado da PPM, nada definido ainda para 2020.

Spirit of Race (1 carro – Ferrari 488 Scuderia GT3)

Sem Paul Dalla Lana como cliente, vamos aguardar se a Spirit of Race, braço helvético da AF Corse, fará um carro pelo menos para Daytona e/ou Sebring.

Compass Racing (1 carro – McLaren 720S GT3)

É bem possível a permanência da Compass Racing na GTD em 2020, disputando somente as provas do Weathertech Sprint Cup.

Turner Motorsport (1 carro – BMW M6 GT3)

A Turner Motorsport ainda não anunciou planos na GTD para 2020, mas tudo indica que seguirá a bordo, possivelmente com os mesmos pilotos da última temporada – Bill Auberlen e Robby Foley.

Black Swan Racing (1 carro – Porsche 911 GT3-R)

Outra equipe cujo programa para o próximo ano ainda não é conhecido. O proprietário-piloto Tim Pappas já está 100% recuperado do grande acidente em Bathurst, que atrapalhou os planos para o resto do ano.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

4 Comentários

  • Nos DPi um pouco frustrante as mudanças, a coisa andou um pouco pra trás , perderam uma fabrica (Nissan) e a Mazda solta essa noticia ruim com o fim da parceria com a Joest , acho que estão errando a mão depois da mudança na ultima temporada isolando os LMP2 e se aproximando da WEC nas conversas de bastidores , eu não me aproximaria dos europeus com os protótipos , Historicamente o velho mundo sempre dá um chute no traseiro quando estão por cima.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames