Nova vitória da G-Drive Racing by APR no Asian Le Mans Series

N

RIO DE JANEIRO – A edição inaugural das 4h de Tailem Bend, na Austrália, apontou mais uma vitória para a G-Drive Racing by APR na temporada 2019/20 do Asian Le Mans Series.

Períodos de Safety Car e Full Course Yellow foram decisivos para que o Aurus 01 Gibson do trio Roman Rusinov/James French/Leonard Hoogenboom confirmasse o segundo triunfo em duas corridas – e o primeiro conquistado na pista.

A corrida começou com o domínio da Eurasia em seus carros, o “All Black” #1 guiado por Daniel Gaunt e o #36 com Aidan Read a bordo. Pole position, o Dallara #45 da Thunderhead Carlin convivia com um erro de Jack Manchester ao passar um retardatário, com quem colidiu e causou danos. Depois, o carro do time britânico seria punido.

O principal susto da corrida veio após um período de FCY em decorrência de um problema terminal no Norma M30 da Nielsen Racing – que era um chassi reserva da Graff – e era guiado por Charles Crews: o protótipo Oreca 05 Nissan da classe LMP2-AM de repente pegou fogo com John Farano a bordo.

O canadense conseguiu levar o carro já tomado por uma coluna preta de fumaça para uma área mais segura. Felizmente, ninguém se feriu mas o bólido fica bastante danificado. A RLR MSport terá trabalho para recuperá-lo a tempo com vistas às provas finais do campeonato.

Após o susto, a corrida prosseguiu e a Eurasia rumava para a vitória – só que a G-Drive deu as caras na abertura da hora final, quando o #26 então guiado por Rusinov pegou a ponta, mesmo com pneus gastos quando o #1, que liderava, fez um pit de rotina.

Mas um incidente com a BMW #16 da Astro Veloce Motorsports trouxe outro período de FCY. A Eurasia fizera uma última parada faltando 37 minutos para o fim da disputa, numa tentativa de “undercut” sobre a G-Drive – que aproveitou o período de neutralização, fez seu pit derradeiro e voltou à pista na frente.

O #1 guiado por Daniel Gaunt/Shane Van Gisbergen/Nick Cassidy, contudo, se entregaria com um problema terminal de câmbio logo depois que a bandeira amarela foi retirada. Assim, o #36 de Aidan Read/Nick Foster/Roberto Mehri foi promovido à 2ª colocação e a terceira posição final foi de Jack Manchester/Ben Barnicoat/Harry Tincknell.

Na LMP2-AM, a Rick Ware Racing dominou a corrida de forma sossegada após o problema e o fogo do #59 da RLR MSport. Cody Ware e o jovem lituano Gustas Grinbergas conseguiram um excelente 5º lugar geral, quase 40 segundos à frente de Anthony Lazzaro/Guy Cosmo. A ARC Bratislava não teve como lutar à frente e perdeu uma volta, com o carro #4 guiado por Miro Konôpka/Andreas Laskaratos/Garnet Patterson.

Outra equipe que aproveitou – e muito bem – os períodos de FCY nas 4h de Tailem Bend foi a Nielsen Racing, vencedora da divisão LMP3 com Tony Wells/Colin Noble beliscando a 8ª posição geral, a cinco voltas dos vencedores. A dupla britânica derrotou os favoritos Martin Hippe/Nigel Moore, da Inter Europol Competition.

A ACE1 Villorba Corse completou o pódio com o #12 guiado por Gabriele Lancieri/Alessandro Bressan/Davide Fumanell, que fechou o top 10 final da disputa.

Campeã da última temporada em sua categoria, a CarGuy triunfou numa prova de domínio do modelo Ferrari 488 GT3, que fechou a disputa com os quatro primeiros lugares, beneficiados principalmente por um incidente logo no início com a JLOC e a batida de Jack Manchester no Aston Martin da D’Station Racing.

E mesmo o carro #7 de Kei Cozzolino/Takeshi Kimura/Côme Ledogar não passou impune: sobreviveu a um Drive Through e ainda assim levou os pontos da vitória com vantagem de 1min26seg sobre a HubAuto Corsa, de Liam Talbot/Marcos Gomes/Davide Rigon.

“A corrida foi cheia de problemas e o motor perdeu um cilindro com meia hora de corrida. Ficamos sem potência e passamos a andar três segundos mais lento. O piloto bronze (Liam Talbot) largou e abriu 40 segundos. O carro estava bem rápido no início. Mas eu peguei ele já com essa falha”, comentou o piloto brasileiro.

“Também quebrou um macaco no pit stop, tive que fazer um stint com o pneu que o Talbot usou no primeiro trecho da prova, então considerando os problemas que os vencedores na etapa anterior enfrentaram, o segundo lugar foi bom”, disse.

A Spirit of Race, com a pilotagem sempre competitiva de Alessandro Pier Guidi junto ao experiente brasileiro Oswaldo Negri e ao portorriquenho Francesco Piovanetti fechou o pódio, desalojando dele a T2 Motorsports com David Tjiptobiantoro/Rio Haryanto/Christian Colombo.

Depois da alcateia de Ferraris, chegou enfim a BMW #17 da Astro Veloce Motorsports com Max Wiser/Peiwen Qi/Jens Klingmann. Apesar de todas as atribulações, D’Station Racing e JLOC, que foram muito bem em Xangai, salvaram pontos importantes.

A próxima etapa será as 4h de Sepang, na Malásia, no dia 15 de fevereiro.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

Adicione um Comentário

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames