Três seguidas de Castroneves e Taylor na IMSA

T
Hat-Trick: com o terceiro triunfo seguido em 2020, Hélio Castroneves e Ricky Taylor se recolocam na briga pelo título da IMSA

RIO DE JANEIRO – Uma, duas, três… desde o início do campeonato de 2017, quando a dupla formada por Jordan e Ricky Taylor venceu cinco corridas consecutivas – incluindo Daytona com Max Angelelli e Jeff Gordon e Sebring, com Alex Lynn – que uma mesma formação de pilotos não vencia por três vezes seguidas na série IMSA.

Pois Ricky Taylor – que era personagem daquela sequência de três anos atrás, e que lhe deu o título junto ao irmão – e Hélio Castroneves alcançaram o feito com a conquista deste domingo do Acura Sports Car Challenge, realizado no misto de Mid-Ohio. Uma corrida tensa, decidida em detalhes e que foi encerrada com apenas seis décimos de vantagem do carro #7 do Team Penske sobre o Cadillac DPi-V.R da dupla brasileira Pipo Derani e Felipe Nasr.

No começo, Taylor e Helinho não foram tão bem: chegaram a andar em 4º lugar, enquanto Derani conseguiu, numa ótima largada, assumir o segundo posto. A liderança foi do pole position Dane Cameron até o primeiro turno de reabastecimentos, quando a Penske pôs Juan Pablo Montoya para guiar o #6.

Só que o colombiano errou ao tentar passar um retardatário, arriscando entrar na parte suja do traçado para superar o Lamborghini de Andy Lally/John Potter e isto foi fatal: uma saída de pista deu a Derani a liderança, com Castroneves em segundo após punições aos dois Mazda DPi – que tiveram uma corrida de muitos percalços em Mid-Ohio.

Com as bandeiras amarelas definindo as estratégias, a Penske deu duas cartadas: Montoya parou fora da janela, Taylor entrou no lugar de Helinho e Nasr substituiu Derani. Foi aí que o carro #7, numa parada melhor, assumiu a ponta e de lá praticamente não saiu mais, apesar de toda a tensão envolvida em decorrência de saídas de pista e quebras de outros competidores.

A festa de quem está a apenas cinco pontos da liderança na classificação da IMSA, faltando três provas para a classe DPi

E de carta fora do baralho, a dupla vencedora pela 3ª corrida consecutiva embala uma reação que os coloca na briga definitiva pelo título. Restando três etapas para os Protótipos DPi – Petit Le Mans, Laguna Seca e 12h de Sebring – o panorama é o seguinte: Renger Van der Zande/Ryan Briscoe lideram com 180 pontos; Pipo Derani é o vice-líder com 177 e Helinho/Taylor têm 175. Harry Tincknell/Jonathan Bomarito com 172 e João Barbosa/Sébastien Bourdais, que somam 171, não podem ser esquecidos na batalha.

Mas se eu sou o Briscoe ou o Van der Zande, eu ficaria preocupado com a cena do pós-prova. No Victory Lane, um abraço efusivo de Wayne Taylor nos vencedores – tudo bem que um deles é seu filho – mas a comemoração entre o dono de uma equipe rival e Hélio Castroneves dá muito o que pensar: a WTR é a nova equipe da Acura para 2021. É só ligar os pontos…

A Corvette lembrou os tempos de American Le Mans Series: correu ela contra ela mesma e a dupla Antonio Garcia/Jordan Taylor ganhou pela quarta vez na temporada

Na GTLM, sem a presença da Porsche, a Corvette dominou praticamente a disputa inteira e deixou os dois C8.R à vontade para lutar entre si. No fim, Antonio Garcia/Jordan Taylor chegaram à quarta vitória da dupla em sete corridas e ampliaram para 17 pontos (226 a 209) a diferença que os separa de Tommy Milner/Oliver Gavin. Bruno Spengler/Connor De Philippi terminaram em 3º na disputa – mesma posição que ocupam na tabela de classificação.

A dupla formada por Jack Hawksworth/Aaron Telitz faturou a disputa da GTD, dando à AIM Vasser Sullivan a quarta vitória geral no ano – incluindo o triunfo em Sebring que contou somente para o IMSA Weathertech Sprint Cup, competição paralela liderada pelos dois com 163 pontos, onde faltam apenas duas provas: no Roval de Charlotte e em Laguna Seca.

Contudo, a liderança do campeonato geral continua com Matt McMurry/Mario Farnbacher que, mesmo após enfrentarem problemas decorrentes de uma disputa mais dura com o McLaren de Paul Holton/Corey Fergus – e que custou à dupla da Compass Racing uma merecida punição por atitude antiesportiva – ainda conseguiram terminar a disputa em 5º lugar na classe. Eles somam 176 pontos, três a mais que Telitz e cinco à frente de Hakwsworth.

A dupla formada por Gar Robinson e Lawson Aschenbach deu à Mercedes-AMG da Riley Motorsports seu melhor resultado em 2020, seguidos do Porsche de Patrick Long/Ryan Hardwick. Ian James/Roman De Angelis também ofertaram à The Heart of Racing o melhor resultado do Aston Martin Vantage AMR GT3 na temporada.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

2 Comentários

  • Torço muito que o Hélio leve esse título. Se o título vier, vai ajudar e muito, ele conseguir uma vaga para a temporada completa da Indy em 2021. Além de que, o Hélio está merecendo um título.

  • Poxa , o Helinho devia continuar na IMSA, teria vida longa onde está, sua fase na Indy já foi, devia aproveitar que está por cima e poder quem sabe escolher time na IMSA mesmo, onde teria chance de disputar Le Mans também.
    Helinho poderia continuar a fazer a indy500 e só !!!!

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames