Petit Le Mans: … e caiu no colo dos líderes do campeonato

P

RIO DE JANEIRO – A disputa era alucinante entre os dois primeiros colocados e o final de corrida, se tudo seguisse o roteiro, seria de filme, cinematográfico. Mas não pensava dessa forma um dos protagonistas e o anticlímax deu a tônica no encerramento da 23ª edição da Petit Le Mans após 10h de prova em Road Atlanta, neste sábado.

Tudo porque Ricky Taylor, do Acura Team Penske, tentou um mergulho por dentro numa curva dupla tomada à direita na parte alta do traçado, no afã de superar o líder Pipo Derani da AX Racing. Como efeito, os dois protótipos se tocaram… e caiu no colo dos líderes do campeonato.

Com o total recorde de 460 voltas percorridas na pista de 4,088 km de extensão, perfazendo 1.880,48 km de distância ao longo das dez horas corridas, o #10 guiado pelo trio Renger Van der Zande/Ryan Briscoe/Scott Dixon (que, aliás e a propósito, quase bateu no carro de Taylor) levou a vitória e o resultado fez a dupla titular se manter na ponta da tabela com 215 pontos, restando agora a prova de 2h40min em Laguna Seca e as 12h de Sebring, tudo em novembro.

E poderia ser diferente: tanto o #7, que liderou grande parte da prova quanto o #31, caso vencessem, sairiam líderes da classificação. O #31, com os danos cosméticos por conta de uma colisão de traseira na barreira de pneus, ainda voltou à pista para chegar em 5º com atraso de uma volta. A direção de prova da IMSA analisou as imagens, entendeu que não houve dolo na manobra de Ricky Taylor, parceiro de Hélio Castroneves e Alexander Rossi, e não puniu a equipe e o piloto. Assim, com o 2º lugar, a dupla subiu para segundo na tabela com 207, tendo quebrada a sequência de vitórias – eles vinham de três seguidas nas últimas corridas da classe DPi.

Sem ter nada a ver com as confusões, os atuais campeões Juan Pablo Montoya e Dane Cameron, mais Simon Pagenaud, levaram o 3º lugar seguidos por Sébastien Bourdais/Loïc Duval/Tristan Vautier. A Mazda, desta vez, não pôde rivalizar com os Cadillac e Acura: o #55 teve problemas mecânicos que o atrasaram no início da corrida e o #77 sofreu uma batida após o carrossel de Esses do circuito. O melhor dos carros do construtor oriental chegou em 8º lugar na geral.

Já o Cadillac da JDC-Miller guiado por Chris Miller/Matheus Leist/Gabriel Aubry teve sérios problemas logo de saída e não foi possível recuperar. Acabaram com 54 voltas a menos que os vencedores e em 26º na geral, oitavo na categoria.

A LMP2 teve domínio quase que total do #52 da PR1/Mathiasen ao longo da disputa. Porém, o Oreca 07 Gibson de Scott Huffaker/Simon Trummer/Patrick Kelly teve uma falha terminal de suspensão, com a disputa já entrando na última hora. Aí…

‘… e caiu no colo’ outra vitória: o #8 da Tower Motorsport by Starworks era o carro certo no momento certo, triunfando na disputa dos protótipos de motor padrão e tripulações Pro-Am com John Farano/Mikkel Jensen/Job Van Uitert completando 450 voltas – 6º lugar geral para eles.

O pódio teve ainda a Performance Tech com Colin Braun/Jim McGuire/Matt Bell e a Inter Europol Competition em sua estreia na série, com Rob Hodes/Kuba Smiechowski/Austin McCusker.

Também outro exemplo de ‘… e caiu no colo’ veio na GTLM: Augusto Farfus liderava o último turno de pilotagem com a BMW M8 GTE #24 e parecia destinado à vitória. Só que um problema de freio mandou o brasileiro para os boxes e, com persistência e sorte, a Porsche chegou ao primeiro triunfo em 2020 com o trio Nick Tandy/Fred Makowiecki/Matt Campbell. Eles completaram 431 voltas, terminando em 10º na geral.

Farfus mais os parceiros John Edwards e Jesse Krohn chegaram em terceiro na classe, atrás de Antonio Garcia/Nicky Catsburg/Jordan Taylor. A Porsche quase terminou a prova em 1-2 na divisão, mas o #912 – com Laurens Vanthoor a bordo – bateu com um retardatário da classe GTD e se estoporou na barreira de pneus, provocando a bandeira amarela que definiu a corrida.

Na GTD, a Weathertech Racing (Scuderia Corsa) voltou após duas etapas fora e em grande estilo. Mesmo com o BoP desfavorável, a Ferrari 488 #63 de Cooper MacNeil/Alessandro Balzan/Jeff Westphal recebeu a quadriculada da vitória, seguido por Aaron Telitz/Jack Hakwsworth/Michael de Quesada (Lexus da AIM Vasser Sullivan) e John Potter/Andy Lally/Spencer Pumpelly (Lamborghini da GRT Magnus).

O resultado na categoria foi amplamente favorável à tripulação do #14: Mario Farnbacher/Matt McMurry/Shinya Michimi (Acura da Meyer-Shank Racing) se atrasaram, perderam 14 voltas e terminaram em 10º e último entre os 13 carros da categoria que largaram, já que três não receberam a quadriculada – e nem o #12, que colidiu com o Porsche de Vanthoor e, com mais voltas que o #86, acabou em oitavo.

Com o segundo posto e a quarta posição do #16 da Wright Motorsports, que também segue na briga pelo título, Telitz assume de forma isolada a liderança do campeonato com 228 pontos. Hawksworth tem 226, Patrick Long/Ryan Hardwick 224 e Farnbacher/McMurry 223.

A próxima etapa será o GP de Laguna Seca, no dia 1º de novembro.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

3 Comentários

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames