IMSA: 50 carros assegurados nas 24h de Daytona

I

RIO DE JANEIRO – Saiu à tardinha desta quarta-feira a confirmação da lista de entradas para o ROAR Before The Rolex 24 e, consequentemente, para a edição das 24h de Daytona que será nos dias 30 e 31 no Daytona International Speedway em seu traçado misto de 5,728 km de extensão.

A IMSA anuncia um total de 50 inscrições divididas em cinco categorias, com a estreia da subclasse LMP3, que começa sua trajetória com sete protótipos, mesmo número da divisão principal – a DPi passa por um momento de transição com a saída de times como a Penske e a redução de esforços de times como a Mazda e a JDC-Miller Motorsports, já que em 2023 entra em vigor o regulamento LMDh.

Mas há novidades como a volta da Chip Ganassi à série com um Cadillac DPi-V.R e a volta da Meyer-Shank Racing aos protótipos, concentrando atenções num dos Acura ARX-05C herdados com o fim da parceria entre a Honda e o Team Penske. O outro carro será da Wayne Taylor Racing, que rompeu décadas de parceria com a Chevrolet.

Incrivelmente, a divisão de protótipos com mais carros inscritos nessa edição das 24h de Daytona é a LMP2. Uma dezena de participantes, de nove equipes diferentes, sendo a DragonSpeed a única a inscrever dois carros. Três times – Racing Team Nederland, Cetilar Racing e High Class vêm do WEC e a Eurasia, em associação com a Rick Ware Racing, disputou ano passado o Asian Le Mans Series.

Além da chegada de uma nova equipe – a WIN Motorsport – a IMSA será a primeira categoria em que os LMP2 vão andar dentro do novo regulamento, obrigatoriamente com 40 HP a menos nos motores Gibson 4,2 litros V8 com o uso de um restritor.

Na LMP3, estarão sete carros e seis equipes diferentes – serão dois chassis Duqueine D30-M08 e cinco Ligier JS P320. E dentre os times confirmados, somente a Riley Motorsports vai alinhar dois carros. As demais, um, com destaque para a participação da CORE Autosport, que dava suporte à Porsche na GTLM até o ano passado e também da Performance Tech Motorsports, que investe numa classe de menor custo-benefício.

Corvette, BMW, Porsche e Ferrari estarão representadas na GTLM, mas o plantel de seis carros pode ser reduzido a três ‘full season’ se a marca bávara e o time de Bobby Rahal confirmarem presença somente nos eventos do IMSA Michelin Endurance Cup. A Risi Competizione só assegurou participação em Daytona até agora. Isso faria a Corvette ter como única rival a WeatherTech Racing w/Proton Competition. Tomara que não…

A GTD vai ser garantia de animação não só na primeira etapa como pelo visto no campeonato inteiro. Com 20 inscritos, nove construtores diferentes estão representados. A Porsche é que terá o maior número de carros no grid – cinco, contra três Mercedes-AMG e Lamborghini. Lexus, Ferrari e Aston Martin terão dois cada e as demais, um.

Entre as novas equipes ou, que pelo menos estarão presentes em Daytona, figuram a NTE Sport, que vai com um Audi, a HTP Winward Motorsport (Mercedes) e o Team TGM (Porsche). De resto, há os suspeitos de sempre e novas associações, como a que traz a Magnus Racing com a Archangel alinhando um Acura e o Team Hardpoint em parceria com a Earl Bamber Motorsport e a inscrição de um Porsche.

No mesmo fim de semana, haverá treinos para o IMSA Michelin Pilot Challenge, com 37 carros inscritos (24 GS e 13 TCR), além da abertura do IMSA Prototype Challenge, que conta com dezenove carros na entry list, sendo dezesseis no novo regulamento e apenas três na antiga plataforma.

O formato do ROAR esse ano mudou: ao invés de diversas sessões de treinos livres, o evento terá dois dias e pontuação para o campeonato com a adoção de uma corrida classificatória que definirá o grid das 24h de Daytona com uma disputa de 100 minutos.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

2 Comentários

  • Bom dia. Os anos de 2021 e 2022 serão anos complicados em função da transição entre os antigos e novos regulamentos (IMSA x WEC), infelizmente. Mas, é o que temos. Muitas indefinições das equipes e carros, pilotos e o calendário, ainda sujeito ao não controle da pandemia. Tempos estranhos e difíceis. O que acha Rodrigo?

  • Ufa…finalmente. Geralmente já temos movimentações logo nos primeiros dias de Janeiro e é óbvio que a pandemia iria alterar este cronograma também.
    A coisa parece que será mais animada do que imaginávamos nas classes de protótipos, apesar das saídas e reduções. Mesma situação na GTD, onde temos boa quantidade e grande variedade de marcas inscritas,
    Espero ainda que a BMW/Rahal não retire seus carros do grid e que a Rizi consiga alguma parceria financeira para alinhar seu carro ao menos em todas as provas longas.
    Que venha logo.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames