IMSA: 36 carros para as 12h de Sebring

I
A Mazda venceu pela primeira vez ano passado as 12h de Sebring e tentará o bi no próximo dia 20 (Foto: Rick Dole/IMSA)

RIO DE JANEIRO – Um dos grandes clássicos do automobilismo internacional e do Endurance, as 12h de Sebring acontecem no próximo dia 20 em sua 69ª edição – e no mais curto espaço de tempo compreendido entre a última prova e a anterior. Por conta da Pandemia, a prova do ano passado encerrou o campeonato de 2020 em 14 de novembro, oito meses após a data original.

Desta vez, mesmo com o Covid-19 ainda prejudicando todos os esportes, a IMSA levou a data para a frente. O WEC, que faria sua corrida inicial do campeonato 2021 em conjunto, na sexta-feira, é que cancelou sua participação. Mesmo assim, não será perdido o brilho da competição, que começará de dia e terminará com o escuro da noite.

Um total de 36 carros distribuído em cinco categorias foi confirmado para a prova – serão sete protótipos DPi, cinco LMP2, seis LMP3, cinco GTLM e treze GTD. Desta vez, o total de Esporte-Protótipos e GTs se equivale.

A DPi terá os mesmos carros de Daytona, incluindo o #48 da Ally Cadillac Racing e alinhado pela Action Express. Jimmie Johnson e mais Simon Pagenaud e Kamui Kobayashi vão disputar todas as provas do IMSA Michelin Endurance Cup – incluindo ainda no lote as 6h de Watkins Glen e a Petit Le Mans, em Road Atlanta.

Na LMP2, às quatro inscrições full season da categoria, soma-se o carro com o dorsal #22 da atual campeã mundial, europeia e das 24h de Le Mans na subcategoria de Protótipos: a United Autosports se apresenta para o evento com um carro que terá a bordo Jim McGuire/Wayne Boyd/Guy Smith.

 A classe LMP3 fará sua estreia nas 12h de Sebring, Em relação à primeira etapa, o plantel não contará com a Mühlner Motorsports America e serão registradas a estreia de Dan Goldburg pela Performance Tech junto a Mateo Llarena e Rasmus Lindh, além de Austin McCusker defendendo a Forty7 Motorsports no único Duqueine M30-D08 confirmado para o evento.

O plantel da GTLM é o mesmo da corrida de abertura, menos a Risi Competizione, que vai se preparar para o retorno às 24h de Le Mans com um protótipo LMP2. Outra diferença é que o Porsche #79 da Weathertech Racing terá Mathieu Jaminet e Matt Campbell correndo junto a Cooper MacNeil.

Da relação da GTD não consta um dos Lambos da Grässer, o Audi da NTE Sport, a TF Sport e seu Aston Martin, o Porsche do Team TGM, as duas Ferrari das equipes AF Corse e Scuderia Corsa e, surpresa, o Mercedes-AMG vencedor em Daytona com a HTP Winward Motorsport.

Em contrapartida, há uma estreia: o Team Hardpoint EBM confirmou um segundo Porsche para a temporada completa, alinhando Christina Nielsen e Katherine Legge com o dorsal #88. Elas terão uma companheira a ser designada. Earl Bamber e Rob Ferriol vão no #99 e Trenton Estep, que tem larga experiência de Porsche Cup, estará com eles.

Aguarda-se também o retorno de Ryan Hardwick, que sofreu uma lesão após acidente em Daytona nos treinos do IMSA Michelin Pilot Challenge e igualmente de Michael de Quesada e Antonio Garcia, que durante o fim de semana da primeira etapa foram diagnosticados com Covid.

Com relação ao Balanço de Performance (BoP) a ser adotado no segundo evento do ano, a IMSA não fez nenhuma alteração em relação ao que se viu na DPi desde a última etapa do ano passado e tampouco há mudanças entre os LMP3. O pacote técnico da LMP2 terá mudanças apenas no kit de aerodinâmica.

Entre os GTLM, o Porsche 911 RSR-19 da Weathertech contará com um restritor mais largo – 32.2mm, sendo 0.7mm maior que nas 24h de Daytona. Haverá também mudanças no regime de rotações e pressão do turbo das BMW M8 GTE, único carro dotado com propulsores do gênero na segunda etapa. O boost foi mexido nas faixas úteis entre 2600 e 7000 rpm.

Já nos GTD, haverá ajustes de peso com acréscimo de 10 kg no mínimo para os Acura NSX GT3 EVO e 20 kg para os modelos BMW, Lexus e Mercedes. O BoP indica também um aumento de pressão do turbo no carro bávaro e também nos Acura, enquanto os Lexus terão um restritor 1mm mais largo em relação à última planilha de 2020.

Com relação aos tempos mínimos de reabastecimento, os GTD terão de ficar pelo menos 40seg, 34seg para as classes LMP2, LMP3 e GTLM e 30seg para os DPi.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

1 Comentário

  • Nada mal, dadas as circunstâncias. Vale ressaltar que a vacinação vem avançando nos USA e talvez isso possa encorajar alguns times para os próximos eventos.
    No mais, vamos aguardar os treinos e ver como os times apresentam “suas armas”. Espero que a corrida da classe LMP3 seja ao menos, boa.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames