WEC, 6h de Spa-Francorchamps: Toyota espanta fantasma e é pole com Kobayashi

W

RIO DE JANEIRO – O fantasma de um LMP2 na pole position das 6h de Spa-Francorchamps foi espantado mais rápido do que se pensava. Num treino marcado por dois fortes acidentes entre os LMGTE-AM, o Toyota GR010 Hybrid já fez história – desculpem o chavão – na abertura da temporada 2021 do Campeonato Mundial de Endurance, o FIA WEC.

Com uma volta excepcional – e não precisou de muito esforço, aliás… – o japonês Kamui Kobayashi, campeão mundial do ano passado junto a Pechito López e Mike Conway cravou a primeira pole do ano: 2’00″747 contra 2’01″266 de Kazuki Nakajima no carro #8. Amanhã, a corrida começa com o seguinte desenho: Conway no primeiro stint e Buemi no outro protótipo do construtor oriental.

A Signatech Alpine só conseguiu dar uma única volta rápida com seu A480 Gibson LMP1 e Nico Lapierre ficou em quarto na geral a 1″905 da p´ole. André Negrão está escalado para a largada e Phil Hanson é quem alinha no carro que fez o melhor tempo da LMP2. Aliás, volta avassaladora de Filipe Albuquerque no #22 da United Autosports, que em nove provas do time no WEC já tem cinco pole positions somadas. O português marcou 2’02″404 e enfiou meio segundo goela abaixo de Nyck De Vries, outro encapetado, no Aurus #26 da G-Drive.

Giedo Van der Garde estabeleceu o terceiro tempo geral da LMP2 e o melhor entre os sete carros Pro-Am da categoria – que são os que têm pilotos bronze. Na sequência vieram a Realteam Racing, novata na categoria, com Norman Nato classificando, o outro carro da G-Drive, que amanhã começará com John Falb de acordo com a estratégia e os dois carros da JOTA completam o top 10. Stoffel Vandoorne classificou o #28 e o #38 parte com o mexicano Roberto Gonzalez.

De certa forma se esperava muito do Team WRT e da Inter Europol Competition e ambas as equipes foram as decepções do classificatório. Robin Frijns ficou com a décima posição da divisão e Alex Brundle, no #34 da equipe de Sacha Fassbender, veio a seguir, à frente do #1 da Richard Mille Racing, que larga em 15º geral e 12º na categoria. Tati Calderón foi a responsável no qualifying e quem larga é a holandesa Beitske Visser.

Na LMGTE-PRO, Kévin Estre deu um show. Conseguiu duas voltas rápidas espetaculares na sessão classifica´tória mais prejudicada do dia – por conta de duas batidas quase idênticas na dinâmica (inclusive, o modelo de carro é o mesmo): primeiro Christian Ried destruiu o Porsche #77 da Dempsey-Proton Racing. Logo após a pista liberada, Egidio Perfetti mandou o #56 do Team Project 1 para a barreira de pneus. Tudo no complexo Eau Rouge-Raidillon.

Com duas bandeiras vermelhas e pouco tempo de pista, sobrou fazer mágica para alguns pilotos e Estre foi brilhante. Cravou 2’11″219 – uma marca tão inacreditável que basta comparar com o tempo de Miguel Molina, o segundo da categoria: o espanhol foi batido por 1″132, o que é absurdo para uma categoria normalmente tão competitiva.

E a prova é que Molina foi 0″019 apenas melhor que o terceiro colocado, Richard Lietz, no Porsche #91. O que dá uma ideia do esforço sobrenatural de Estre pela pole. Ale Pier Guidi também não ficou muito longe dos adversários e o Corvette acabou como o quinto classificado – Antonio Garcia marcou 2’13″106.

A Aston Martin ficou com 1-2 na LMGTE-AM, graças a Ben Keating e Paul Dalla Lana – e também aos acidentes. O estadunidense fez a melhor volta da sessão em 2’14″660, superando o gentleman driver canadense por nove décimos de segundo.

Com as “pancas” de Ried e Perfetti, o melhor Porsche foi o surpreendente #88 do estreante Andrew Haryanto, irmão do antigo piloto de F1 Rio Haryanto. Thomas Flöhr ficou como o melhor entre os Ferrari do grid, seguido por François Perrodo – ambos em carros da AF Corse – e Roberto Lacorte, igualmente numa máquina assistida pela equipe de Amato Ferrari.

A italiana Manuela Göstner se classificou em sétimo entre nove carros que marcaram tempo – o Aston Martin #777 da D’Station Racing teve suas voltas anuladas por excesso de track limits por parte do japonês Satoshi Hoshino.

A disputa das 6h de Spa-Francorchamps pode ser acompanhada na íntegra no site ou no app do FIA WEC – mas por um valor fixo de € 37.99 pela temporada completa. A largada será às 13h30 locais – 8h30 de Brasília.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

Adicione um Comentário

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames