24h de Le Mans: Glickenhaus é a surpresa do Test Day

2

SÃO PAULO – O Journée Test da edição 2021 das 24h de Le Mans apresentou uma surpresa e tanto neste domingo de atividades de pista no circuito de La Sarthe. Com a marca de 3’29″115, o Hypercar da Glickenhaus – sem sistemas híbridos, nunca é demais lembrar – foi o carro mais rápido entre os 62 concorrentes, superando a favorita Toyota, atual tricampeã da clássica prova francesa.

O autor do giro mais veloz foi Olivier Pla, que dividirá os trabalhos no carro #708 ao longo do evento com o brasileiro Pipo Derani e o também francês Franck Mailleux, que há alguns dias efetuou um excelente retorno às pistas por ocasião das 6h de Monza.

Pla efetuou essa volta numa simulação de qualificação, batendo o tempo de Mike Conway no GR010 Hybrid da Toyota, em 3’29″340. Mais cedo, Brendon Hartley, integrante da trinca atualmente campeã do evento com Sébastien Buemi e Kazuki Nakajima, fora o mais rápido.

O único LMP1 inscrito na Hypercar, o Alpine A480 Gibson que terá entre os pilotos o brasileiro André Negrão, marcou o 4º tempo com 3’30″111.

Na LMP2, deu IDEC Sport com o carro #48: Paul-Loup Chatin fez a melhor volta do Test Day com 3’31″105, somente quinze milésimos abaixo do tempo de Will Stevens com o #65 da Panis Racing. Estreando no evento, o Team WRT ficou com a 3ª posição com Louis Déletraz a bordo do #41.

Nas posições seguintes vieram a United Autosports, com o #23 do trio Wayne Boyd/Alex Lynn/Paul Di Resta melhor que o #22 de Filipe Albuquerque/Phil Hanson/Fabio Scherer, enquanto a Risi Compétizione de Felipe Nasr e parceiros foi a 6ª colocada. O Racing Team Nederland suplantou os demais inscritos da subdivisão Pro-Am, que têm a presença de um piloto bronze em suas tripulações.

A Porsche dominou a LMGTE-PRO: com quatro carros no plantel, fez 1-2-3 sendo que Kévin Estre estabeleceu a melhor marca do dia ainda na primeira sessão – 3’52″901, O francês foi apenas três milésimos melhor que Gimmi Bruni no segundo carro do construtor de Weissach. Earl Bamber foi o 3º geral do dia com o #79 da Weathertech Racing, mas sua marca não foi suficiente para suplantar os carros oficiais de fábrica.

A Ferrari #51 e a AF Corse foram os melhores não-Porsche da principal divisão de Grã-Turismo. Enquanto isso, foi pouco auspiciosa a estreia dos Corvette C8.R em Le Mans, inclusive com uma grave falha mecânica no carro de Antonio Garcia/Jordan Taylor/Nicky Catsburg, com direito a troca de motor e caixa de marchas.

Na LMGTE-AM, 0″030 somente separaram os dois mais rápidos e deu Porsche também nesta divisão. Com o #99 da Proton Competition, Harry Tincknell se aboletou com a melhor marca do dia, seguido do italiano Riccardo Pera, do Team Project 1.

Quem quebrou a supremacia Porsche nas primeiras posições foi a Ferrari da JMW Motorsport, 3ª colocada com Thomas Neubauer/Jody Fannin/Rodrigo Sales. A Dempsey-Proton Racing com o #88 do trio Andlauer/Bastien/Arnold ficou em quarto e outra 488 GTE, da novata Inception Racing fechou o grupo do top 5,

Os Aston Martin não foram bem: o #98 de Paul Dalla Lana/Marcos Gomes/Nicki Thiim não melhorou sua volta em relação ao treino matinal e a marca de 3’55″710 foi apenas a 16ª mellhor entre os 23 carros inscritos. O #33 de Ben Keating/Felipe Fraga/Dylan Pereira foi somente o penúltimo colocado – 3’56″895.

As atividades oficiais para a prova começam quarta-feira: às 9h de Brasília a pista será liberada para 3h de atividades de treinos livres. A sessão classificatória que define os participantes da Hyperpole começa às 19h locais, 14h de Brasília, com 60 minutos de pista aberta. Depois, haverá um segundo treino noturno, com início para 17h de Brasília e duração de duas horas. Nesse treino as equipes vão poder trabalhar nos ajustes finos para a corrida.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

5 Comentários

  • Estaria a Toyota escondendo o jogo por causa do BoP? De qq forma, é ótimo os Glicks serem protagonistas, ainda q acredite q eles tem problemas de consumo de combustível e pneus.

  • Rapaz…imagina o quão aberta será essa disputa overall…todos esses carros novos andando bem e, claro, podendo quebrar, como o Toyota já nos mostrou…se o Glickenhaus confirmar esta força nos treinos poderemos talvez esperar algo semelhante ao que a Ford fez em 2016 pela LMGTE Pro, quando fez corridas discretas (propositalmente?) no IMSA e no próprio WEC e, quando chegou em Sarthe mostrou a verdadeira capacidade do carro, sendo inclusive muito penalizado nas edições seguintes. A conferir.

  • Inicio promissor para Glickenhaus não custa sonhar um carro desses está na mão do brasileiro Derani. A Toyota a anos é famosa pelo ciclo de problemas, mas, pode ser agora que os japoneses dominem nesse quesito a Glickenhaus terá de provar que já está em um bom nível.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames