MENU

15 de agosto de 2015 - 13:06Túnel do Tempo

Direto do túnel do tempo (285)

tumblr_n0sr7epuXx1t8n9b0o1_1280

RIO DE JANEIRO - Houve um tempo em que a Fórmula 1, em busca de novos caminhos, ousou a ponto de não só revolucionar a questão da aerodinâmica como pôr em risco a segurança dos pilotos. O Mundial de 1968 que o diga.

Naquela época, os projetistas começaram a busca desenfreada por mais velocidade e mais pressão aerodinâmica. E como não havia um padrão definido, deitou-se e rolou-se – enquanto não havia um padrão definido e isso só se tornou possível em razão dos vários acidentes que aconteceram depois.

A foto mostra bem do que aquela turma era capaz.

Curva Parabólica de Monza, GP da Itália. Notem a altura da asa traseira do Honda #15 de David Hobbs e, principalmente, a estranha proposta da BRM no carro do mexicano Pedro Rodriguez. Nenhum dos dois, contudo, terminou a prova que foi ganha pela McLaren de Denny Hulme, com Johnny Servoz-Gavin em 2º e Jacky Ickx em terceiro.

Há 47 anos, direto do túnel do tempo.

3 comentários

  1. José Carlos da Silva disse:

    Não tenho bem certeza, mas parece que a quebra dessas asas, causou o acidente que vitimou Jochen Rindt em Monza, e provocou varios acidentes.

    • Anderson disse:

      No caso do Rindt não foi isso não, foi uma quebra da suspensão. Ele sequer correu com aerofólios para ter mais velocidade de reta.

      • Zé Maria disse:

        Na verdade o que quebrou foi um dos semi-eixos dos freios inboard dianteiros, causando o desvio para a área externa da Parabólica, o choque com o guard-rail com posterior ricocheteio da 72 e os ferimentos fatais, causados principalmente pela falta do 5º ponto do cinto de segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>