MENU

11 de dezembro de 2015 - 21:41Galeria de Campeões

Galeria dos Campeões 2015 – Europeus/Internacionais

RIO DE JANEIRO - O blogueiro está de férias no Fox Sports e o tempo disponível para a atualização do blog não tem sido grande. Nesse fim de semana, também estou dando atenção máxima ao meu filho, que ganhou um “vale-pai” até domingo. Então estou sem poder fazer muitos posts como gostaria – principalmente os que dão muito trabalho feito a Galeria dos Campeões.

Mas aí vai a terceira, com os principais vitoriosos nas categorias europeias e internacionais em 2015.

GP2 Series

1431098166

Faz muito tempo que a GP2 Series não assistia a um domínio tão avassalador de um piloto quanto o de Stoffel Vandoorne neste ano. O belga, piloto-reserva da McLaren na Fórmula 1, destruiu na temporada 2015 e foi o grande campeão da ante-sala da categoria máxima. Mas, sem dinheiro e sem qualquer possibilidade momentânea de substituir tanto Fernando Alonso quanto Jenson Button, terá que se contentar em ser regra três no próximo ano. Em 21 provas disputadas, já que a última acabou vergonhosamente cancelada em razão de um acidente, Vandoorne venceu nada menos que sete. Fez também cinco poles, sete recordes de volta em prova e 16 pódios. Marcou também quase o dobro dos pontos do vice, o estadunidense Alexander Rossi, que chegou inclusive a correr de F1 pela fraquíssima Manor.

A participação brasileira foi uma das piores da história: André Negrão fez o campeonato completo pela Arden e só marcou cinco pontos, com dois nonos lugares em Barcelona (na abertura da temporada) e Abu Dhabi (na última corrida do ano) como melhor resultado.

GP3 Series

1431419199

Esteban Ocon, francês que agora está na mira da Mercedes-Benz como piloto júnior da estrela de três pontas e de testes de F1 (basicamente em simuladores), é o novo campeão da GP3 Series. Aos 19 anos, ele estreou na categoria vindo do título europeu de F3 em 2014, derrotando entre outros o enfant gaté da Red Bull Max Verstappen. Desligado do vínculo com a Lotus, que o mantinha sob contrato até o início do ano, Ocon fez um campeonato bastante regular neste ano. Só venceu uma prova de um total de 18 no calendário, mas conquistou 14 pódios e foi mais eficiente que o italiano Luca Ghiotto, que mesmo ganhando quatro vezes, acabou com o vice e derrotado por oito pontos de diferença na rodada dupla final.

AutoGP World Series

103233_697x437_crop_554e7b224c6b3

Estranho colocar o brasileiro Antonio Pizzonia na galeria dos campeões de 2015, uma vez que a temporada da AutoGP World Series foi reduzida a apenas duas rodadas duplas. Sem quorum de pilotos – apenas nove competiram na primeira prova e sete na segunda – o amazonense que também está na Stock Car brasileira ganhou duas etapas do curto campeonato e levou o título. O argentino Facundo Regalia ficou em 2º e o angolano Luís Sá Silva completou o top 3 num ano que praticamente não existiu para a categoria idealizada por Enzo e Paolo Coloni. Em 2016, eles pretendem voltar com a AutoGP, mas somente em território italiano.

World Series by Renault (Fórmula 3.5 V8)

g7c9495

O britânico Oliver Rowland, de 23 anos, foi o grande nome da World Series no último ano da categoria com apoio pleno da Renault, já que para 2016 a montadora francesa retirou o patrocínio. Defendendo a tradicional escuderia Fortec Motorsports, ele venceu oito das 17 corridas disputadas num total de nove rodadas (apenas em Mônaco não se competiu duas vezes), batendo o francês Mathieu Vaxivière por larga margem. O fim do apoio da Renault à World Series não significou o fim da categoria: o pai do recém-aposentado Jaime Alguersuari retomou, através de sua empresa de promoção, a RPM, os direitos sobre a competição, que acontecerá na próxima temporada normalmente.

A participação brasileira não foi das melhores em termos de desempenho: Pietro Fantin até vinha bem com um pódio conquistado em Silverstone, com um 3º lugar. Tinha 61 pontos e abandonou o campeonato antes das duas rodadas finais em Le Mans e Jerez de la Frontera. Acabou em décimo na tabela de pontos. André Negrão voltou à categoria para socorrer o pai Guto, proprietário da Draco. Marcou quatro pontos em quatro corridas. Bruno Bonifácio também abandonou a categoria antes do fim da temporada: fez um solitário ponto na rodada inaugural em Alcañiz e ficou com a 25ª colocação da classificação final.

FIA F3 European Championship

2015-fia-f3-10-suer-5611-36b5

A temporada foi de desempenhos irregulares no início. Mas prevaleceu a experiência de Felix Rosenqvist e o “fator equipe” na disputa do título de Campeão Europeu de Fórmula 3. A bordo do carro #1 da Prema, que vencera as temporadas de 2013 e 2014 com Raffaele Marciello e Esteban Ocon, o piloto sueco fez o que quis na metade decisiva do campeonato e pôs fim às pretensões do italiano Antonio Giovinazzi, do monegasco Charles Leclerc e do britânico Jake Dennis, seus principais rivais ao longo do ano. Rosenqvist ganhou mais de um terço das 33 corridas que compuseram a temporada e inclusive emplacou cinco triunfos consecutivos na reta final, o que muito contribuiu para o seu merecido título. Ele largou da posição de honra do grid por 17 oportunidades e fez 13 recordes de volta em prova. Não à toa, venceu com mais de 100 pontos de margem para Giovinazzi.

A participação brasileira foi boa: Sérgio Sette Câmara estreou na categoria pelo time alemão Motopark e, além de se destacar no Masters de Zandvoort e no GP de Macau, conquistou dois pódios – um deles em Spa. O piloto mineiro acabou em 14º lugar com 57,5 pontos somados. Já Pietro Fittipaldi teve contra si o fato da Fortec Motorsports não ser um time de topo na categoria, embora seja bastante tradicional nas categorias de base. O neto do bicampeão de F1 Emerson Fittipaldi andou bem em algumas pistas como Algarve e Monza, mas teve contratempos como na rodada de Pau, outra das provas mais importantes do calendário. O piloto fechou o ano em 17º, com 32 pontos. Matheus Leist fez uma aparição na rodada tripla do Red Bull Ring, na Áustria – e seu melhor resultado foi um 24º posto.

Euroformula Open

268161_553756_campeao

Vítor Baptista chegou com a cara e a coragem ao automobilismo europeu e deu um título inédito para pilotos do Brasil no automobilismo internacional. O campeão da Fórmula 3 Light em terras tupiniquins no ano passado mostrou ótima adaptação aos monopostos Dallara F312, bem mais modernos que o F301 com que competiu (e venceu) por aqui. Baptista trabalhou com a equipe italiana RP Motorsport, venceu seis provas em oito rodadas duplas ao longo do ano e conseguiu derrotar o grande favorito ao título, o russo Konstantin Tereschenko, batido por apenas cinco pontinhos na última prova em Barcelona.

Henrique Baptista, outro brasileiro (sem vínculo algum com Vítor em termos de parentesco), acabou num modesto 15º lugar ao fim do campeonato, somando apenas 14 pontos.

Formula Renault 2.0 Euro

IMG_2591-776x415

Jack Aitken foi o “cara” da Fórmula Renault Europeia em 2015. Defendendo a Koiranen Motorsport, o jovem de 20 anos fez a festa na categoria de base e bateu os favoritos Louis Déletraz (filho do folclórico ex-piloto de F1 Jean-Denis Déletraz) e Ben Barnicoat, tidos como os pilotos a serem superados no início do ano. Em 17 corridas realizadas, Aitken venceu cinco e sagrou-se campeão com 206 pontos somados contra 193 do vice Déletraz e do 3º colocado Kevin Jörg.

A participação brasileira não foi das mais espetaculares. Thiago Vivacqua correu toda a temporada pela JD Motorsport e somou 25 pontos. Seu melhor resultado foi uma 5ª posição numa das provas da rodada tripla realizada em Silverstone. Bruno Baptista fez algumas aparições de pouco ou nenhum brilho pela Manor MP e também pela Koiranen, correndo sem direito a pontos na temporada 2015.

Formula Renault 2.0 NEC

louis-deletraz-ads-securities-renault-2-0-driver

Se não foi campeão da série europeia, ao menos Louis Déletraz levou uma taça de campeão para casa: o helvético de 18 anos dominou por completo a Fórmula Renault 2.0 NEC (sigla para North European Championship) e numa temporada de 18 corridas, ganhou metade delas, com 12 pódios, onze pole positions e oito recordes de volta em prova, para não deixar dúvidas acerca de seu domínio. Terceiro na Fórmula Renault 2.0 Euro, Kevin Jörg aqui foi o vice.

Bruno Baptista participou da temporada 2015 nesta categoria, competindo por várias equipes. Seu melhor resultado foi um 13º lugar na última corrida do ano e o piloto brasileiro fez apenas 35 pontos, ficando com a 25ª posição ao fim do certame.

Blancpain Sprint Series

timthumb

A dupla formada por Maximilian Buhk e Vincent Abril levou o título na série Sprint organizada pela SRO de Stéphane Ratel. Com o Bentley da HTP Motorsport, o alemão e o francês somaram apenas oito pontos a mais que o vice-campeão, o holandês Robin Frijns, da favoritíssima WRT Audi. E por falar em favorito, o belga Laurens Vanthoor, considerado hoje o melhor piloto de Grã-Turismo do planeta, sofreu um acidente grave na etapa de Misano Adriático e não pôde brigar pelo campeonato. Mesmo assim, acabou em 3º lugar na soma de pontos.

O ano dos pilotos brasileiros foi bom, apesar das desavenças entre a equipe chefiada por Washington Bezerra e Antonio Hermann com a alemã BMW. Átila Abreu e Valdeno Brito foram os que mais se destacaram, fechando a temporada na 7ª colocação com 74 pontos. Cacá Bueno e Sérgio Jimenez marcaram 40 e ficaram em décimo-primeiro. Eles não puderam fazer a temporada completa e foram substituídos em Nogaro por Dirk Muller e Maxime Martin, que conquistaram para a equipe brasileira a única vitória em toda a temporada. Os irmãos Ricardo e Rodrigo Sperafico também atuaram em Nogaro como substitutos de Átila e Valdeno, mas não pontuaram.

Blancpain Endurance Series

1442818719

Um ano de ouro para a Nissan, apesar do fracasso nas 24h de Le Mans. A marca japonesa venceu a difícil 12h de Bathurst, na espetacular pista de Mount Panorama, e levou a taça no Blancpain Endurance Series com seu “Godzilla” GT-R GT3 Nismo, guiado por Wolfgang Reip/Katsumasa Chiyo/Alex Buncombe. A trinca venceu com grande competência os 1000 km de Paul Ricard e também foi ao pódio com o 3º lugar em Nürburgring, dando a taça com três pontos de vantagem aos vice-campeões Steven Kane/Guy Smith/Andy Meyrick.

Mesmo sem ter disputado a temporada completa (participou somente das 24h de Spa-Francorchamps), Augusto Farfus acabou como o melhor brasileiro na classificação, com o 18º lugar. Bruno Senna, contratado como piloto de fábrica da McLaren, foi o vigésimo. Felipe Fraga e Sérgio Jimenez ficaram em 22º na classificação, com Cacá Bueno em 24º e Átila Abreu em 26º. Valdeno Brito, Matheus Stumpf e Ricardo Sperafico também defenderam o BMW Team Brasil no BES, mas não pontuaram.

Nas outras subcategorias do certame, Matt Griffin e Duncan Cameron levaram o titulo da Pro-Am Cup e a dupla formada por Ian Loggie/Julien Westwood venceu a temporada na divisão Am Cup.

International GT Open

AlvaroParente-MiguelRamos-GtOpen2015-RedBullRing-640x426

Outrora pujante, o International GT Open ressentiu-se de mais um ano de crise quanto ao nível técnico e ao baixo número de participantes. As provas nunca tiveram um grid superior a 20 carros e ainda assim houve alguma emoção em diversas corridas. O título veio para a dupla portuguesa formada por Miguel Ramos e Álvaro Parente, que defendeu as cores da Teo Martin Racing. Eles faturaram a taça não só na classificação geral como também na categoria Pro-Am.

Nas demais subdivisões do certame, Claudio Sdanewitsch foi o que mais pontuou na classe Gentleman’s Cup e o britânico James Abbott foi o mais eficiente da classe Am Cup.

GT4 Euro Series

201506072-LMRT

Marcel Van Nooren e Jelle Beelen levaram o título do Europeu de GT4, que foi disputado em seis rodadas duplas. Com o Chevrolet Camaro da equipe holandesa V8 Racing, a dupla somou 208 pontos contra 170 do vice-campeão, o experiente Duncan Huisman. Na divisão Am, titulo para Daniel Uckermann, com apenas dois pontos de vantagem para o vice, Pavel Lefterov.

European Le Mans Series (LMP2)

1445198085

Numa temporada sensacional do ELMS em 2015, a Greaves Motorsport derrotou os conterrâneos e favoritos do Team Jota Sport e levou o título com a trinca formada por Gary Hirsch/Björn Wirdheim/Jon Lancaster, somando duas vitórias e 93 pontos – dois à frente dos vice-campeões Pierre Thiriet e Ludo Badey. A trinca formada por Harry Tincknell/Simon Dolan/Filipe Albuquerque fez três poles em cinco etapas, venceu uma corrida mas acabou apenas em 3º lugar.

Oswaldo Negri apareceu em temporada parcial defendendo a Krohn Racing com um Ligier JS P2 Judd. O brasileiro foi quarto em Silverstone e quinto em Imola. Somou 22 pontos e acabou o campeonato em 13º lugar.

European Le Mans Series (LMP3)

Nissan at the first round of FIA World Endurance Championship - Silverstone GB

O primeiro ano da classe LMP3 no ELMS viu o título de uma dupla britânica: o escocês Charlie Robertson e a lenda do ciclismo Chris Hoy foram absolutos num ano em que as equipes não compareceram em grande número à temporada. A dupla ganhou três etapas e levou a taça com boa antecedência e 26 pontos de vantagem sobre o vice, Gaëtan Paletou.

European Le Mans Series (LMGTE)

2015-05-18-formularacing-elms-imola-01

Com duas vitórias e 83 pontos somados nas cinco provas do ano, Johnny Laursen/Andrea Rizzoli/Mikkel Mac Jensen levaram o título do ELMS na classe LMGTE, tão equilibrada quanto a LMP2. A diferença para a tripulação vice-campeã, formada por Andy Priaulx/Jesse Krohn/Henry Hassid foi de somente quatro pontos. No próximo ano, com a entrada de novos carros, a divisão deve voltar a ser tão atrativa quanto o foi em outros tempos.

European Le Mans Series (GTC)

Car #60 / FORMULA RACING (DNK / Ferrari F458 Italia / Johnny Laursen (DNK) / Mikkel Mac (DNK) / Andrea Rizzoli (ITA)  - ELMS 4 Hours du Castellet at Paul Ricard - Le Castellet - France

No último ano da classe GTC compondo o grid do ELMS, já que o ACO organizou uma competição só para os modelos GT3 em 2016, o título ficou com a francesa TDS Racing. A trinca formada por Éric Dermont/Franck Perera/Dino Lunardi ganhou duas corridas e fez 101 pontos, vinte à frente dos vice-campeões Francesco Castellacci e Stuart Hall.

European Touring Car Cup (ETCC)

borkovic-630x354

O Campeonato Europeu de Carros de Turismo (ETCC) foi disputado em seis rodadas duplas, dividido em quatro subcategorias: TC2 Turbo, TC2, Super 1600 e Single-Make Trophy (SMT). Nesta, o campeão foi o sérvio Dusan Borkovic, conhecido pela estatura elevadíssima (2,08 m). O alemão Nicklas Machschin levou o troféu na Super 1600, enquanto na TC2 Turbo o título foi de Davit Kajaia, da Geórgia, antiga república da URSS. O tcheco Michal Matejovsky foi o primeiro do ranking da TC2.

TCR International Series

Cominitcr2015race2

Nova categoria de Turismo criada pelo italiano Marcello Lotti, antigo organizador do WTCC, a TCR teve 22 corridas distribuídas em onze rodadas duplas, poucos pilotos disputando a temporada inaugural completa e o primeiro campeão da história é o italiano Stefano Comini, que somou 342 pontos e venceu seis vezes. O espanhol Pepe Oriola foi o vice e Jordi Gené terminou o ano em terceiro. Embora a ideia do TCR International Series seja boa, a categoria deixou a desejar quanto às questões de homologação dos carros e do regulamento técnico.

Porsche Michelin Supercup

2cfaf8db-8f8d-477c-b088-05661aa84f08_teaser_original_720x1_5

A já tradicional competição monomarca da Porsche promoveu várias boas corridas como preliminar das provas da Fórmula 1 espalhadas pela Europa e até nos EUA. E conheceu mais um novo campeão: o austríaco Philipp Eng, integrante do programa júnior de pilotos do construtor do cavalinho empinado de Stuttgart, levou o título da temporada 2015 com 19 pontos de vantagem sobre o alemão Sven Müller.

Pedro Piquet, filho do tricampeão mundial de F1 Nelson Piquet, disputou duas provas no Red Bull Ring e Hungaroring, sem direito a pontos. Só terminou a prova da Áustria, com a 27ª colocação ao final da disputa.

Ferrari Challenge Europe

grossmann_500x500

A categoria destinada apenas a modelos Ferrari e aos integrantes do programa Ferrari Corse Clienti teve três campeões consagrados em 2015: Björn Grossmann na classe Pro, o belga Jacques Duyver na divisão Shell e o italiano Alessandro Vezzoni na Pirelli-Am.

European Lamborghini Super Trofeo

patrick_kujala_palkintopallilla_2015_kuva_lamborghini

Patrick Kujala levou o título da temporada 2015 no European Lamborghini Super Trofeo. O piloto finlandês de apenas 19 anos dominou a temporada e somou 144 pontos, 53 a mais que o vice-campeão Daniel Zampieri. Nas outras subclasses, troféus para Loris Spinelli na Pro-Am, Shota Abkhazawa na Huracán Am e para a dupla formada pela angolana Carina Lima e pelo italiano Andrea Palma na classe Gallardo Am.

Renault Sport Trophy

renault-sport-trophy-italian-duo_1

Com o novo modelo Renault RS01, o Renault Sport Trophy foi dividido em três categorias – Endurance, Elite e Prestige. Nas provas longas, quem levou a melhor foi a dupla formada por Dario Capitanio e Davide Fumanelli, somando 115 pontos, vinte a mais que Andrea Pizzitola/Richard Gonda. Na Elite, a taça ficou com Pizzitola e Capitanio foi o campeão da Prestige.

Houve participação brasileira na temporada 2015: Alan Hellmeister/Adalberto Baptista tomaram parte do Renault Sport Trophy e marcaram 22 pontos, fechando o ano em 15º lugar. Hellmeister foi o 11º colocado na classificação da divisão Elite e Baptista ficou em 12º na Prestige.

SEAT Leon Cup

SetRatioSize900650-Pol-Rosell-4

No certame monomarca destinado a modelos do fabricante espanhol SEAT Leon, o espanhol Pol Rosell foi o campeão de 2015. O piloto da Baporo Motorsport conquistou aliás seu segundo título no certame, com duas vitórias em 14 corridas disputadas. Rosell fez onze pontos a mais que o vice, Stian Paulsen.

Nascar Whelen Euro Series

NWES-Ander-Vilarino-Valencia-2015

O espanhol Ander Vilariño conquistou mais um título da Nascar Whelen Euro Series – o terceiro nos últimos quatro anos, considerando o tempo em que a categoria ainda era conhecida como Racecar Euro. O piloto de 36 anos conquistou três vitórias, oito pódios e marcou ainda três recordes de volta em prova neste ano, somando 662 pontos. O israelense Alon Day foi o vice-campeão, seguido pelo francês Romain Iannetta, pelo belga Anthony Kumpen e por Eddie Cheever Jr., filho do ex-piloto de F1 Eddie Cheever.

A categoria, que teve a participação de diversos pilotos de divisões inferiores da Nascar, também teve presença brasileira: William Ayer Jr. fechou o campeonato da Elite 1 em 14º lugar e sua colega de escuderia, Gabriela Prado, acabou na décima-quinta posição na divisão Elite 2. Nesta subclasse, o título da temporada foi do italiano Gianmarco Ercoli. O piloto de apenas 20 anos bateu o austríaco Philipp Lietz e o francês Thomas Ferrando, para levar o troféu para casa.

CIK-FIA European KZ Championship

flaviocamponeschi121214e

O título europeu da principal categoria do Kart é do italiano Flavio Camponeschi, da Tony Kart Racing Team. O piloto de 23 anos, campeão mundial da modalidade em 2012, levou o troféu da temporada 2015 com duas vitórias nas três etapas que compuseram o certame neste ano. O veterano compatriota Marco Ardigò, 32 anos de idade, foi o vice, seguido do britânico Ben Hanley.

CIK-FIA European KZ2 Championship

karting Lidköping open

Sem vencer nenhuma das três etapas da temporada, o sueco Joël Johansson, de 26 anos, levou o título europeu de Kart na categoria KZ2. O piloto da Energy Corse somou três pontos a mais que o espanhol Pedro Hiltbrand, que defende a CRG e levou o título para a região nórdica.

CIK-FIA European KF Championship

MadCroc_01

Outro veterano de guerras, o britânico Ben Hanley, que chegou a correr até na GP2 Series, conquistou um título há muito por ele perseguido. Aos 30 anos, ele levou o troféu de campeão do Europeu de Kart na classe KF. Defendendo a equipe Mad-Croc, o piloto venceu uma das três provas da temporada e somou dois pódios. O conterrâneo Tom Joyner foi o vice.

CIK-FIA European KF Junior Championship

lund-8157

O dinamarquês Christian Lundgaard, de apenas 14 anos, levou a taça do Europeu da classe KF Junior neste ano de 2015. Com uma vitória e dois pódios, o adolescente superou o indonésio Presley Martono e o belga Kenny Roossens, que fecharam o top 3 final. O vice-campeão mundial Clément Novalak ficou apenas em quinto lugar.

Caio Collet e Felipe Drugovich fizeram também a temporada europeia e conquistaram bons resultados. Terceiro no Mundial, Collet (Kosmic Racing) completou o certame em 6º lugar com 31 pontos. Drugovich, defendendo a mesma escuderia, fez 29 pontos e acabou o ano em oitavo. Ambos subiram ao pódio com um 3º lugar como melhor resultado neste ano.

FIA European Rally Championship (ERC)

6d87e15b01734a1cb5b11a9c06fcf613

Se Robert Kubica não vem tendo sorte no WRC, um conterrâneo seu acabou por se consagrar Campeão Europeu de Rali. Defendendo a mesma Lotos Rally Team que um dia teve o ex-piloto de Fórmula 1, Kajetan Kajetanowicz levou o título com 230 pontos somados, três vitórias e sete pódios. O vice ficou com o experiente Craig Breen, que participa eventualmente de provas do Mundial, com boas performances. O russo Alexey Lukyanuk completou os três melhores do certame continental em 2015.

FIA European Rallycross (ERX)

CRnJjpDWIAErP1j

O veterano norueguês Tommy Rustad continua com muita lenha para queimar: aos 47 anos, ele conquistou neste ano seu primeiro título no Europeu de Rallycross e também o primeiro da carreira depois de oito temporadas, quando faturara o STCC (Superturismo Sueco) defendendo a Volvo. Com o carro da HTB-Marklund Motorsport, Rustad venceu três eventos da temporada e somou 135 pontos. O francês Jerôme Grosset-Janin ficou com o vice e outro norueguês, Ole-Christian Veiby, foi o 3º na classificação.

2 comentários

  1. Rodrigo Vilela disse:

    Salve, xará. Desculpe dizer, mas nessa parte dos campeões não deveria ter a F3 Europeia, com o Felix Rosenqvist campeão??

    No mais, perfeito. Tem muito campeonato que eu só fiquei sabendo que existia graças ao teu blog… hehehehehehehe…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>