MENU

19 de outubro de 2017 - 14:09Fórmula 1

O fico de Don Fernando

RIO DE JANEIRO - A saída da Honda e a negociação da McLaren com a Renault pesou. E Fernando Alonso teve o seu “dia do fico” nesta quinta-feira, véspera da abertura de treinos livres para o GP dos EUA em Austin. O espanhol renovou seu contrato com a equipe britânica, não se sabe – ainda – se nas bases pretendidas, mas a própria escuderia, com uma leve alfinetada na Honda, confirmou sua permanência via redes sociais.

McLarenTwitter

A reprodução do anúncio da renovação com Alonso no Twitter chama o espanhol de “Samurai”, uma alfinetada na Honda, futura ex-parceira do time chefiado por Zak Brown e Eric Boullier (Foto: reprodução Twitter)

A princípio, o acordo entre McLaren e Alonso é válido para 2018 – com opção de extensão do período por parte da equipe e do piloto de 36 anos, que reencontrará no próximo ano a velha conhecida que o impulsionou a dois títulos mundiais de pilotos entre 2005 e 2006, antes de ir para a própria McLaren, voltar à equipe do construtor francês e depois partir rumo à Ferrari em busca dos títulos que jamais aconteceram e certamente fariam do asturiano um mito na Casa de Maranello.

A segunda parceria com a McLaren começou mal e sobrou para a Honda, com quem o time de Woking tinha uma ligação umbilical por conta do sucesso nos anos 1980/1990. Mas, desta vez, não houve química e sim críticas – principalmente do espanhol.  Foram constantes os momentos de queixa. “Motor de GP2″, numa prova disputada no Japão, no quintal de casa da Honda, foi apenas um dos muitos epítetos dirigidos por Don Fernando ao fornecedor da McLaren. É claro que tinha tudo para dar divórcio. E deu.

Agora fica a questão se com o fim do calvário de fato a McLaren terá mínimas condições de elevar seu patamar na próxima temporada. Afinal, o que se espera de um dos times mais tradicionais da história da Fórmula 1 é algo compatível com seu passado. Zak Brown e Eric Boullier não podem se dar ao luxo de fracassar com a nova aliança e, desde já, têm que exigir que a escuderia esteja ao mesmo nível pelo menos da Red Bull, também cliente da Régie.

Quanto ao “fico” de Alonso, sabe-se que o espanhol teria condicionado a renovação de seu compromisso a uma série de benesses, que incluem um belo salário e a possibilidade de disputar também duas provas de Endurance – as 24 Horas de Le Mans e as 24 Horas de Daytona – a hipótese do retorno de Alonso às 500 Milhas de Indianápolis está descartada num primeiro momento. Hoje, o site estadunidense Sportscar365.com divulgou que existem negociações para que Fernando possa disputar a prova da Flórida em janeiro pela United Autosports, equipe de seu patrão, Zak Brown.

O time terá dois protótipos Ligier JS P217 LMP2 em Daytona e já confirmou quatro pilotos: Lando Norris (novo campeão europeu de Fórmula 3), Will Owen (que corre pelo time no ELMS), Phil Hanson (que estava na Tockwith Motorsports no ELMS e em provas esporádicas do WEC) e, surpreendentemente, Paul Di Resta, que negocia para ocupar a vaga de Felipe Massa na Williams, ano que vem.

“Quem não gostaria de ter Alonso em sua equipe numa prova como Daytona?”, comentou Brown. “Os lugares ainda não estão totalmente preenchidos e uma vez que estivessem confirmados, não haveria lugar para ele. Mas a partir de hoje, haverá um – se fosse realmente algo que ele quisesse fazer. E acho que quer”, disse o dirigente.

.

5 comentários

  1. Gustavo disse:

    Tomara que McLaren e Alonso voltem à frente do pelotão, o que seria ótimo também para a F-1.

    Quanto a Honda, me parece que houve excesso de otimismo e, definitivamente, voltar à F-1 por um time grande não foi uma decisão inteligente: deveriam ter começado, já em 2015, numa Toro Rosso da vida.

    As tecnologias da F-1 são complicadas, e monótonas.

  2. Fernando Voigt disse:

    Bem, como o espanhol é zicado, já sabemos que a Toro Rosso vai andar barbaridade com o motor Honda ano que vem.

  3. Vinicius disse:

    Pelo talento que tem, dois títulos é pouco para o Alonso, mas parece que vai se aposentar com isso mesmo pois, mesmo que a Renault faça um motor vencedor, será daqui uns 3 ou 4 anos…

  4. Fernando Silva disse:

    Expectativa dupla: Para a McLaren voltar ao seu patamar de time grande no grid, bem como Alonso, pelo piloto que é, e para a Honda num outro chassi…aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

  5. caio murilo disse:

    hierarquia 2018 1 pelotão – mercedes,ferrari,red bul. 2 pelotão – renault,mclarem e forc india. 3 pelotão – williams,hass. 4 pelotão – sauber,toro rosso.
    como alonso tira leite de pedra,vai ta ali entre os 05, 06 primeiros,2018 será legal,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>