MENU

15 de abril de 2018 - 12:43European Le Mans Series

Estreia de gala: Racing Engineering triunfa na abertura do ELMS em Paul Ricard

Racing-Engineering-ORECA-2018-ELMS-Paul-Ricard-Race

Sangre y oro: a Racing Engineering honrou seu histórico noutros campeonatos e venceu de forma histórica em sua estreia no ELMS (Foto: Dailysportscar/Reprodução)

 

RIO DE JANEIRO - Considerando o histórico pregresso em diversas categorias de monoposto, com 12 títulos conquistados – dois deles na GP2 Series (atual Fórmula 2), Alfonso de Orléans-Borbón levou sua Racing Engineering para os Esporte-Protótipos com um objetivo claro: ser protagonista no ano de estreia da equipe espanhola no European Le Mans Series.

A expertise ajudou e o carro – herança da Manor – também. E tudo funcionou à perfeição já na prova de estreia. Com uma pilotagem sem nenhum erro do trio Norman Nato/Olivier Pla/Paul Petit, o carro vermelho com detalhes em amarelo chegou a um triunfo consagrador nas 4h de Le Castellet, prova de abertura da temporada 2018 do certame europeu de Endurance.

Além da competência mostrada dentro e fora da pista, a equipe e os pilotos contaram com um importante ingrediente que premia os competentes: a sorte.

Nem sempre é bom contar com problemas alheios e incidentes, mas foi o que justamente aconteceu à DragonSpeed, que começou na frente graças ao ritmo sempre forte de Nico Lapierre. Contudo, um furo de pneu dianteiro esquerdo tirou o carro #21 da ponta, porém longe de estar fora do páreo. Mas numa das paradas de rotina, o carro foi entregue a Henrik Hedman.

E o sueco se atrapalhou todo ao tentar superar uma Ferrari da divisão LMGTE e o resultado foi um violento acidente na Courbe des Signes, a mais veloz do circuito, posto que fica na ponta final do retão Mistral, de 1,8 km de extensão. Como efeito da pancada, a trinca da DragonSpeed foi obrigada a desistir.

Eventualmente, a liderança da prova passou pelas mãos do brasileiro André Negrão, que também foi muito rápido em seus turnos. O problema é que Pierre Thiriet, seu companheiro de pilotagem neste domingo, jogou fora o trabalho, pois era em média um segundo e meio por volta mais lento. Como efeito, terminaram a disputa em 5º lugar, depois que Thiriet não resistiu ao #29 da Duqueine Engineering e tampouco ao #26 da G-Drive Racing.

A trinca Matthieu Vaxivière/Loïc Duval/François Perrodo, que será adversária de Negrão no WEC este ano, conquistou um ótimo 2º lugar, defendendo-se bem da avassaladora recuperação do carro de Pierre Ragues/Nelson Panciatici/Nico Jamin, que chegou a rodar junto a um adversário e ainda salvou um belo pódio de estreia da Duqueine Engineering na LMP2.

Outro bom resultado foi alcançado por Andrea Pizzitola/Roman Rusinov/Alexandre Imperatori – quarta colocação, seguidos por Negrão/Thiriet e James Allen/Enzo Guibbert/José Gutiérrez, com outro carro sob o nome da G-Drive Racing, mas assistido pela Graff.

Aliás, registre-se que as equipes da casa tiveram ótimo desempenho em Paul Ricard. Excetuando a Racing Engineering e a United Autosports, que não passou de uma nona colocação, todos os times do top 10 tinham bandeira francesa em seus carros – até os dois da G-Drive Racing, cujo running é de equipes da terra da Bastilha.

A participação de Bruno Senna e Phil Hanson esteve longe do esperado. Na verdade, os Ligier JS P217 têm sérios problemas em circuitos de alta velocidade e pelo visto as mudanças de aerodinâmica autorizadas pelo ACO/FIA ainda não resultaram. À dupla, restou terminar em 12º lugar.

5ad3340825b23

Atacando a Courbe des Signes: John Farano/Rob Garofall/Job Van Uitert conquistaram uma esperada vitória – há três anos – pela RLR MSport, na LMP3 (Foto: Jakob Ebrey Photography)

Na LMP3, o favoritismo inicial decaía na DKR Engineering, que teve o melhor carro na pré-temporada, mas o bólido guiado por Jean Glorieux bateu logo na 12ª volta. Depois, a Ultimate, que também tinha chances de vitória, viu seu novo Norma M30 enfrentar sérios problemas mecânicos. A M.Racing-YMR não conseguiu repetir o desempenho do treino classificatório. Alguém tinha que vencer – e sobrou para a RLR MSport.

Brincadeira, viu? A equipe britânica fez um bom papel e os pilotos Rob Garofall/John Farano/Job Van Uitert conquistaram um triunfo aguardado desde 2015. Eles fecharam a disputa com 32 segundos de vantagem sobre David Droux/Lucas Légeret/Nicolas Ferrer. Giorgio Mondini/Kay Van Berlo tinham o 2º posto nas mãos, mas tiveram que fazer um reabastecimento extra para não ficar sem combustível no final. Pelo menos, salvaram o pódio.

5ad368642037d

Liderar só uma volta foi o suficiente para a vitória da JMW Motorsport após batalha campal com o Porsche da Proton Competition entre os LMGTE (Foto: Jakob Ebrey Photography)

A classe LMGTE assistiu ao domínio da Proton Competition com o Porsche #88 muito bem conduzido por Matteo Cairol/Giorgio Roda Jr./Gianluca Roda. Mas nas voltas finais, a disputa tornou-se frenética entre o debilitado Cairoli, ainda convalescente de uma forte infecção, e o espanhol Miguel Molina, acelerando tudo o que podia na Ferrari 488 GTE #66 da JMW Motorsport.

A batalha pela vitória seguiu até as últimas curvas, com Cairoli tentando se defender como podia, até que Molina encontrou uma porta aberta e superou o adversário. O espanhol e seus parceiros Alex MacDowall e Liam Griffin venceram a prova na categoria, liderando uma única volta em todas as quatro horas de corrida – a última.

E a Ebimotors foi ao pódio em sua estreia na categoria com o novo Porsche 911 RSR GTE, guiado por Riccardo Pera/Raymond Narac/Fabio Babini, seguida por Tracy Krohn/Nic Jönsson/Andrea Bertolini (Ferrari da Krohn Racing) e Marvin Dienst/Christian Ried/Dennis Olsen (Porsche da Proton Competition).

Antes da disputa das 24h de Le Mans, o ELMS volta com a 2ª etapa noutro templo do automobilismo: Monza, na Itália, recebe a categoria no dia 13 de maio.

1 comentário

  1. Fernando Silva disse:

    Acordei meio tarde ontem e vi (via blog) apenas a última meia-hora da corrida…a fatura já parecia liquidada na classe LMP2…algo que me chama a atenção mais uma vez é a falta de performance dos Ligier frente aos rivais Oreca e Dallara e este deve ser o motivo do carro praticamente não ser visto no certame do WEC, talvez um ou dois no máximo este ano, mas a Onroak precisa reagir…
    No entanto, o pouco que pude assistir valeu à pena pela GTE com uma batalha sensacional que só terminou nas ultimas curvas, onde a Ferrari da JMW liderou apenas o trecho que realmente interessa. Como ponto negativo na classe GTE, em minha opinião, é o fato de apenas dois fabricantes: Ferrari e Porsche. Que tal a Ford ceder um ou dois Ford GT da temporada passada para algum time, ou que a própria Chip Ganassi recrute mais quatro pilotos e o faça…seria fantástico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>