MENU

11 de fevereiro de 2019 - 22:22Imprensa

Ricardo Eugenio Boechat

ricardo-boechat-reproducao-band_2203221

RIO DE JANEIRO - Peço licença a vocês, leitores e leitoras do blog, para fazer um desabafo.

Mais que um desabafo, uma homenagem a alguém que não conheci pessoalmente – ao contrário de muitos, mas que era íntimo do meu dia-a-dia.

Sim, como ouvinte quase que diário de suas ancoragens na BandNews FM, que aqui ocupou o lugar da “Maldita” Fluminense FM, tornei-me íntimo de Ricardo Eugenio Boechat. Uma intimidade que só o rádio nos permite enquanto veículo de comunicação.

O Boechat era argentino na certidão. Mas brasileiríssimo e carioquíssimo de coração.

Honrou a tão combalida profissão de jornalista de seu primeiro ao último momento.

Se me recordo bem, fez a chamada “Escola Turco de Jornalismo”. Escrevo isso entre aspas porque foi através de Ibrahim Sued, sucedendo ninguém menos que Elio Gaspari, que Boechat começou no métier.

E daí para a frente, tocando primeiro a coluna do Swann em “O Globo” e trabalhando em diversos outros veículos de comunicação, construiu uma carreira simplesmente brilhante.

Acho que por conseguir transitar de forma a provocar a ira e também as mais candentes relações entre pólos tão díspares quanto a esquerda e a direita, no campo político, conseguia ser respeitado por todo mundo.

Exceto quando lhe tiravam do sério. Aliás, não era bom tirar o Boechat do sério, porque ele respondia sem papas na língua. O farsante Silas Malafaia que o diga, quando recebeu do jornalista uma resposta tão iracunda e malcriada quanto digna de aplausos.

“Não dou palanque pra otário”. Frase imortal da qual nunca mais nos esqueceremos.

Esse dia 11 de fevereiro também não será esquecido.

Por seus colegas de profissão – especialmente os do Grupo Bandeirantes de Comunicação, no qual militou nos últimos 15 anos. E também de outros veículos. Por aqueles que te conheciam, respeitavam, gostavam e admiravam.

E principalmente por sua família, que chora a perda trágica. Um acidente de helicóptero, numa tentativa de pouso forçado no Rodoanel, uma das diversas estradas de São Paulo, ceifou a vida de Ricardo Eugenio Boechat.

Parentes e amigos perdem o ser humano. Colegas de profissão, feito eu, perdem um exemplo, uma referência. Perdemos todos.

O país perde. O jornalismo está muito, mas muito mais pobre. E como serão as nossas manhãs ao sintonizar na BandNews e perceber que Boechat não estará mais lá com sua crítica ácida, seu entusiasmo pela notícia, seu tesão pelo trabalho, sem as sacanagens com o Zé “Macaco” Simão, sem a irreverência, o deboche, o compromisso com a verdade, o humor, a síntese, a pauta, a opinião, a palavra que tinha peso?

Vivemos tempos difíceis. As energias andam muito pesadas. Em 42 dias de um único ano, ao qual faltam 323, tivemos tragédias, perdas imensuráveis, tristeza e dor.

Pra morrer, basta estar vivo. Mas pra que e por que sofremos? Por que choramos tanto? Por que lamentamos a partida de pessoas que tanto estimamos?

Estamos perdendo referências e a vida, meus amigos, está passando rápido. Demais.

E isso, creiam, não é nada bom.

Mas precisamos fazer o nosso melhor. E fazendo o nosso melhor, honraremos o que o Boechat construiu dentro da profissão que abracei e muitos outros companheiros também seguiram.

Sentimentos sinceros a todos os colegas jornalistas da rádio BandNews e também aos integrantes do Grupo Bandeirantes de Comunicação.

Eu e outros companheiros dos canais Fox Sports passamos por uma perda de magnitude tão grande quanto esta que vocês têm vivido. É uma dor incomensurável no começo. Tão grande quanto o tamanho da saudade que vocês já sentem e sentirão com a partida do Ricardo Boechat.

7 comentários

  1. Fernando Silva disse:

    Recebi o link da noticia (do site da revista veja…) pelo watsapp e confesso que achei que fosse “fake” mas, ao chegar na área de “break” da empresa, onde há televisores, constatei que não.
    É devastador…assim como você, Mattar, eu sou ouvinte e telespectador, do Bandnews TV que, inclusive, as 07:30 da manhã abre as imagens dos estúdios da rádio…não conseguia acreditar que assisti ao editorial normalmente antes de sair para trabalhar e, horas depois, Boechat não estava mais entre nós…é injusto…são tempos estranhos, tanta coisa ruim acontecendo numa sequencia inacreditável…
    Particularmente, concordei com muitas opiniões dele e discordei de muitas outras, afinal, assim deve ser um jornalista, com uma autenticidade inegável num cenário de tanta hostilidade e intolerância político-ideológica como este em que vivemos agora no pais.
    Enfim, agora só nos resta desejar que ele descanse, assim como o piloto da aeronave e que os familiares e amigos encontrem o conforto, na medida do possível, que o tempo se encarregue de cicatrizar feridas tão profundas.

  2. Antonio Seabra disse:

    Difícil de aceitar quando os bons vão embora cedo demais.
    Certas pessoas não deviam ter permissão pra morrer antes de ficar bem velhinho.

  3. Amaral disse:

    Eu acredito que pessoas assim deveriam viver até os 150 anos e depois irem se desfazendo, num desprendimento sereno e sem sofrimentos para si e para seus queridos, com a sensação plena de dever cumprido nessa jornada.
    A impressão que fiquei é de que ele foi cedo demais. A lucidez e autenticidade de suas palavras condiziam com alguém na sua plenitude, que ainda teria muitos anos de atividade.
    Sinto quase como se tivesse perdido um familiar. Era alguém querido pra mim, com certeza, como ouvinte que sou da emissora, sendo alimentado no meu trajeto pro trabalho com suas opiniões lúcidas, sinceras, ora ácidas, ora contundentes, ora ponderadas, mas sempre expressando sua opinião e sua linha de raciocínio, sem muito espaço pra comedimento e sem ficar “em cima do muro”, algo raro hoje em dia.
    Que o conforto e a consolação cheguem a ele e a toda a família e amigos. E que seu legado nos ajude a nos tornarmos melhores a cada dia.

  4. joao calango disse:

    Sempre que sobrava um tempo para mim, conseguia ouvir o Boechat na rádio ou no Youtube, sempre bem humorado e informativo, sentirei falta deste jornalismo e principalmente do Boechat…

  5. Marcelo Soutello disse:

    A vida, de uma maneira geral, é bem complicada, mas 2019 tá f…
    Estou com medo de quando a temporada automobilística ,começar a engrenar!

  6. ALEXANDRE FERREIRA BAUER disse:

    Grande perda num universo profissional já não muito qualificado. Só uma correção, ele era brasileiro nato, apesar de ter nascido em Buenos Aires.

  7. Antonio Vidal disse:

    Disse tudo. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>