Audi e Vautier são campeões do Intercontinental GT Challenge

A
timthumb (1)
Momento da bandeira quadriculada para o Team Land, que com o triunfo nas 8h da Califórnia colaborou para o tricampeonato da Audi no IGTC

RIO DE JANEIRO – Fim de temporada no Intercontinental GT Challenge com a disputa das 8h da Califórnia, realizadas no tradicional circuito de Laguna Seca. E como tem sido constante nas provas de Grã-Turismo, a Audi riu por último: o Team Land, com suporte da fábrica de Ingolstadt, venceu a corrida de encerramento da temporada 2018 e com o 1-2 do modelo R8 LMS, os quatrargólicos festejaram o título da competição entre os fabricantes – o terceiro consecutivo.

Mas havia ainda a disputa entre os pilotos. E Raffaele Marciello, um dos favoritos, não conseguiu encerrar a temporada com mais um título – teria sido inclusive o quarto, já que triunfara no Blancpain GT (Sprint, Endurance e Overall). A taça de campeão entre os pilotos foi parar nas mãos do francês Tristan Vautier, cuja versatilidade e competência ao volante jamais foi posta em dúvida.

A trinca do carro #29 guiado por Kelvin Van der Linde/Christopher Mies/Christopher Haase soube driblar os problemas decorrentes de uma punição e, com uma estratégia vitoriosa, cruzou a linha de chegada completando 306 voltas pelo circuito de 3,601 km de extensão, com 5″337 de vantagem para o carro de Robin Frijns/Dries Vanthoor/Markus Winkelhock.

DBWP3832
Kenny Habul (macacão azul) e Tristan Vautier foram os campeões de pilotos em 2018. O australiano levou a taça entre os gentleman drivers. O francês pontuou em todas as provas – menos a última – junto ao também favorito Raffaele Marciello

O terceiro posto em parceria com Maxi Bühk e Maro Engel foi o suficente para Tristan Vautier bater seus adversários e chegar ao título do IGTC, somando 73 pontos. Uma punição de 30 segundos por desrespeito a uma indicação de drive through, além de duas voltas perdidas ao longo da disputa graças a uma saída de pista, foram o suficiente para Raffaele Marciello perder as chances de ganhar a série.

Com o trio formado por Romain Dumas/Fred Makowiecki/Dirk Werner, a Wright Motorsports salvou um bom 4º posto, numa prova amplamente dominada pelos modelos de construtores alemães. Um terceiro Audi fechou o top 5 – esse carro também sofreu um pênalti porque um dos pilotos cumpriu mais minutos do que o turno de pilotagem pré-determinava pelo regulamento.

A 8ª colocação deu ao trio Felipe Fraga/Nick Leventis/Davide Fumanelli a vitória na divisão Pro-Am, com o Mercedes-AMG GT3 da Strakka Racing. O título entre os pilotos bronze, porém, já estava definido desde antes da prova da Califórnia. O australiano Kenny Habul só confirmou o feito, mesmo terminando a 87 voltas dos vencedores.

Outro brasileiro que disputou as 8h da Califórnia foi Rodrigo Baptista, com Álvaro Parente e Bryan Sellers, no modelo antigo da Bentley. Mas a trinca da K-PAX Racing não conseguiu ir além do 11º lugar, após completar 302 voltas.

A corrida deste domingo teve também um plantel bem fornido de modelos GT4, cuja presença na pista até deu um pouco mais de “molho” nas negociações com eles e os carros mais rápidos. Cinco marcas diferentes terminaram no top 5 desta categoria, com vitória do #626 da Rearden Racing, um Audi R8 LMS GT4 guiado por Vesko Kozarov/Max Faulkner/David Roberts, que completou 281 giros.

Em 2º na classe fechou a TRG com um Porsche Cayman Clubsport, seguida pela Murillo Racing – que liderou grande parte da corrida e uma de suas Mercedes-AMG GT4. O Ginetta da Ian Lacy Racing ficou com o quarto lugar e em quinto completou a Stephen Cameron Racing e sua BMW M4 GT4.

A US RaceTronics se apresentou com um Lamborghini Super Trofeo e fez um bom papel, terminando a corrida em 14º lugar. Já a Bryan Herta Autosport, que inscrevera os dois modelos TCR presentes nas 8h da Califórnia, viu pelo menos o carro do patrão e de seu filho, Colton Herta, chegar ao final em 21º na geral, uma vez que o outro carro teve um colapso na suspensão com cerca de três horas de disputa.

O índice técnico da corrida foi considerado muito bom. Dos 32 carros que largaram, somente seis não viram a quadriculada. Dois desses foram considerados classificados porque completaram um número de voltas suficiente para ganhar classificação.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

Adicione um Comentário

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames