MENU

25 de janeiro de 2019 - 14:42IMSA

24h de Daytona: sem Conway, “conexão luso-brasileira” faz melhor tempo do quarto e último treino livre

354047_856629_actionexpress_1.imsa2019_josemariodias02038

A Action Express perde Mike Conway para o carro #5 por problemas de visto com o britânico; tripulação revive a “conexão luso-brasileira” neste fim de semana (Foto: José Mário Dias/Divulgação)

RIO DE JANEIRO - Desfalque de última hora para as 24h de Daytona: problemas de visto impedem Mike Conway de chegar à Flórida para a corrida deste fim de semana. Chamado pela Action Express para andar no Cadillac DPi #5, o piloto britânico deveria participar de pelo menos um treino para poder ter condições de disputar a abertura da temporada da IMSA.

Já entrosado com o carro e a equipe e conhecedor da pista, bastariam algumas voltas no quarto e último treino para que a exigência fosse cumprida. Mas como? – se o piloto sequer conseguiu embarcar. E não foi o único: Tom Blomqvist também enfrentou o mesmo problema e a BMW conseguiu um substituto a tempo.

A coincidência: ambos são britânicos…

Isto posto, o carro #5 terá três pilotos, a estratégia será refeita e Christian Fittipaldi, que andaria bem menos que seus colegas, vai ter mais tempo de cockpit em sua corrida de despedida. Homenageado ontem em Daytona, o brasileiro dividirá a pilotagem com João Barbosa e Filipe Albuquerque, repetindo a “conexão luso-brasileira” já vitoriosa no ano passado.

Nesta sexta-feira, no último treino livre antes da corrida – com largada amanhã às 17h35 pelo horário de Brasília – a Action Express terminou com o melhor tempo da sessão graças a Filipe Albuquerque – 1’34″358, quatro décimos exatos mais rápido que o francês Olivier Pla, da Mazda.

Fittipaldi explicou o problema da véspera.

“Andamos bem nos treinos livres e imaginávamos largar entre o quarto e sexto lugar, mas quando o Filipe saiu para o qualy um problema na pinça de freio traseira não permitiu que ele completasse nenhuma volta rápida e ele quase não conseguiu voltar para os boxes. Não havia tempo para arrumar e vamos largar no fim do grid. Mas temos uma corrida longa pela frente e um carro consistente. Vamos buscar o melhor resultado e quem sabe mais uma vitória. Está sendo um final de semana muito especial e inesquecível para mim”, declarou o brasileiro, que já conquistou Daytona três vezes (2004/2014/2018).”

Pipo Derani fechou a última sessão com a terceira marca – 1’35″087. Será a corrida de estreia do piloto de 25 anos – vencedor das 24h de Daytona em 2016 – no carro #31 junto ao compatriota Felipe Nasr e a Eric Curran. O atual campeão está confiante.

“Acredito que conseguimos uma boa volta, tirando o melhor dos pneus. O carro estava bom e estou confiante para a corrida, largando desta posição. Daytona é uma prova longa, com o classificatório sendo apenas uma pequena parte. Tenho certeza de que podemos evoluir e brigar pela vitória”, finalizou Nasr.

Na LMP2, dobradinha de franceses: com 1’36″433, Enzo Guibbert foi o mais rápido de sua categoria nesta manhã, com Nicolas Lapierre em segundo e Roberto Gonzalez em terceiro. Os três conseguiram tempos melhores que a equipe Wayne Taylor, que não se preocupou tanto com voltas rápidas. A CORE Autosport não andou: o trabalho será nos bastidores, com a troca da caixa de marchas.

Frédéric Makowiecki fez o melhor tempo da GTLM com o Porsche #911 – 1’42″478, contra 1’42″612 do alemão Dirk Müller, da Ford. Sébastien Bourdais pegou o carro #66 para treinar e teve problemas com 40 minutos de sessão, provocando a única bandeira vermelha do dia. Jan Magnussen foi o terceiro mais veloz, com a BMW que terá o brasileiro Augusto Farfus a bordo na sétima posição da classe – Colton Herta foi o autor da volta mais rápida nesta sexta.

E entre os pilotos da GTD, o experiente português Pedro Lamy foi o mais rápido com a Ferrari da Spirit of Race – 1’44″632 (melhor que a pole position de Marcos Gomes na véspera), com o neozelandês Nick Cassidy a bordo do Lexus #14 em segundo e o Porsche #540 de Marco Seefried em terceiro. Aliás, os sete mais rápidos da sessão melhoraram o tempo da pole.

Mas a Via Itália Racing e a Meyer-Shank Racing não se preocuparam com tempos rápidos hoje nos demais carros com pilotos brasileiros: a Ferrari #13 ficou com a 19ª posição do treino na classe e o Acura #57 foi apenas o vigésimo.

O Fox Sports 2 transmite as 24h de Daytona neste fim de semana. Anotem os horários:

Sábado a partir de 18h30 – até por volta de 21h40, com este que vos escreve na narração e Edgard Mello Filho nas análises e comentários.

Domingo, a partir de 15h30 – até a quadriculada – comigo nos comentários e análises e Thiago Alves na narração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>