Cassidy ganha com estratégia inteligente em Suzuka

C
Nick-Cassidy-Super-Formula-2019-770x470
Conservando os pneus macios por mais tempo que o imaginado, além de contar com quatro entradas do Safety Car, o vice-campeão Nick Cassidy conquistou a vitória em Suzuka na abertura do Super Formula 2019

RIO DE JANEIRO – Que ninguém ouse se queixar de falta de alternativas na abertura da temporada 2019 da Super Formula, que o A Mil Por Hora trouxe em vídeo pela primeira vez ao vivo nesta madrugada. A corrida de Suzuka, na estreia dos novos Dallara SF19 com Halo, foi bem legal. E triunfou quem apostou na estratégia mais inteligente: Nick Cassidy chegou a ser o último colocado na pista, mas foi o primeiro a ver o pano derradeiro, após 43 voltas pelo tradicional circuito japonês.

A TCS Nakajima Racing dominou a primeira fila com Tadasuke Makino e Álex Palou abrindo larga margem em relação aos demais adversários, até o acidente com o novato francês Tristan Charpentier, da Real Racing – metros à frente, Ryo Hirakawa, da Impul, também desistiu. A batida chamou o Safety Car pela primeira vez, após apenas oito voltas completadas.

Antes disso, Palou sofrera um drive through penalty porque um mecânico de sua equipe permaneceu na pista após se levantar a placa de um minuto para a volta de apresentação, o que não é permitido pelo regulamento.

A maioria das equipes chamou seus carros para a troca compulsória de pneus (no Super Formula, opta-se por largar com pneus médios ou macios) e reabastecimento para completar o tanque. O Vantelin Team Tom’s, antes mesmo da neutralização, já chamara o neozelandês Nick Cassidy, que largou em 12º, para trocar de pneus médios para macios, apostando que o atual vice-campeão saberia poupar o desgaste dos compostos.

Na volta 11, terminava a corrida da equipe dirigida por Kazuyoshi Hoshino: sem tração, o monoposto de Yuhi Sekiguchi encostou nas garagens. E mal a prova recomeçou, o Safety Car foi novamente acionado, já que Harrison Newey (B-Max with Motorpark) e Kazuki Nakajima (Vantelin Team Tom’s) se despistaram na dupla curva Degner, decretando o fim da participação de ambos na competição.

Sem ter parado nos boxes, Kamui Kobayashi assumiu a dianteira e por lá ficou enquanto o “couro” comia pelo 2º lugar. Yuji Kunimoto, da equipe Kondo, levou um “passão” por fora de Álex Palou na curva 1 do circuito e o espanhol vinha com apetite para tentar desbancar Koba, quando algo se quebrou no carro #64 e o piloto engrossou a lista de desistências – antes, por falha mecânica, também tinha desistido o japonês Hiroaki Ishiura, da Cerumo/Inging. A direção de prova mandou de novo o Safety Car entrar em ação.

Enquanto as estratégias de paradas e os abandonos beneficiavam Cassidy e o atual campeão Naoki Yamamoto, Kobayashi seguiu sem fazer o pit obrigatório e a equipe KCMG cometeu um erro crucial ao não chamá-lo quando o pole Tadasuke Makino bateu sozinho na saída da longa curva Spoon na 27ª volta quando a roda traseira de seu carro caiu – o que provocou a quarta entrada do carro de segurança na disputa.

Estranhamente, Tsugio Matsuda, que no Super Formula faz o papel de chefe da equipe de Paul Ip, só chamou Kobayashi para o pit stop na última volta. Com o pelotão relativamente próximo, a manobra não surtiu efeito nenhum e o antigo piloto da Fórmula 1, hoje vice-líder da classificação do WEC, chegou em nono lugar.

Nick Cassidy, rápido e constante o tempo inteiro, venceu com muitos méritos, completando as 43 voltas com 1″749 para Naoki Yamamoto, que começou muito bem a defesa de seu título junto à equipe Dandelion. Kenta Yamashita (Kondo) fez uma boa corrida e completou o pódio.

Tomoki Nojiri (Team Mugen) foi o quarto, seguido por Sho Tsuboi, que no resultado final foi o melhor estreante da tarde a bordo do carro da Cerumo/Inging. Yuji Kunimoto também foi um dos que errou na estratégia de box, mas conseguiu consertar a mancada e salvar três pontos. Lucas Auer (B-Max with Motopark) estreou com um bom 7º posto e Dan Ticktum (Team Mugen) fechou os oito primeiros – os dois últimos da zona de pontuação, ostentando ambos o layout da Red Bull em seus bólidos.

Artem Markelov (Team LeMans), que fez também sua primeira prova na Super Formula, foi um discreto 10º colocado, tendo optado por fazer duas paradas. Nirei Fukuzumi (Dandelion) chegou logo depois do russo e Kazuya Oshima (Team LeMans) completou os 12 que viram a quadriculada.

A segunda etapa da temporada será em Autopolis, no dia 19 de maio.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

4 Comentários

  • Rodrigo. Minha avaliação é a de que a corrida foi boa. Mesmo chassis para todos e chassis leves. Motores. 2.0 litros turbo (Honda e Toyota). Tudo bem igual e aí vem os pilotos e as disputas que todos gostamos. Grande categoria a Super Formula. Sei que você gosta também.

  • Corridão, parece que a adoção desse novo carro vai melhorar as corridas, que estavam muito monótonas. Tem uma mescla boa ali de pilotos. E o carro está bem rápido, arrisco dizer que depois da F1 é o carro mais rápido da atualidade

  • Deve ser engano meu…mas o automobilismo levado a serio… sem maracutaias. por parte da federação ou clubes no Japão é muito forte….
    Se brincar, em breve irão ter F1.nacional… tem tudo para realizar…
    Aqui…. temos a istoki bolha..e caminhão…e uns azedos com sonho de ser uma categoria………..fora isso… o pais falido..sem futuro..pois o que roubaram a União é brincadeira…afetando até mesmo no leite das crianças….

  • Vendo o sucesso da super formula e do super gt no japão, me pergunto pq, no Brasil, com a formula 3 falida, não tentam algo parecido. A F3 aqui, querendo ser categoria de base, não vai funcionar nunca mais. Acho que alguém podia tentar profissionalizar, num primeiro momento ir atrás de pilotos que não tem carro na stock, pilotos da light etc. Querendo ou não a cultura do brasileiro que gosta de automobilismo está muito ligada aos monopostos.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames