MENU

9 de setembro de 2019 - 16:39Endurance Brasil

Na melhor corrida do ano, Nílson e Beto Ribeiro vencem mais uma no Endurance Brasil

69991670_2544706158884389_8610719862890692608_o

Carinho: Beto Ribeiro comemora após a grande vitória em Interlagos, abraçado ao protótipo AJR Chevrolet que deu a ele e ao pai Nílson Ribeiro a 5ª etapa do campeonato (Foto: Bruno Terena/Endurance Brasil)

RIO DE JANEIRO - Para o meu gosto, a 5ª etapa do Império Endurance Brasil disputada neste sábado em Interlagos – corrida que vocês puderam acompanhar em streaming replicado aqui no blog – foi disparada a melhor corrida do ano na categoria. Não só pelo grid de 37 carros – número expressivo – como também pelo fato de ter acontecido em grande parte no período noturno. As 4h de Interlagos largaram no fim da tarde e acabaram já com a luz dos faróis, remetendo aos velhos tempos das Mil Milhas e de outras corridas longas como as 12h e 25h de Interlagos.

Tirando o estresse natural da organização, principalmente por ter que dividir a pista com várias outras categorias nacionais e regionais e também pelo adiamento dos treinos oficiais de várias classes da competição em decorrência do mau tempo e da falta de segurança, a prova foi ótima – ainda que inteiramente dominada pelo AJR #65 da NC Racing com preparação Motorcar. Numa corrida impecável, os sul-matogrossenses Nílson e Beto Ribeiro faturaram pela segunda vez na geral e na categoria P1, na quarta vitória dos protótipos construídos por Juliano Moro nesta temporada.

“Foi demais! Foi uma vitória muito legal. O carro estava perfeito e só agradecer todo o esforço da NC Racing, que fez um trabalho perfeito”, comentou Beto Ribeiro.

Eles dominaram a disputa praticamente do início ao fim, completando um total de 131 voltas pelos 4,309 km do Autódromo Internacional José Carlos Pace, com uma volta de vantagem para Chico Longo e Daniel Serra, que terminaram na 2ª colocação após uma grande batalha pela vitória na divisão dos GT3, principalmente contra o Porsche de Ricardo Maurício/Marcel Visconde, que fizeram uma ótima corrida – talvez a melhor da dupla em todo o campeonato.

“A tocada do Marcel foi incrível. Nosso ritmo foi muito forte e o carro esteve muito equilibrado durante toda a corrida”, comentou Ricardo Maurício.

Guilherme Figueroa/Júlio Campos conquistaram o quarto lugar e o terceiro na categoria, completando na mesma volta dos rivais. Para Xandy e Xandinho Negrão, que seguem líderes na classificação geral do campeonato (Força Livre), restou chegar em quinto por conta de um pneu estourado que veio na hora errada. “Fizemos a parada de box e logo depois veio o Safety Car. Perdemos pelo menos duas voltas e no fim só conseguimos recuperar uma”, contou Xandinho após a corrida.

Líderes da classe P1 até a etapa de Interlagos, Pedro Queirolo e David Muffato não conseguiram nada melhor que o 8º lugar geral por conta de uma falha na bomba de combustível do AJR #113 que os deixou com sete voltas de atraso na corrida. O Ginetta dos irmãos Ebrahim e de Pedro Aguiar, que também poderia ter brigado pela ponta, acabou de fora cedo demais: um superaquecimento excessivo do radiador fez o protótipo #20 entregar os pontos com apenas 26 voltas completadas.

Numa tarde relativamente quente na capital paulista, até que o índice de quebras pode ser considerado satisfatório. Dos 37 que largaram, 23 receberam a quadriculada.

69800444_2542962325725439_9131065347053453312_o

A festa do pódio na classificação geral das 4h de Interlagos; a próxima etapa do Império Endurance Brasil será dia 12 de outubro, em Goiânia (Foto: Bruno Terena/Endurance Brasil)

Nas demais categorias em disputa nas 4h de Interlagos, venceram os seguintes pilotos e carros: Peter Ferter/Tom Filho/Ricardo Mendes (Ferrari 458 Italia #155/GT3 Light – 7º na geral); Carlos Antunes/Yuri Antunes/Sérgio Pistilli (Protótipo MRX Volkswagen 16V #72/P3 – 10º na geral); Renan Guerra/Renato Braga (Ginetta G55 #555/GT4 – 11º lugar na geral); Mauro Kern Jr./Paulo Sousa (Protótipo MRX Tubarão Ford Duratec Turbo #32/P2 – 13º lugar na geral); Henry Visconde/Felipe Steyer (Audi RS3 LMS TCR #6/GT4 Light – 18º lugar na geral) e Tinoco Soares/Ricardo Furquim (Protótipo Spyder Volkswagen #73/P4 – 19º lugar na geral).

A próxima etapa será em Goiânia, no dia 12 de outubro – após mudança anunciada pela Associação dos Pilotos de Endurance (APE). As datas finais foram definidas: 2 de novembro no Velo Città, em Mogi-Guaçu e 21 de dezembro, em Interlagos – com 6h de disputa.

Resultado final das 4h de Interlagos:

1º #65 Nílson Ribeiro/Beto Ribeiro
Protótipo AJR Chevrolet V8 – categoria P1
131 voltas em 4h00min36seg607

2º #19 Chico Longo/Daniel Serra
Ferrari 488 GT3 – categoria GT3
a 1 volta

3º #55 Marcel Visconde/Ricardo Maurício
Porsche 911 GT3-R – categoria GT3
a 1 volta

4º #8 Guilherme Figueroa/Júlio Campos
Mercedes-AMG GT3 – categoria GT3
a 1 volta

5º #9 Xandy Negrão/Xandinho Negrão
Mercedes-AMG GT3 – categoria GT3
a 2 voltas

6º #43 Vicente Orige/Gustavo Martins/Raphael Campos
Protótipo AJR Chevrolet V8 – categoria P1
a 3 voltas

7º #155 Tom Filho/Ricardo Mendes/Peter Ferter
Ferrari 458 Italia – categoria GT3 Light
a 6 voltas

8º #113 Pedro Queirolo/David Muffato
Protótipo AJR Chevrolet V8 – categoria P1
a 7 voltas

9º #5 Tiel Andrade/Júlio Martini/Marçal Müller
Protótipo AJR Chevrolet V8 – categoria P1
a 7 voltas

10º #72 Carlos Antunes/Yuri Antunes/Sérgio Pistilli
Protótipo MRX Volkswagen 16V – categoria P3
a 9 voltas

7 comentários

  1. Alvaro Ferreira disse:

    Rodrigo, no seu comentário da corrida, você citou e elogiou o Charles Naccache, e disse que não sabia sobre ele. Infelizmente ele faleceu em setembro de 2009 no Rio, aos 79 anos de idade.
    Minha primeira carteira na Categoria PC (Piloto de Competição) da CBA foi assinada por ele, em 1971…

  2. Rodrigo Momo disse:

    Eu também adorei o clima da corrida, anoitecendo e com apenas os faróis dos carros iluminando. Quem acompanhou, teve uma amostra do clima Endurance a lá Le Mans.

  3. Fernando Silva disse:

    Estive lá e só posso dizer uma coisa: A corrida foi incrível, a sensação da noite no autódromo é maravilhosa…inclusive acho que este é o caminho para a etapa do WEC, que será igualmente num sábado…ainda mais que estaremos em pleno verão…
    Particularmente me surpreendi com os protótipos, especialmente com os AJR…uns foguetes…além de, para um fã da nossa antiga e finada categoria de GT, como foi bom ver Porsche, Ferrari, Aston e Mercedes acelerando…e ainda tinha um “dodgão” invocado ali.
    Quanto ao evento em si, obvio que ainda tem muito a crescer e aprimorar e creio que, lendo seu post especialmente depois desta etapa, o público tende a comparecer, lembro-me que o antigo campeonato de GT até medos de 2009 também corria com arquibancadas “às moscas” e depois reinou por duas temporadas. Que os organizadores tomem este exemplo, se inspirando nos acertos e aprendendo com os erros.

    Vida longa ao Endurance Brasil!!

    • Rodrigo Mattar disse:

      Fernando, como jornalista e principalmente como fã das provas longas, foi a mesma sensação que eu tive. Foi legal demais ter uma corrida noturna, a despeito de Interlagos não ser tão iluminada como outras pistas – Daytona, por exemplo, tem uma estrutura invejável. As 4h de Interlagos foram ótimas! Eu adorei.

  4. Lucas Amaral disse:

    Sou mais um órfão da GT3 Brasil e torço do fundo do meu coração para que o evento siga evoluindo cada vez mais, estive em Interlagos e vi o potencial da categoria, tanto na qualidade de carros quanto de pilotos, o cair da noite foi espetacular, claro que falta pontos a melhorar, como a identificação dos carros na noite, e a iluminação na pista, mas é só o começo, melhorias estão por vir, VIDA LONGA AO IMPÉRIO ENDURANCE BRASIL

  5. Alessandro Santos disse:

    Também estive em Interlagos no último sábado para ver as 4 Horas de Interlagos. Nunca tinha visto uma corrida noturna lá e foi muito bacana! Até te vi, Rodrigo, em um papo com o Reginaldo Leme na parte de trás do Paddock. Até pensei em tirar uma selfie com vocês dois, mas não quis atrapalhar a conversa e estava muito escuro (meu “assédio” até poderia assustar vocês). Aliás, a iluminação de Interlagos poderia ser um pouco mais reforçada em eventos noturnos. O S do Senna, por exemplo, estava um verdadeiro breu. E não havia uma lanchonete – ou uma simples barraca de alimentação – para quem viu a prova na arquibancada. Vi boa parte do público sair do autódromo para comer e beber algo e depois retornar para ver o restante da prova. São pontos que podem ser melhorados para as próximas provas, especialmente para as 6 Horas de Interlagos, que será a última etapa do Império Endurance Brasil 2019, programada para 21 de dezembro. E quero estar lá para acompanhar! No mais, parabéns aos organizadores e pilotos pelo ótimo espetáculo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>