MENU

29 de janeiro de 2020 - 23:58Fórmula 1

Pela bola sete

RIO DE JANEIRO – A Mercedes pode cair fora da Fórmula 1 como equipe em 2021 e o negócio está cada vez mais ficando sério.

O grupo Daimler, dono da marca da estrela de três pontas, pode rever o investimento por conta dos custos.

A ideia seria seguir na categoria somente como fornecedora de motores – e lembro que para a primeira temporada dentro do novo regulamento, já há uma parceria anunciada com a McLaren. A Williams também segue como cliente.

Normal: a Mercedes fez isso (e foi acionista da McLaren, também) antes de voltar como time ao comprar os ativos da Brawn GP após o título desta escuderia em 2009. E já desde o ano passado se falava numa possível troca com a HWA indo à Fórmula 1 e a Mercedes entrando de sola no ABB FIA Fórmula E.

Contudo, a reunião marcada para o próximo dia 12 de fevereiro pode defnir uma mudança total de rumos e uma rearrumação no tabuleiro de equipes que envolveria gente de dentro da Mercedes e investidores de fora.

A reportagem dos ingleses da RaceFans.net em parceria com a Autocar, também do Reino Unido, revela que Toto Wolff pode se associar a Lawrence Stroll, pai de Lance Stroll, para controlar a equipe – que finalmente marcaria o retorno da Aston Martin à Fórmula 1, usando (óbvio) as instalações de Brackley.

E por que a Aston Martin?

Primeiro porque “daddy” Stroll é um acionista da marca de Gatwick. Segundo, existe igualmente um interesse dos orientais – leia-se chineses – de fazer parte do negócio. E o grupo Geely, dono da Volvo, da Lotus e da Polestar, estaria entre os envolvidos.

Outra coisa: a ida de Stroll para uma possível equipe da Aston Martin abre caminho para outro investidor na Racing Point, com “bala na agulha”: é o russo Dmitry Mazepin, pai do piloto de Fórmula 2 Nikita Mazepin, que além de financiar a carreira do rapaz que disputará a temporada 2020 pela Hitech Racing tem também interesse em tirar o GP da Rússia de Sóchi para outra pista.

Tem mais: na negociação de renovação de contrato, Lewis Hamilton pediu um valor considerado “absurdo” – R$ 1 bilhão por quatro anos. Ele deseja um aumento dos € 42 milhões/ano, que dá quase 200 milhões de Talkeys para € 55 milhões/ano, o que daria R$ 254 milhões.

A Mercedes, se continuar, indica que gostaria de contar com Lewis por somente mais dois anos. O hexacampeão quer o dobro.

A seguir: cenas dos próximos capítulos…

Compartilhar

7 comentários

  1. Igor Barbosa disse:

    Será que rola uma dupla Leclerc/Hamilton na Ferrari em 2021?

  2. Kleber disse:

    Rapaz, que pancada, é muita notícia em apenas um texto!

  3. Ricardo Talarico disse:

    Como dizem por aí, quando uma equipe está há muito tempo no auge, só vira notícia quando passar a perder.
    Então, o alto custo já não compensa. Talvez seja esse o pensamento da casa alemã.

  4. Bebop Playlist disse:

    Vamos ver se eu entendi: A Mercedes venderia sua parte na equipe para Stroll que assim seria sócio de Toto Wolff no time que continuaria contando com os atuais motores e seria rebatizado de Aston Martin Racing. Já a atual Racing Point seria vendida para um consórcio formado pelo pai do Mazepin e pela Geely, que também contaria com os atuais propulsores e ostentaria alguma das marcas detidas pelos chineses – Lotus, obviamente, a grande favorita?

    A curiosidade é que se isso acontecer, justamente a McLaren pode voltar a ostentar de forma oficial a marca alemã, já que Aston e Geely obviamente rebatizariam seus motores.

    Acho muito difícil acontecer, depois de Leclerc e Verstappen estenderem seus contratos para além desse ano, todo mundo está ávido por alguma grande mudança no grid, daí essa história tão grande.

  5. Bebop Playlist disse:

    Outro detalhe. A Aston Martin brilha nos anúncios e projetos, mas cai vertiginosamente de valor dia após dia, tanto que sua participação na nova classe do WEC é uma grande dúvida, para a marca entrar numa aventura assim, teria que trocar de mãos, ou seja, Stroll teria que compra-la, o que, convenhamos, não é nem barato, nem rápido e muito menos simples.

  6. Alan Ambrosini disse:

    Caramba!

    Este texto parecendo a Faixa de Gaza… só BOMBAS!

    2021 promete…

    Esperando aqui os proximos capitulos e seus desfechos!

  7. Leandro Lucio disse:

    A sedução elétrica é forte, se pensarmos que perspectiva atual, uma Europa eletrificada, e uma América usando Biocombustível, fica fácil de entender por que a Mercedes assim como outras empresas da união européia está partindo para o e-motorsports e deixando esportes impulsionados por motores de combustão , para quem ainda vai vender veículos que usam este tipo de propulsor e precisam de desenvolvimento. A própria MB já anunciou que não desenvolverá novos motores a combustão, e como não haverá mudança de Unidade de Potência, não compensa investir em tecnologia que não será empregada. Agora é só melhorar o que está pronto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *