MENU

12 de junho de 2018 - 09:19Rali

Neuville vira jogo, vence Rali da Itália e abre na liderança do WRC

13983_ThierryNeuville-Italy-2018_003_896x504

Muita festa de Thierry Neuville em uma vitória de recuperação e digna do líder do campeonato. Sébastien Ogier começa a ficar preocupado… (Foto: WRC/Reprodução)

RIO DE JANEIRO - O Rali da Itália, disputado na Sardenha como 7ª etapa do WRC em 2018, reservou o melhor do evento para o final. Com uma atuação espetacular nos últimos trechos cronometrados, o belga Thierry Neuville (Hyundai) conseguiu o que parecia impossível para muitos. Após ficar atrás de Sébastien Ogier (Ford) nos dois primeiros dias de especiais cronometradas, o líder do campeonato descontou a diferença e venceu por uma das mais apertadas margens registradas nos últimos anos.

Apenas sete décimos de segundo separaram os dois adversários na classificação final da competição, com o requinte de Neuville vencer o Power Stage final e assim conquistar a pontuação máxima numa etapa em 2018 – o que nenhum outro tinha alcançado. Com isso, o belga abre 27 pontos de vantagem para Ogier e inicia a metade final da temporada com vantagem psicológica sobre o adversário.

E olha que poderia ter saído muito pior para Ogier e seu navegador Julien Ingrassia: os dois correram risco de eliminação do resultado final, já que o navegador não portava o cartão de controle dos postos de serviço entre os trechos cronometrados. Deixou-o cair na SS19, na segunda passagem por Cala Flumini. Os organizadores deram uma reprimenda nos dois e aplicaram uma multa pecuniária de € 10 mil, fazendo doer no bolso para não doer mais ainda na classificação do campeonato – só que, avisaram, na próxima não tem choro nem vela.

Com Neuville descontando três segundos e um décimo dos quase quatro que separavam os adversários, a decisão aconteceu na SS20 de Sassari-Argentiera. O belga já vencera todas as especiais anteriores do domingo e, com muita moral, acabaria por derrotar Ogier no Power Stage, como já dito, por um segundo e meio. Um triunfo sem qualquer tipo de contestação.

Sobrou aos outros o papel de coadjuvantes e o primeiro do resto foi Esapekka Lappi, que ofertou a si próprio o melhor resultado da temporada, contudo sem qualquer chance de lutar pela vitória. Em sua terceira aparição apenas no ano (um desperdício), Hayden Paddon, que já brilhou na Sardenha noutros anos, também fez seu melhor resultado de 2018.

A Citroën teve um Rali da Itália muito discreto, depois do episódio Kris Meeke (o piloto foi afastado após a etapa de Portugal): Mads Østberg ainda salvou o 5º posto geral, seguido por Craig Breen. Pierre Budar, novo homem forte da marca francesa no motorsport, tratou de pôr panos quentes em qualquer discussão. “Não há pânico entre nós”, frisou.

Mas cabe lembrar que, mesmo dizendo que está “comprometida com o WRC” até 2020, resultados ruins podem cancelar o programa a qualquer momento. E a Citroën é quarta e última entre as equipes oficiais de fábrica.

Seguindo com o parador… após enfrentar mais problemas com seu Yaris, Jari-Matti Latvala ainda se recuperou para chegar em sétimo. Pelo menos, mais honroso do que Ott Tänak, que ficou fora de esquadro logo no primeiro dia e teve que se socorrer do Power Stage para faturar mais pontos. Logo após, ficou Jan Kopecky, o vencedor entre os carros inscritos no WRC2.

A última posição de pontos foi de Teemu Sunninen, que junto a Elfyn Evans na etapa anterior, mantiveram a M-Sport Ford viva na briga pelo título do WRC entre os construtores.

No WRC2, com Kopecky faturando os 25 pontos pela terceira vez no ano e chegando ao total de 75, contra 93 do líder Pontus Tidemand, Ole Christian Veiby e o francês Nicolas Ciamin faturaram as demais posições de pódio. Fabio Andolfi foi o melhor piloto da casa classificado ao final da competição, com o 15º lugar geral e o quarto na categoria, entre 35 que terminaram o Rali da Sardenha.

Resultado final do Rali da Itália:

1 – Neuville-Gilsoul (Hyundai i20 WRC) – 3.29’18”7
2 – Ogier-Ingrassia (Ford Fiesta WRC) +0”7
3 – Lappi-Ferm (Toyota Yaris WRC) +1’56”3
4 – Paddon-Marshall (Hyundai i20 WRC) +2’55”2
5 – Ostberg-Eriksen (Citroen C3 WRC) +3’10”9
6 – Breen-Martin (Citroen C3 WRC) +4’31”7
7 – Latvala-Anttila (Toyota Yaris WRC) +11’22”1
8 – Tanak-Jarveoja (Toyota Yaris WRC) +12’38”2
9 – Kopecky-Dresler (Skoda Fabia R5) +13’14”6
10 – Suninen-Markkula (Ford Fiesta WRC) +15’30”4

Classificação do campeonato:

1. Thierry Neuville – 149 pontos
2. Sébastien Ogier – 122
3. Ott Tänak – 79
4. Esapekka Lappi – 70
5. Dani Sordo – 60
6. Andreas Mikkelsen – 56
7. Elfyn Evans – 46
8. Kris Meeke – 43
9. Jari-Matti Latvala – 37
10. Craig Breen – 34
11. Mads Østberg – 26
12. Teemu Sunninen – 24
13. Hayden Paddon – 22
14. Sébastien Loeb – 15
15. Pontus Tidemand – 11
16. Jan Kopecky – 7
17. Bryan Bouffier – 4
18. Gus Greensmith e Lukasz Pieniazek – 2
20. Yoann Bonato, Pedro Heller e Stéphane Lefevbre – 1

1 comentário

  1. Pedro Sousa disse:

    Essa “punição” do Ogier deve ser pegadinha do Mallandro.
    Haja palhaçada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>