MENU

23 de agosto de 2018 - 18:11Fórmula 1

Começando do zero

DlTNoq0X4AAYvap

RIO DE JANEIRO - A foto é do paddock de Spa-Francorchamps, onde a Fórmula 1 disputa neste fim de semana o GP da Bélgica. Os baús de caminhão e motorhomes em branco e cor de rosa são da “nova” equipe da categoria.

Pois é: a FIA aceitou a inscrição da Racing Point (nome horroroso, por sinal) Force India, que substitui a antiga organização de Vijay Malliya com essa provisória nomenclatura pelo menos até o fim de 2018. Ano que vem, a escuderia deverá assumir o nome pessimamente escolhido.

Em consequência disso, a Force India, tal como vimos até antes desse fim de semana, não existe e os pontos conquistados no Mundial de Construtores já foram deletados. Os pontos de Esteban Ocon e Sergio Pérez no Mundial de Pilotos continuam, até porque eles poderiam defender outras equipes até o fim do ano, se fosse preciso. A “nova” equipe começa com zero ponto e não deve ter dificuldades em somar alguns nas últimas oito etapas do calendário.

E pelo visto, trocas aconteceriam: o rumor é que Lance Stroll já viria para o lugar de Ocon a partir do GP da Itália, com o francês chutando a bunda de Stoffel Vandoorne na McLaren e Robert Kubica sendo promovido de reserva a titular da Williams. Mas, por enquanto, tudo não passa de rumores.

Só que a vinda de Stroll é iminente, já que o pai deste é um dos novos acionistas da “nova” equipe – que já apresenta uma mudança na hierarquia fora do asfalto: ligado à antiga administração, Bob Fernley foi afastado e substituído por Ottmar Szafnauer no posto de Team Principal.

Aliás e a propósito: alguém desconfiava que o sobrenome dos canadenses é… Strullovich?

Quem trouxe a indiscrição foi o infame Victor Martins no GP às 10 do Grande Prêmio, em edição extraordinária.

3 comentários

  1. Bruno Serafim disse:

    Achei que fosse se chamar Prema.

  2. Gabriel Medina, O outro disse:

    Podia chamar Zero Point.

  3. Amaral disse:

    Strullovich não parece coisa de canadense. Parece de cidadão da Transilvânia…
    O consórcio aí bem que podia tirar uma graninha e pagar um coach para escolher um nome legal e um design diferente pra pintura do carro, já que o rosa-parada-gay tem que ficar por causa da patrocinadora. Já que é equipe nova, zero ponto, faz um diferencial, uma graça pra não ficar com cara de equipe zumbi ressuscitada a fórceps…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>