MENU

22 de dezembro de 2014 - 13:49European Le Mans Series

Silly Season – European Le Mans Series, parte I

ELMS SILVERSTONE 18-20 april 2014 PHOTO CLEMENT MARIN

RIO DE JANEIRO – Dando sequência à chamada “Silly Season” da Endurance internacional, o blog traz agora um panorama do que poderemos (ou não) ter no European Le Mans Series em 2015, nas classes LMP2 e LMP3. Esta nova divisão, com motores Nissan para multimarcas de chassis, por enquanto tem um montão de protótipos Ginetta-Juno com apenas um Sora-Adess confirmado, para o novo time de Sébastien Loeb. O certame europeu melhorou muito nas duas últimas temporadas e tornou-se atrativo aos times de LMP2 que não têm garantias financeiras para correr no WEC, mas que elegem as 24h de Le Mans como o ponto alto do ano.

Vamos às equipes:

Classe LMP2

Signatech-Alpine

Bicampeã do ELMS, a equipe chefiada por Philippe Sinault ainda não definiu seu programa para 2015. Podem optar pela permanência no Europeu, ampliando o esquema para dois carros, como também dividir as atenções com o Mundial de Endurance, tendo um carro cada. Pacote técnico permanece igualmente indefinido. A equipe tem uma inscrição automática para as 24h de Le Mans na classe LMP2 e deve ser anunciada em fevereiro como uma das concorrentes da prova de Sarthe.

Team Jota Sport

Os britânicos ganharam as 24h de Le Mans na classe LMP2 com o bom e velho Zytek, que ganhará melhorias técnicas e aerodinâmicas. A Gibson Technology (novo nome do construtor britânico) supervisionará as novidades e o carro será rebatizado com o codinome Gibson 015S. O piloto e sócio Simon Dolan ainda não sabe com quem contará em 2015. Por conta da vitória em Sarthe, o time também tem uma inscrição garantida para a mais tradicional prova longa do planeta.

Thiriet by TDS Racing

Após o 2º lugar na promissora estreia do Ligier JS P2 em Le Mans, o time de Xavier Combet só enfrentou problemas. Três abandonos nas três provas finais do ELMS foram demais para o time, que corria com o confiável Morgan e perdeu a chance de ser campeão da temporada. Como efeito, venderam o chassis para uma equipe adversária e ainda estão sem carros e planos anunciados para 2015.

Murphy Prototypes

A equipe de Greg Murphy teve um ano de altos e baixos, mas a vinda do brasileiro Pipo Derani mudou totalmente o panorama. Egresso da Fórmula 3 europeia, a jovem promessa barbarizou com pole, liderança e pódio na estreia em Paul Ricard, além da melhor volta no Estoril – o que lhe deixou entre os dez melhores pilotos de protótipo, na eleição do Daily Sportscar. Contudo, não há garantias da permanência do piloto no esquema em 2015, já que após seu elogiado desempenho, começaram a chover propostas. A equipe também continua sem definir seu pacote técnico para a próxima temporada.

Pegasus Racing

Os franceses da Pegasus Racing têm clara intenção de expandir a equipe no próximo ano, o segundo após o regresso do time ao ELMS. A intenção de Julien Schell é contar com dois Morgan Nissan (Jacques Nicolet, da Onroak Automotive, prometeu que o carro terá uma evolução aerodinâmica) e ter pelo menos um deles como inscrição fixa nas 24h de Le Mans para garantir a sobrevivência da equipe ao longo da temporada.

Graff Racing

Pascal Rauturier promove em 2015 a volta da escuderia, conhecida por seu envolvimento em provas de monoposto em categorias de base, ao mundo da Endurance. Terão à disposição um chassi Ligier JS P2 e motores Nissan. Eric Trouillet, egresso do Blancpain Endurance Series, é o primeiro piloto confirmado. A Graff submeterá ao ACO uma reserva de inscrição para as 24h de Le Mans, prova da qual não fazem parte desde 1991.

Krohn Racing

O time do simpático bilionário texano Tracy W. Krohn volta às competições europeias, medindo forças na classe LMP2 com o modelo Ligier JS P2 equipado com o motor Judd. O próprio Krohn e o sueco Nic Jönsson vão guiar o bólido. Em Le Mans e nas provas do TUSC de que tomarão parte, terão que contar com um terceiro piloto.

Ibanez Racing Services

Participante do VdeV, certame popular na França, Portugal e Espanha, a equipe de José Ibanez regressa ao ELMS após adquirir os dois chassis Oreca 03R Nissan que pertenciam à moribunda Millenium Racing. Esperam também ser selecionados para as 24h de Le Mans.

Eurasia Motorsports

O time que disputou o Asian Le Mans Series neste ano também terá uma operação no ELMS em 2015. Para isso, adquiriram o Oreca 03R Nissan que pertencia à escuderia de Sébastien Loeb, que não disputa mais a classe LMP2.

Greaves Motorsport

Jacob e Tim Greaves ainda consideram a volta para o WEC com o “novo” Gibson 015S, com pelo menos um carro. Gorada essa possibilidade, os britânicos contam com a chance de permanecer no ELMS alinhando dois protótipos.

Newblood by Morand Racing

A organização do suíço Bénoit Morand é outra que ainda não se decidiu pelo programa de Endurance em 2015. Têm a chance de passar para o WEC e de permanecer no ELMS, certame no qual ganharam uma prova neste ano. O protótipo Morgan segue na ativa e os motores Judd poderão ser rebatizados como SARD, numa parceria estreita com a Toyota.

Race Performance

Michel Frey teve em 2014 um ano surpreendentemente bom para sua escuderia e o piloto-patrão pretende dar um salto mais audacioso na próxima temporada. A equipe helvética poderá ser uma das primeiras a apostar no chassis Oreca 05 Coupé, alinhando ainda o confiável modelo 03R Spyder. Motor ainda indefinido.

Avelon Formula

Os italianos da Avelon Formula gostariam de estrear no ELMS em 2015 com um protótipo LMP2 existente rebatizado de Wolf, enquanto o futuro modelo da marca que um dia já esteve na Fórmula 1 (com outro proprietário, que fique bem claro), não fica pronto. A participação da Wolf foi confirmada via twitter poucos dias antes do fim deste ano.

Algarve Pro Racing

Compraram o Ligier JS P2 Nissan da Thiriet by TDS Racing e já efetuaram os primeiros testes com o novo carro. A equipe disputou o ELMS em 2013 pela extinta divisão LMPC e está de volta ao certame no próximo ano, visando também uma presença nas 24h de Le Mans.

RSR

A equipe de Paul Gentilozzi ainda mantém vivo o plano de disputar ou o ELMS ou o WEC com um Oreca 03R Nissan. Neste esquema, participaria o piloto brasileiro Bruno Junqueira. O objetivo é, também, conquistar uma vaga direta em Le Mans.

Classe LMP3

RLR MSport

A equipe de Nick Reynolds e Jason Longworth volta às competições de Endurance em parceria com a University of Bolton, alinhando um protótipo Ginetta-Juno com motor Nissan. Pilotos indefinidos.

SVK by Speed Factory Racing

Mais um time do Reino Unido interessado na formação de um esquema na nova classe LMP3, também com o chassis Ginetta-Juno Nissan. Podem alinhar até dois carros em 2015.

Rollcentre Racing

Antiga participante do ELMS primeiro com o protótipo Dallara LMP900, depois com o Radical SR9 e, por fim, com o Pescarolo LMP1, a equipe Rollcentre Racing, de Martin Short, ensaia um regresso às competições de Endurance em 2015. Também devem dispor de um Ginetta-Juno com motor Nissan na LMP3.

Team LNT

Lawrence Tomlinson confirmou a participação na LMP3 com pelo menos um chassi Ginetta-Juno, podendo ter dois. A equipe fechou contrato com “Sir” Chris Hoy, grande campeão olímpico de ciclismo e agora piloto de automobilismo, para formar dupla com Charlie Robertson, jovem escocês egresso da Fórmula 4 e que tem o apoio da Ginetta desde o início da carreira.

Greaves Motorsport

A Greaves também estará presente na LMP3 com pelo menos um carro – Ginetta-Juno – alinhado para Bradley Smith (homônimo do piloto de MotoGP), que participou da edição de 2014 das 24h de Daytona pela equipe Marsh Racing. O segundo nome não foi ainda confirmado.

Lanan Racing

Escuderia bicampeã da Fórmula 4 britânica com Jake Hughes e George Russell, a Lanan Racing também adquiriu um Ginetta-Juno para a disputa da divisão LMP3.

LAS Motorsport

Única equipe de fora da Grã-Bretanha confirmada na LMP3 (por enquanto), a LAS Motorsport é a associação entre a equipe de Sébastien Loeb, a Adess AG e a Sora Composites. Estas últimas farão o desenvolvimento do chassi que o time francês vai alinhar em 2015.

Compartilhar

5 comentários

  1. Arthur Luz disse:

    Olha as ‘corridas de verdade’ se mexendo… Mas, caramba Rodrigo, nem uma palavrinha sequer sobre a Formula-E?

  2. Fernando Lima disse:

    O ELMS é provavelmente o melhor certame continental do mundo. O TUSCC, ainda deve rever alguma coisa do formato, mas também já é um campeonato muito forte. Pena que jamais veremos algo parecido no nosso continente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *