MENU

2 de março de 2015 - 12:0024 Horas de Le Mans, Mundial de Endurance

Nissan completa time do WEC com Chilton; Buncombe só em Le Mans

31a11706-bfdf-4abd-833d-d7a29cb3aee2

Buncombe e Max Chilton completam o lineup de pilotos da Nissan para 2015

RIO DE JANEIRO – A Nissan surpreendeu todo mundo e trouxe mais um ex-piloto de Fórmula 1 para o seu time de pilotos titulares do Mundial de Endurance (FIA WEC). O britânico Max Chilton, que defendeu a Marussia nas últimas duas temporadas, é o novo piloto da marca nipônica para a temporada 2015. Não deixa de ser um anúncio que poucos esperavam, até porque Chilton vinha participando com frequência dos testes do novo Dallara IL-15 para a Indy Lights e chegou a ser cogitado a competir na categoria de acesso a Indy. Aos 23 anos, o piloto se junta à tripulação do carro #23, ao lado de Olivier Pla e Michael Krumm.

A estreia do novo contratado da Nismo será nos testes do GT-R LM Nismo que ocorrerão nesta semana em Sebring, nos EUA. Na pista da Flórida, também estarão Jann Mardenborough, Harry Tincknell e Olivier Pla.

Não será a primeira experiência de Chilton com protótipos. Com apenas 16 anos de idade, ele conduziu o Zytek 07S da Arena International Motorsport nos 1000 km de Silverstone, ao lado do irmão Tom Chilton. A dupla terminou a corrida em 6º lugar na ocasião.

“Le Mans tem sempre um seguimento incrível e correr como piloto de fábrica é um sonho que se torna realidade. O meu objetivo sempre foi pilotar ao mais alto nível e a tecnologia que foi aplicada ao Nissan GT-R LM Nismo é tão impressionante como a de um monoposto de F1”, afiançou Chilton.

Já Alex Buncombe, também confirmado para o cockpit do carro #21 ao lado de Tsugio Matsuda e Lucas Ordonez, é mais um dos integrantes do Nissan GT Academy – aliás, um dos pioneiros, embora tenha mais experiência do que todos, pois começou no automobilismo em 2001. O piloto de 33 anos tem participado com frequência das séries Blancpain e notabilizou-se por um vídeo no YouTube em que conseguiu ultrapassar dezoito carros numa prova em Monza, ano passado.

“Conheço razoavelmente o carro e estou ansioso para o pilotar”, afirmou Buncombe. “É um desenho radical e, como todos os carros novos, irá demorar algum tempo a desenvolver e afinar, mas é incrivelmente entusiasmante”, disse.

Com estas confirmações, o time da Nissan para 2015 está completo. Infelizmente, para nós, brasileiros, não sobrou espaço para João Paulo de Oliveira. E muitos hão de lamentar que Nicolas Lapierre, que foi afastado da Toyota no meio do ano passado, também esteja fora de qualquer equipe oficial desta vez.

Compartilhar

19 comentários

  1. fernando disse:

    Tirando Pla e Tincknell achei a esquadra da Nissan bem fraca… esperava nomes mais fortes e experientes pra um projeto dessa importancia.

    • Rodrigo Mattar disse:

      Gené também é experiente. Krumm também. Mas concordo: faltam nomes fortes.

      • fernando disse:

        Sim Gene tem a experiencia pra desenvolver o carro, mas não é um grande piloto de corridas, o fato que existia gente melhor a disposição doq os escolhidos, e não entendi a escolha do Chilton, os garotos do GT academy é justificavél, mas Chilton?

        Esperava ver algum nome dos EUA já que o desenvolvimento foi focado lá.

    • luigi disse:

      Ahhhh !!!! meu Deus !!!! Até quando irá ter gente que acha que “PILOTO” desenvolve alguma coisa , além de uma pilotagem eficiente a ponto de usar todas as possibilidades que um carro de corridas oferece e transmitir os dados via telemetria para os “ENGENHEIROS” saberem se o projeto esta de acordo com o esperado e se tem possibilidade de melhora-lo caso haja necessidade, ou mudar radicalmente no caso de uma ideia equivocada.
      Quem desenvolve este magnifico e corajoso LM P1 são a equipe de *ENGENHEIROS* chefiadas pelo *ENGENHEIRO* BEN BOWLBY competentemente assessorado por um outro engenheiro brasileiro chamado RICARDO DIVILA e não um competente más não graduado em engenharia e alguma de suas especialidades ,”PILOTO” espanhol ou de qualquer outra nacionalidade. O únicos pilotos de PROTOTIPOS que também desenvolviam os carros eram Bruce McLaren (Carros para a série CANAM) e Jin Hall com seus lendários CHAPARRALS. Não estou lembrado de mais nenhum Piloto/Projetista,com grandes qualidades nas duas especialidades.
      Pelo amor de Deus ,pare de usar a balela que aquele narrador de corridas de formula um oficial inventou para mascarar os resultados não esperados pela sua emissora ,para os pilotos brasileiros dos últimos 20 anos. (Sim porque para a Rede Plin Plin o ideal era um campeão ,para manter os caros comerciais,sem campão,menor interesse,comerciais mais baratos , e para manter o IBOPE tudo é valido,principalmente quando a pessoa em questão não é um jornalista ético ,você não concorda?)

      • Rodrigo Mattar disse:

        E quem aqui está usando balela alguma, Luigi?

      • Gustavo Oliveira disse:

        Desculpe a franqueza, Luigi, mas o seu comentário é de uma ignorância atroz.

        Se em qualquer sistema que se cria com engenharia o foco é sempre em seu usuário final, o que dizer de um carro de competição, onde o tal usuário final é justamente o maior responsável pelos resultados alcançados.

        O piloto tem fundamental importância no desenvolvimento, sim. Ele pode não sentar no AutoCad e desenvolver uma peça, muito menos precisa de certificação PMP para participar do projeto, mas se ele não entender o carro que está pilotando, seu funcionamento, características e não souber colaborar com a equipe técnica, tudo vai por água abaixo.

        Em caso de dúvidas, use o Google e pesquise o porque da Porsche – famosa, justamente, por sua engenharia – ter promovido o Marc Lieb para o programa LMP1. Já adianto que o caso dele não é o único, com certeza o Mattar teria outros exemplos.

        Quem é engenheiro e não pensa no usuário final está fadado a funções mais repetitivas, cansativas e mais longe o possível do desenvolvimento de novos produtos/sistemas.

        Agora, quanto a teoria da conspiração, não comento, pois tenho o hábito de me ater a fatos.

  2. Jeremias Campos de Maio disse:

    Qual seria o grau de parentesco de Alex Buncombe com Nestor Cerveró?

  3. Gustavo Oliveira disse:

    Acho que nem o próprio Chilton entendeu essa. Também acho que faltam nomes de peso, parece faltar piloto nesses 9.

  4. Cuca Beludo disse:

    Sinceramente, acho que essa contratação do Max Chilton foi apenas para colar os adesivos da AON , empresa onde seu pai é o dono, no carro e costurar o logo dela no macacão.

  5. Marcos José disse:

    Pensei que o brasileiro João Paulo de Oliveira que corre na Super GT japonesa, estaria nesta também.

    • Marcos José disse:

      Ué mas a “rádio paddock do WEC” não dizia que o Lapierre, já era contratado da Nissan pra 2015 e por causa disto que a Toyota o dispensou antes de acabar o campeonato de 2014?

  6. Fernando Lima disse:

    Lapierre fora parece a noticia mais surpreendente de todas. Além da sensação de “injustiça” com o brasileiro (não por ser brasileiro…) JP Oliveira.

    • Nick Nagano disse:

      Possuo um colega que tem contatos externos que me disse que, supostamente, a Nissan convidou vários pilotos da casa, e entre eles estavam o Oliveira e o atual campeão da SGT com Tsugio Matsuda e a NISMO, Ronnie Quintarelli. Mas os dois e outros chamados recusaram.

    • Nick Nagano disse:

      Ah, e o Lapierre andou com a SARD num teste recente em Suzuka pra SGT, mas não sei porque ele não foi selecionado pela equipe. Vou procurar saber depois.

  7. Racing Fan disse:

    O problema maior da Nissan não é a escolha de pilotos, mas sim a escolha da posição do motor. Não deve funcionar. Vai durar pouco a aventura Nissan.

  8. Rodrigo Goulart disse:

    Por um acaso esse Buncombe é filho do Nestor Cerveró?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *