Direto do túnel do tempo (377)

D

CE0xBsoW8AAfOaB

RIO DE JANEIRO – O ano é 1980. Naquela época, um pequeno construtor britânico “chegou chegando” à Fórmula 2 europeia e causou tanta sensação que em menos de um ano naquela categoria, pularia logo para a Fórmula 1. Esse construtor era a Toleman, que tinha origem nos anos 1920 como uma firma de transportes e entregas sediada em Brentwood e que, muito tempo depois, tornou-se equipe de competição nas categorias menores, começando pela Fórmula Ford em 1977 e chegando posteriormente à F-2, primeiro com chassis March para Rad Dougall e depois com o modelo Ralt RT2.

Alex Hawkridge, diretor do time, contratou um designer da tradicional marca Royale, chamado Rory Byrne, para traçar as linhas do que seria o primeiro monoposto 100% Toleman. Então com 35 anos, o engenheiro concebeu o modelo TG280 que seria equipado com o motor Hart 420R e pneus Pirelli, para o veterano Brian Henton e Derek Warwick, que vinha da Fórmula 3 inglesa, na qual fora adversário dos brasileiros Nelson Piquet e Chico Serra. Outros carros da Toleman seriam entregues a Huub Rothengatter, Siegfried Stohr, Alberto Colombo e Carlo Rossi.

A tradicional March vinha de títulos consecutivos com Bruno Giacomelli e Marc Surer e seus pilotos oficiais de fábrica, que corriam com motores BMW – Teo Fabi e Mike Thackwell, sem contar Andrea de Cesaris e Chico Serra, via Project Four Racing – foram todos batidos pelos predominantes TG280, que no meio do campeonato ganharam uma versão “B” (apenas para Henton e Warwick). A equipe oficial – Toleman Group Motor Sport – venceu quatro provas, sendo três com Henton (em Thruxton, Vallelunga e Mugello), que se consagraria campeão ao fim de 12 provas, somando 61 pontos contra 42 de Warwick, vitorioso na etapa de Silverstone.

Stohr e Rothengatter não passariam o ano em branco. Cada um ganhou uma etapa e a Toleman fecharia o ano com seis triunfos, contra quatro vitórias da March e duas da surpreendente AGS, uma minúscula equipe de fundo de quintal surgida em Gonfaron, que deu a Richard Dallest duas incríveis conquistas em Pau e Zandvoort.

Ambiciosa, a Toleman logo anunciou um programa de Fórmula 1, com motores Hart Turbo e Rory Byrne à frente do projeto. Mas isso é assunto pra outro post.

Há 37 anos, direto do túnel do tempo.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

1 Comentário

  • Huub rothengatner correu 25 gps de f1 entre 1985 e 86,85 correu de osella e 86 de zakspeed,era companheiro.de jonatam.palmer ,e rothengatner foi o empresario de jos verstappen,pai do max,durante toda sua carreira na f1

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames