Triunfo e título da IDEC Sport nas 4h de Portimão

T
A trinca formada por Memo Rojas Jr./Paul-Loup Chatin/Paul Lafargue reverteu a vantagem e o favoritismo da G-Drive Racing, conquistando a vitória no Algarve, o título do ELMS na classe LMP2 e uma vaga automática às 24h de Le Mans 2020

RIO DE JANEIRO – O favoritismo era da G-Drive. Mas a taça de campeã do European Le Mans Series (ELMS) na temporada 2019 vai para a IDEC Sport Racing. A equipe francesa conseguiu a virada diante da rival – então líder do campeonato – em grande estilo, vencendo as 4h de Portimão para assegurar uma vaga direta às 24h de Le Mans de 2020 na classe LMP2.

A disputa no Autódromo Internacional do Algarve foi de cara prejudicada por um forte acidente. Logo na primeira volta, ao tentar evitar um adversário, o Dallara #45 da Carlin rodou na saída da curva #5 do circuito português.

Em meio à poeira levantada por outros veículos saindo da pista, o Porsche #77 pole position da LMGTE acabou por se chocar violentamente com o Dallara. Outros carros foram envolvidos na carambola, entre eles as Ferrari da JMW Motorsport e a #83 da Kessel Racing; o outro Porsche da equipe Proton Competition e dois protótipos LMP3 – o #3 da United Autosports e o #10 da Oregon.

Como efeito, a direção de prova lançou mão da bandeira vermelha e o cronômetro correu por cerca de uma hora sem que carro nenhum andasse pela pista, até que houvesse a remoção dos envolvidos e a retirada dos destroços por motivo de segurança.

Dessa forma, a corrida reiniciou atrás do Safety Car e aí as estratégias variáveis das equipes da classe LMP2 foram um fator para o restante da disputa.

A United Autosports teve um período de domínio e chegou a fazer 1-2 na corrida, mas as atenções eram todas voltadas ao embate entre a IDEC Sport Racing com o #28 de Memo Rojas Jr./Paul-Loup Chatin/Paul Lafargue e o #26 de Roman Rusinov/Job Van Uitert/Jean-Éric Vergne.

A trinca então vice-líder tinha 13 pontos de deficit para os rivais e precisava especialmente ganhar e torcer por um mau resultado dos então líderes. E os dados começaram a rolar a favor quando Van Uitert, numa disputa de posição na curva #4, bateu justamente nos adversários diretos pelo título.

O diretor de prova Eduardo Freitas cumpriu o regulamento: mandou o #26 pagar um drive through por conta da irregularidade e, por isso, o carro da G-Drive baixou para a 9ª colocação.

A 35 minutos para a quadriculada, veio a ultrapassagem que faltava: Paul-Loup Chatin superou o #22 da United Autosports numa manobra limpa e assumiu a liderança. Ainda houve um susto com as últimas paradas splash & dash, afora um acidente com Richard Bradley no carro #30 da Duqueine Engineering.

E no final, o próprio Chatin ainda botou mais drama, ao sair da pista na última curva. Mas o francês manteve o foco e o controle, levando o #28 à vitória por apenas meio segundo – e o título, o principal.

A Graff Racing fechou a disputa e o campeonato em 3º lugar, num bom trabalho de Jonathan Hirschi/Tristan Gommendy/Alexandre Cougnaud. A United Autosports pôs seus dois carros no top 5 e a Algarve Pro Racing, em sua melhor prova no ano, ainda foi ao pódio com John Falb como o melhor piloto de graduação bronze do dia.

O 6º lugar deu à G-Drive o vice-campeonato e a segunda vaga direta da LMP2 para La Sarthe no próximo ano.

Bruno Senna e os companheiros John Farano e Arjun Maini tiveram mais uma corrida atribulada. Senna vinha bem na disputa, mas quebrou a suspensão traseira direita do carro #43 e eles perderam muitas voltas. Acabaram em 15º na categoria, com 12 voltas de atraso em relação aos vencedores.

Por não cumprir o tempo mínimo de pilotagem de um de seus pilotos, a Inter Europol Competition deixou escapar o título da LMP3 para a rival Eurointernational, que fez uma corrida protocolar no Algarve

Na LMP3, houve uma dramática reviravolta na decisão do campeonato. A Inter Europol Competition chegou em segundo na disputa, o que daria o título à equipe, que pelo segundo ano consecutivo ganharia a vaga direta às 24 Horas de Le Mans.

Só que o piloto bronze, o alemão Martin Hippe, não cumpriu o tempo mínimo de pilotagem – por 16 minutos e 13 segundos, o que resultou numa dura penalidade à dupla formada por ele e pelo britânico Nigel Moore.

A perda de nove voltas e a consequente queda para o 11º – e último – lugar entre os carros que terminaram na divisão resultou também na perda do título, que oficialmente passa às mãos da Eurointernational.

Mikkel Jensen e Jens Petersen foram declarados campeões da temporada com 102 pontos contra 94,5 dos adversários, uma vez que foram alçados do sétimo ao sexto lugar na classe.

Esta é a primeira vez que o time de Antonio Ferrari disputará a clássica prova francesa desde… 1995, quando alinhou um protótipo Ferrari 333 SP (ainda com o antigo nome do time, Euromotorsport) para René Arnoux/Massimo Sigala/Jay Cochran, abandonando naquele ano por quebra mecânica.

A vitória na última etapa do ano foi para a 360 Racing, com Ross Kaiser/Terrance Woodward/James Dayson completando um total de 101 voltas, 32 segundos à frente da United Autosports, que pescou um pódio com Wayne Boyd/Thomas Erdos/Garett Grist. A trinca fechou o campeonato em quarto lugar com 71 pontos somados.

Em terceiro ficou o trio da Ultimate, que com a penalização à Inter Europol Competition, herdou o troféu do 3º lugar em Portimão.

Chave de ouro: a Luzich Racing emplacou a quarta vitória em seis etapas, confirmando o domínio em 2019 na classe LMGTE.

Na LMGTE, sem a concorrência dos dois Porsches do time de Patrick Dempsey e da família Ried, a Luzich Racing só teve trabalho com a Kessel Racing e o carro #60 ao longo da disputa.

Mesmo com 50 kg adicionais de lastro, o trio Fabien Lavergne/Nicklas Nielsen/Alessandro Pier Guidi ratificou a vitória e o título já conquistado por antecipação, confirmando uma campanha impecável do time ianque com licença suíça: foram 127 pontos somados, quatro vitórias e cinco pódios.

Como a Ferrari #66 da JMW Motorsport, prejudicada no acidente logo no início, não somou pontos suficientes após conseguir voltar a disputa, a Dempsey Racing-Proton ainda conseguiu a segunda vaga de Grã-Turismo do ELMS para as 24h de Le Mans. A equipe saiu com 76 pontos contra 74 da rival que, apesar de tudo, ainda deve ser convidada de forma direta pelo ACO – afinal, é a atual vice-campeã da classe LMGTE-AM.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

Adicione um Comentário

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames