MENU

27 de outubro de 2019 - 23:33European Le Mans Series

Triunfo e título da IDEC Sport nas 4h de Portimão

A trinca formada por Memo Rojas Jr./Paul-Loup Chatin/Paul Lafargue reverteu a vantagem e o favoritismo da G-Drive Racing, conquistando a vitória no Algarve, o título do ELMS na classe LMP2 e uma vaga automática às 24h de Le Mans 2020

RIO DE JANEIRO – O favoritismo era da G-Drive. Mas a taça de campeã do European Le Mans Series (ELMS) na temporada 2019 vai para a IDEC Sport Racing. A equipe francesa conseguiu a virada diante da rival – então líder do campeonato – em grande estilo, vencendo as 4h de Portimão para assegurar uma vaga direta às 24h de Le Mans de 2020 na classe LMP2.

A disputa no Autódromo Internacional do Algarve foi de cara prejudicada por um forte acidente. Logo na primeira volta, ao tentar evitar um adversário, o Dallara #45 da Carlin rodou na saída da curva #5 do circuito português.

Em meio à poeira levantada por outros veículos saindo da pista, o Porsche #77 pole position da LMGTE acabou por se chocar violentamente com o Dallara. Outros carros foram envolvidos na carambola, entre eles as Ferrari da JMW Motorsport e a #83 da Kessel Racing; o outro Porsche da equipe Proton Competition e dois protótipos LMP3 – o #3 da United Autosports e o #10 da Oregon.

Como efeito, a direção de prova lançou mão da bandeira vermelha e o cronômetro correu por cerca de uma hora sem que carro nenhum andasse pela pista, até que houvesse a remoção dos envolvidos e a retirada dos destroços por motivo de segurança.

Dessa forma, a corrida reiniciou atrás do Safety Car e aí as estratégias variáveis das equipes da classe LMP2 foram um fator para o restante da disputa.

A United Autosports teve um período de domínio e chegou a fazer 1-2 na corrida, mas as atenções eram todas voltadas ao embate entre a IDEC Sport Racing com o #28 de Memo Rojas Jr./Paul-Loup Chatin/Paul Lafargue e o #26 de Roman Rusinov/Job Van Uitert/Jean-Éric Vergne.

A trinca então vice-líder tinha 13 pontos de deficit para os rivais e precisava especialmente ganhar e torcer por um mau resultado dos então líderes. E os dados começaram a rolar a favor quando Van Uitert, numa disputa de posição na curva #4, bateu justamente nos adversários diretos pelo título.

O diretor de prova Eduardo Freitas cumpriu o regulamento: mandou o #26 pagar um drive through por conta da irregularidade e, por isso, o carro da G-Drive baixou para a 9ª colocação.

A 35 minutos para a quadriculada, veio a ultrapassagem que faltava: Paul-Loup Chatin superou o #22 da United Autosports numa manobra limpa e assumiu a liderança. Ainda houve um susto com as últimas paradas splash & dash, afora um acidente com Richard Bradley no carro #30 da Duqueine Engineering.

E no final, o próprio Chatin ainda botou mais drama, ao sair da pista na última curva. Mas o francês manteve o foco e o controle, levando o #28 à vitória por apenas meio segundo – e o título, o principal.

A Graff Racing fechou a disputa e o campeonato em 3º lugar, num bom trabalho de Jonathan Hirschi/Tristan Gommendy/Alexandre Cougnaud. A United Autosports pôs seus dois carros no top 5 e a Algarve Pro Racing, em sua melhor prova no ano, ainda foi ao pódio com John Falb como o melhor piloto de graduação bronze do dia.

O 6º lugar deu à G-Drive o vice-campeonato e a segunda vaga direta da LMP2 para La Sarthe no próximo ano.

Bruno Senna e os companheiros John Farano e Arjun Maini tiveram mais uma corrida atribulada. Senna vinha bem na disputa, mas quebrou a suspensão traseira direita do carro #43 e eles perderam muitas voltas. Acabaram em 15º na categoria, com 12 voltas de atraso em relação aos vencedores.

Por não cumprir o tempo mínimo de pilotagem de um de seus pilotos, a Inter Europol Competition deixou escapar o título da LMP3 para a rival Eurointernational, que fez uma corrida protocolar no Algarve

Na LMP3, houve uma dramática reviravolta na decisão do campeonato. A Inter Europol Competition chegou em segundo na disputa, o que daria o título à equipe, que pelo segundo ano consecutivo ganharia a vaga direta às 24 Horas de Le Mans.

Só que o piloto bronze, o alemão Martin Hippe, não cumpriu o tempo mínimo de pilotagem – por 16 minutos e 13 segundos, o que resultou numa dura penalidade à dupla formada por ele e pelo britânico Nigel Moore.

A perda de nove voltas e a consequente queda para o 11º – e último – lugar entre os carros que terminaram na divisão resultou também na perda do título, que oficialmente passa às mãos da Eurointernational.

Mikkel Jensen e Jens Petersen foram declarados campeões da temporada com 102 pontos contra 94,5 dos adversários, uma vez que foram alçados do sétimo ao sexto lugar na classe.

Esta é a primeira vez que o time de Antonio Ferrari disputará a clássica prova francesa desde… 1995, quando alinhou um protótipo Ferrari 333 SP (ainda com o antigo nome do time, Euromotorsport) para René Arnoux/Massimo Sigala/Jay Cochran, abandonando naquele ano por quebra mecânica.

A vitória na última etapa do ano foi para a 360 Racing, com Ross Kaiser/Terrance Woodward/James Dayson completando um total de 101 voltas, 32 segundos à frente da United Autosports, que pescou um pódio com Wayne Boyd/Thomas Erdos/Garett Grist. A trinca fechou o campeonato em quarto lugar com 71 pontos somados.

Em terceiro ficou o trio da Ultimate, que com a penalização à Inter Europol Competition, herdou o troféu do 3º lugar em Portimão.

Chave de ouro: a Luzich Racing emplacou a quarta vitória em seis etapas, confirmando o domínio em 2019 na classe LMGTE.

Na LMGTE, sem a concorrência dos dois Porsches do time de Patrick Dempsey e da família Ried, a Luzich Racing só teve trabalho com a Kessel Racing e o carro #60 ao longo da disputa.

Mesmo com 50 kg adicionais de lastro, o trio Fabien Lavergne/Nicklas Nielsen/Alessandro Pier Guidi ratificou a vitória e o título já conquistado por antecipação, confirmando uma campanha impecável do time ianque com licença suíça: foram 127 pontos somados, quatro vitórias e cinco pódios.

Como a Ferrari #66 da JMW Motorsport, prejudicada no acidente logo no início, não somou pontos suficientes após conseguir voltar a disputa, a Dempsey Racing-Proton ainda conseguiu a segunda vaga de Grã-Turismo do ELMS para as 24h de Le Mans. A equipe saiu com 76 pontos contra 74 da rival que, apesar de tudo, ainda deve ser convidada de forma direta pelo ACO – afinal, é a atual vice-campeã da classe LMGTE-AM.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *