WRC: vitória de Neuville no Rally da Catalunha; Evans e Ogier decidem título

W

RIO DE JANEIRO – Está definido: Elfyn Evans e Sébastien Ogier vão se defrontar no último evento do Mundial de Rally (WRC) entre os dias 18 e 21 do próximo mês para a definição de quem será o novo – ou o velho – campeão da competição. Ogier busca a despedida como piloto full time em grande estilo: sem vencer uma etapa do Mundial de 2021 desde o Quênia, o francês de 37 anos quer o oitavo troféu para sua estante.

O galês Evans, cinco anos mais jovem, busca o título para ser o líder natural da Toyota em 2022. Num ano onde o plantel sofrerá uma de suas mudanças mais significativas desde a retirada de Sébastien Loeb e não só a Toyota opta pelo regresso de Esapekka Lappi para fazer a temporada completa, como Ogier – nas provas em que disputar – terá Benjamin Veillas a seu lado e não Julien Ingrassia, assim como a Ford já se definiu por Adrien Fourmaux e Craig Breen como seus pilotos titulares a partir do próximo ano.

A Hyundai? – Ah, sim… o construtor sul-coreano reterá Ott Tänak e Thierry Neuville e promove Oliver Solberg para o revezamento do terceiro carro com Dani Sordo, que no fim do próximo ano colocará um ponto final na sua carreira de piloto de competição após 17 temporadas. O espanhol de 38 anos resolveu se aposentar por perceber que não terá mais chance alguma de ser piloto full season da marca oriental.

E no Rally da Catalunha, disputado em asfalto e gravitado em Salou com 17 especiais cronometradas e pouco mais de 280 km percorridos, os modelos i20 WRC deram as cartas: vitória de Thierry Neuville/Martjin Wydaeghe, no segundo sucesso da parceria este ano e no terceiro triunfo da equipe de Andrea Adamo em 2021. Só a inconstância de seus pilotos impediu que a Hyundai tivesse mais sucesso e nenhum dos dois pôde brigar na frente com Evans e tampouco Ogier.

O galês e seu copiloto Scott Martin fizeram a parte que lhes cabiam: somaram pontos importantes para tentar a aproximação que é difícil – mas não impossível – na realização do Rally Autom´ovel Clube da Itália, em Monza. Evans fez 21 pontos no Rally da Catalunha – dezoito do 2º lugar final e três extras do Power Stage. Ogier, que foi o quarto colocado ao final da competição espanhola, fez 14- doze da posição de chegada e mais dois do último estágio. Sendo assim, a diferença que era de 24 pontos caiu para 17 (204 a 187).

‘Profeta na própria terra’, Dani Sordo não só foi ao pódio pela segunda vez em seis aparições em sua temporada parcial – outra vez com o navegador Cándido Carrera, a exemplo da etapa da Grécia – como foi o mais veloz do Power Stage. Um afago e tanto nos compatriotas…

Quarto no campeonato, Kalle Rovanpërä sabe que com a aposentadoria de Ogier a tempo pleno terá trabalho no retorno de Lappi e com Evans tendo chances de ser campeão. A jovem promessa finlandesa precisa errar menos se quiser ser um dos protagonistas – nesse ano, foram quatro etapas em que ele e Jonne Halttunen perderam chances fundamentais de brigar pelo campeonato.

Pela última vez no ano, Gus Greensmith e Chris Patterson trabalharam juntos e o 6º lugar foi o melhor que a dupla pôde alcançar na penúltima etapa do campeonato para a M-Sport Ford, enquanto Adrien Fourmaux e seu agora parceiro Alexandre Coria não foram além da décima-sexta colocação ao final da disputa.

Inscritos nos carros da 2C Competition, uma espécie de time “B” da Hyundai, Oliver Solberg/Craig Drew e Nil Solans/Marc Martí terminaram, respectivamente, em sétimo e oitavo. Com a 9ª posição geral – e o terceiro navegador distinto nos eventos em que competiu – Eric Camilli venceu no WRC2 com o Citroën alinhado pela equipe portuguesa Sports & You. Nesta subclasse, Teemu Suninen chegou em segundo ao final do Rally da Catalunha e o tcheco Erik Cais foi o 3º colocado.

A quarta posição final na prova do último fim de semana acabou com as chances de Mads Ostberg na competição do WRC2, Tendo nove pontos de desconto já que são válidos seis resultados em sete provas, o norueguês baixa para 115. Andreas Mikkelsen, que soma 126, nem precisa terminar a última etapa. O boliviano Marco Bulacia Wilkinson, terceiro na tabela com 104, acidentou-se no Rally da Catalunha com o Skoda da Toksport WRT e acabou com suas escassas possibilidades.

No WRC3, o 12º lugar geral deu a vitória no evento a Emil Lindholm, que faturou sua segunda prova em 2021. Outro finlandês, Sami Pajari, venceu a etapa final do JWRC e é o novo campeão da categoria – que disputou cinco eventos apenas em paralelo com a competição principal neste ano.

Resultado final do Rally da Catalunha:

1 – Neuville-Wydaeghe (Hyundai i20) – 2h34’11″8
2 – Evans-Martin (Toyota Yaris) – 24″1
3 – Sordo-Carrera (Hyundai i20) – 35″3
4 – Ogier-Ingrassia (Toyota Yaris) – 42″1
5 – Rovanpera-Halttunen (Toyota Yaris) – 1’31″8
6 – Greensmith-Patterson (Ford Fiesta) – 4’17″3
7 – Solberg-Drew (Hyundai i20) – 4’26″7
8 – Solans-Martì (Hyundai i20) – 4’34″9
9 – Camilli-Vilmot (Citroen C3 WRC2) – 9’49″4
10 – Gryazin-Aleksandrov (Skoda Fabia WRC2) – 10’05″9

Classificação do campeonato após 11 etapas:

1. Sébastien Ogier – 204
2. Elfyn Evans – 187
3. Thierry Neuville – 159
4. Kalle Rovanpërä – 140
5. Ott Tänak – 128
6. Craig Breen – 76
7. Takamoto Katsuta – 68
8. Dani Sordo – 63
9. Gus Greensmith – 60
10. Adrien Fourmaux – 42
11. Esapekka Lappi – 22
12. Teemu Suninen – 21
13. Mads Ostberg – 15
14. Yohan Rossel e Oliver Solberg – 12
16. Jari Huttunen e Andreas Mikkelsen – 10
18. Pierre-Louis Loubet e Onkar Rai – 6
20. Pepe López, Pieter Jan Michiel Cracco, Karan Patel, Aleksey Lukyanuk e Nil Solans – 4
25. Eric Camilli – 3
26. Jan Solans, Fabian Kreim, Carl Tundo, Nikolay Gryazin e Marco Bulacia Wilkinson – 2
31. Emil Lindholm e Vincent Verscheuren – 1

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

Adicione um Comentário

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames