MENU

2 de outubro de 2014 - 14:1440 anos do bi, Fórmula 1

40 anos do bi, parte XII – GP da Áustria de 1974

247a

Capa da revista oficial do GP da Áustria, com o ídolo local Lauda em absoluto destaque

RIO DE JANEIRO – O circuito de Zeltweg, um dos mais velozes da época, seria o palco de mais uma empolgante disputa pelo título mundial de Fórmula 1 em 1974. O GP da Áustria era aguardado com imensa expectativa pelos torcedores locais, ávidos por presenciar uma vitória do ídolo Niki Lauda, ainda brigando pelo título e, por sua vez, aproveitando a vizinhança, italianos e suíços invadiram aquele país, numa horda de fãs empunhando bandeiras e faixas. Consta que 30 mil torcedores atravessaram a fronteira para torcer pela Ferrari e por Clay Regazzoni.

Não era para menos: o construtor de Maranello liderava entre as equipes e Rega assumira a ponta entre os pilotos, com 44 pontos, três à frente de Jody Scheckter, seis adiante de Niki Lauda e sete de Emerson Fittipaldi. Se havia uma corrida perfeita para helvéticos e italianos celebrarem mais um triunfo ferrarista – eles tinham certeza disso, aliás – era a prova da Áustria, disputada numa pista com 5,942 km de extensão e repleta de trechos velozes e curvas feitas “pé embaixo”.

A lista de inscritos contemplava 31 nomes para 25 vagas num grid que tinha novidades em relação ao GP da Alemanha. Na Surtees, com a saída de Jochen Mass após o enésimo fracasso da temporada, Jean-Pierre Jabouille assumiu o #19 ao lado de Derek Bell. Na Ensign, o novato Mike Wilds, que não se classificara no GP da Inglaterra, entrou no posto ocupado por Vern Schuppan. A Embassy-Hill, do bicampeão mundial de F1 Graham Hill, teve o retorno do alemão Rolf Stommelen – fora da categoria desde o ano anterior. A Hesketh inscreveu um segundo carro para Ian Scheckter, enquanto Dieter Quester, com o patrocínio de uma empresa local, apareceu num terceiro Surtees TS16.

austria744

Cara nova no grid: David Hobbs foi chamado para substituir Mike “The Bike” Hailwood no GP da Áustria com o McLaren nas cores da Yardley

Outro austríaco, Helmut Koinigg, egresso da então popular Fórmula Super Vê europeia, aparecia para tentar a sorte num Brabham BT42 da Scuderia Finotto. E por falar em Brabham, John Watson tinha, pela primeira vez à disposição, um BT44 novinho em folha após destruir um chassi do BT42 no GP da Alemanha. Na terceira McLaren – a da Yardley – David Hobbs foi chamado para substituir Mike Hailwood.

Os treinos classificatórios mostraram que, além de Ferrari, Tyrrell e McLaren, havia mais um carro para brigar na linha de frente, pela vitória: o Brabham BT44. Tanto Carlos Reutemann quanto José Carlos Pace tiveram desempenho extraordinário nas sessões de classificação: o argentino conquistou um lugar na primeira fila e Pace, em seu melhor grid desde a prova da África do Sul, na segunda. A pole, de novo, foi de Niki Lauda – 1’35″40, numa média horária pouco superior a 223 km/h.

Emerson Fittipaldi estava muito satisfeito com a performance da M23, que vinha melhorando passo a passo com a nova suspensão e a aerodinâmica retrabalhada. Não foi surpresa vê-lo em 3º no grid a apenas 0″36 da pole de Lauda, compondo uma segunda fila 100% brasileira no grid. Jody Scheckter dividia a terceira fila com Ronnie Peterson e Clay Regazzoni, em contrapartida, teve desempenho inferior ao de seus adversários: foi o oitavo, num grid que tinha os dez primeiros dentro do mesmo segundo e 16 dos 25 classificados numa faixa de 2 segundos – excepcional numa pista veloz como a da Áustria.

zeltweg74

Segundo no grid, Reutemann se impôs desde a largada, deixando Lauda para trás

O dia 18 de agosto, em pleno verão europeu, tinha sol forte e calor. Um mar de torcedores sem camisa, estimados em 160 mil espectadores – acompanhou o baixar da bandeira que determinou a largada para 54 voltas de corrida. E logo na primeira volta, a primeira decepção para o numeroso público: Lauda perdeu a ponta para Carlos Reutemann, que se impôs a bordo da Brabham branca #7 e foi embora. Regazzoni levou seus compatriotas e os torcedores italianos que gostavam dele à loucura: fez uma ótima largada e passou de oitavo para quarto. E logo após para terceiro, ao superar José Carlos Pace. Fittipaldi não saiu tão bem e de terceiro caiu para sétimo, atrás ainda de Hunt e Scheckter.

Era preciso paciência: o calor não só poderia minar a força física dos pilotos como também provocar o desgaste excessivo dos pneus se não fossem bem administrados. Fora as quebras de motor, comuns naqueles tempos. E o primeiro a cair fora foi Jody Scheckter: na nona volta, sua Tyrrell parava com o propulsor estourado.

Lauda, que tentava perseguir o líder Reutemann, perdeu rendimento na altura da 12ª volta e logo depois foi ultrapassado por Clay Regazzoni. Àquela altura, após superar Hunt e ganhar uma posição com o abandono prematuro de Scheckter, Emerson também já superara José Carlos Pace, trazendo consigo Ronnie Peterson, em igual corrida de recuperação. O GP da Áustria acabou para Niki pouco depois: com uma mola de válvula quebrada, o ídolo dos torcedores que apinhavam Zeltweg foi obrigado a deixar a disputa.

Formula One World Championship

Emerson perseguiu Regazzoni e Reutemann até a 37ª volta, quando o motor de sua McLaren quebrou e ele teve que desistir

Passada metade das 54 voltas, 19 pilotos ainda restavam na pista e muita coisa ainda estava por vir. Infelizmente, os brasileiros ficaram pelo caminho e o primeiro foi justamente Fittipaldi, que vinha num sólido 3º posto e se aproximando volta após volta de Regazzoni. Sem aviso prévio, o motor da McLaren #5 estourou e o Rato teve que abandonar a corrida. Enquanto fazia o caminho de volta aos boxes, Emerson ficou contente quando viu a Brabham de Pace se aproximar e superar o suíço na altura da 40ª passagem, formando a dobradinha do time de Bernie Ecclestone.

brabham-bt44-jose-carlos-pace-1974-minichamps-143-spiloto-18797-MLB20160633180_092014-O

Moco fez uma prova fantástica até um anel do condutor de combustível se romper; o brasileiro abandonou com pane seca quando era 2º colocado

Mas no afã de coroar seu melhor desempenho na Fórmula 1, Moco foi vítima de um problema incomum que o tirou da prova: um minúsculo anel de vedação não resistiu, o combustível vazou dos tanques e o piloto acabou fora da prova com pane seca. Depois de um espetáculo de pilotagem, Pace não podia acreditar na sua má sorte. Mas os mecânicos trataram aquilo como bom presságio – tanto que depois banharam a ouro o anel de vedação que seria pregado no centro do volante do carro do brasileiro.

Aut74(Regazzoni)

Mesmo com um furo de pneu, Regazzoni ainda fez a melhor volta do GP da Áustria e chegou em quinto, mantendo a liderança do campeonato a três provas para o final

Numa corrida cheia de reviravoltas, Regazzoni também teve percalços. O líder do campeonato teve um pneu furado quando já havia perdido o 2º lugar para Ronnie Peterson e precisou parar nos boxes para a troca. Rega voltou em sétimo, fora dos pontos, mas aí foi a vez da sorte sorrir para o helvético: com problemas de transmissão, Peterson abandonou e deixou a segunda posição para Denny Hulme, que em momento algum se esforçou ao máximo para alcançar seu melhor resultado no ano desde o GP da Argentina. Registre-se, aliás, que este 2º lugar de Hulme em Zeltweg foi de excelente valia para a McLaren, na disputa pelo Mundial de Construtores.

Perto do fim da prova, Vittorio Brambilla, que vinha num ótimo 4º lugar, mostrou sinais de esgotamento físico. O Gorila de Monza acabaria por ser ultrapassado primeiro por Watson e depois por Regazzoni, que conquistou dois importantes pontinhos na luta pelo título, abrindo cinco para Scheckter, oito para Lauda e nove para Fittipaldi.

9157

Sem muitos sorrisos, Reutemann festeja no pódio com Hulme à esquerda e Hunt, de macacão laranja, à direita

Reutemann dominou com tranquilidade o GP da Áustria e venceu com quase 43 segundos de vantagem para Denny Hulme. James Hunt chegou ao segundo pódio da carreira, igualando o resultado obtido na Suécia. Watson conseguiu seu melhor resultado na F1 e Brambilla também. Numa corrida atípica, a sorte sorriu para Regazzoni. Será que as coisas se repetiriam na prova seguinte, em Monza, na terra da Ferrari?

O resultado final:

1º Carlos Reutemann (Brabham), 54 voltas em 1h28min44seg72, média de 215,804 km/h
2º Denny Hulme (McLaren), a 42seg92
3º James Hunt (Hesketh), a 1min01seg54
4º John Watson (Brabham), a 1min09seg39
5º Clay Regazzoni (Ferrari), a 1min13seg08
6º Vittorio Brambilla (March), a 1min13seg82
7º David Hobbs (McLaren), a uma volta
8º Jean-Pierre Jarier (Shadow), a duas voltas
9º Dieter Quester (Surtees), a três voltas
10º Tim Schenken (Trojan), a quatro voltas
11º Hans-Joachim Stuck (March), a seis voltas (rodou antes do final)
12º Graham Hill (Embassy-Lola), a seis voltas
13º Ian Ashley (Token), a oito voltas (não recebeu classificação)
14º Jacques Laffite (Iso-Marlboro), a dezessete voltas (não recebeu classificação)

Não completaram:

15º Ronnie Peterson (Lotus), 45 voltas (transmissão)
16º Jacky Ickx (Lotus), 43 voltas (colisão)
17º Patrick Depailler (Tyrrell), 42 voltas (colisão)
18º José Carlos Pace (Brabham), 41 voltas (vazamento de combustível)
19º Emerson Fittipaldi (McLaren), 37 voltas (motor)
20º Arturo Merzario (Iso-Marlboro), 24 voltas (pressão de combustível)
21º Jean-Pierre Beltoise (BRM), 22 voltas (motor)
22º Tom Pryce (Shadow), 22 voltas (rodada)
23º Niki Lauda (Ferrari), 17 voltas (válvulas)
24º Rolf Stommelen (Embassy-Lola), 14 voltas (pneu furado)
25º Jody Scheckter (Tyrrell), 8 voltas (motor)

Volta mais rápida: Clay Regazzoni, na 46ª – 1’37″22, média de 218,881 km/h

Compartilhar

1 comentário

  1. Gustavo Oliveira disse:

    Genial a foto do pódio com Hunt mandando um beijo, provavelmente para alguma “amiga” de ocasião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *