G-Drive fatura em Monza e Nasr estreia com pontos no ELMS

G
5af8436a3f521
Em oito dias apenas, a G-Drive Racing conquistou duas grandes vitórias, em Spa-Francorchamps (sem contar pontos para o WEC) e Monza, aí sim contando pontos para a 2ª etapa do ELMS (Foto: Jakob Ebrey Photography/ELMS Médiathèque)

RIO DE JANEIRO – Num espaço de pouco mais de uma semana, a G-Drive Racing apresentou armas e já se coloca como uma das favoritas à vitória na mais importante prova do Endurance mundial, as 24h de Le Mans. A equipe de bandeira russa, com assistência da francesa TDS Racing, correu como hors-concours na abertura da Super Season do WEC e venceu no último sábado em Spa-Francorchamps. Hoje, na segunda – e animada – etapa do European Le Mans Series (ELMS), as 4h de Monza, novo triunfo do carro #26 guiado por Roman Rusinov/Jean-Éric Vergne/Andrea Pizzitola na disputa que teve ao todo 124 voltas percorridas pelo tradicional circuito de 5,793 km de extensão.

A corrida foi movimentada e cheia de incidentes, com várias entradas do Safety Car. A Graff Racing, inclusive, perdeu seus dois carros num espaço inferior a 45 minutos. Logo na oitava volta, Alexandre Cougnaud saiu para fora do traçado e colidiu com uma barreira de pneus, provocando o abandono do #39 que partilharia com Jonathan Hirschi e Tristan Gommendy. A disputa mal tinha voltado ao normal, quando aí saiu da prova o #40 guiado por Enzo Guibbert, que bateu ainda mais forte que Cougnaud, com o Oreca nas cores da G-Drive que teria ainda José Gutiérrez e James Allen.

Nesse segundo período de FCY, a DragonSpeed processou o primeiro pit stop com Ben Hanley trocando com Henrik Hedman, o que permitiu à Duqueine Engineering liderar o fim da primeira hora com seu Oreca, seguida pelo Dallara #30 da AVF by Adrián Vallés e pelo carro da Cetilar Villorba Corse, equipe pela qual estreava o brasileiro Felipe Nasr. Foi um bom começo para a equipe da casa, que veio de 13º no grid.

Mas com metade da disputa, o panorama mudou e a G-Drive veio para a dianteira, depois que Rusinov cumpriu seu turno e entregou o #26 ao veloz francês Andrea Pizzitola. Enquanto isso, o Safety Car voltava à pista por conta de mais problemas: a DKR Engineering amargou o segundo abandono consecutivo em duas etapas e a Ecurie Ecosse/Nielsen, também enfrentando dificuldades entre os LMP3, tinha danos em seu carro por conta de um contato com o Dallara LMP2 da High Class Racing. Nesta altura, a Cetilar voltara para 13º lugar, já com Roberto Lacorte no lugar de Giorgio Sernagiotto.

A quarta entrada do carro de segurança aconteceu por volta de 2h20 de disputa, quando o #16 da equipe BHK Motorsport, então guiado pelo italiano Jacopo Baratto, saiu da pista na segunda perna de Lesmo e, após rodar, colheu o Ligier #18 da M.Racing-YMR guiado por Laurent Millara. Vários outros competidores saíram da pista para evitar serem pegos de surpresa pelos destroços e não se prejudicarem na disputa, que seguia com Pizzitola líder e a United Autosports em segundo, com o #22 de Phil Hanson/Filipe Albuquerque.

5af8465335ee3
Felipe Nasr e seus colegas Roberto Lacorte e Giorgio Sernagiotto terminaram em 9º lugar na geral, na prova de estreia do piloto brasileiro com a Cetilar Villorba Corse (Foto: Jakob Ebrey Photography/ELMS Médiathèque)

Mas a corrida da dupla do time vice-líder da corrida iria para o vinagre com a direção de prova impondo um time penalty que tirou o português e o jovem britânico de esquadro. Nessa altura, Nasr havia assumido o carro #47 e eventualmente chegou a andar entre os cinco primeiros. Mas um pit extra para reabastecimento perto do final acabou por derrubar a equipe italiana, que assim fechou a disputa em 9º lugar na geral, com uma volta de atraso. Pelo menos, Felipe somou seus primeiros pontos na prova de estreia no ELMS.

Os problemas alheios permitiram à TDS Racing, última no grid por conta de uma desclassificação após a pole conquistada no treino classificatório, cruzar a meta de chegada em 2º lugar com o trio Loïc Duval/François Perrodo/Matthieu Vaxivière em grande corrida de recuperação. A IDEC Sport salvou um belo pódio com Paul-Loup Chatin/Paul Lafargue/Memo Rojas Jr., enquanto a DragonSpeed, mesmo após Hedman deixar o carro #21 no 12º lugar durante seu turno de pilotagem, recuperou bravamente com Nico Lapierre e com Ben Hanley – novamente ao volante – para chegar em quarto. Vencedora em Paul Ricard, a Racing Engineering conquistou um importante 5º lugar final.

Na classe LMP3, tudo apontava para uma bela disputa pela vitória entre a Eurointernational com o carro #11 de Giorgio Mondini/Kay Van Berlo e o #2 da United Autosports, com os atuais campeões John Falb/Sean Rayhall. Mas estes teriam problemas: um contato com um dos protótipos da IDEC Sport acabou furando um dos pneus do Ligier #2, que perdeu assim a chance de triunfar na disputa. Terminariam em 5º lugar na categoria.

Mas nada pior do que aconteceu a Jakub Smiechowski/Martin Hippe: a dupla da Inter Europol Competition tinha tudo para discutir a vitória com Mondini/Van Berlo, mas… acabou o combustível do protótipo com o prosaico número #13 e eles perderam no mínimo o pódio. Acabaram com a quarta posição, atrás da 360 Racing com Terrence Woodward/Ross Kaiser – já que James Swift foi impedido de correr por não ter feito nos treinos um tempo à altura de seus colegas de equipe e do #3 de Tony Wells/Matt Bell/Garrett Grist, o segundo carro da United Autosports.

5af84495894f2
Em primeiro plano na foto, a Spirit of Race conquistou a vitória na LMGTE (Foto: Jakob Ebrey Photography/ELMS Médiathèque)

Entre os LMGTE, em que a Ebimotors partiu da pole position, o domínio foi da Spirit of Race a partir da segunda metade da disputa e o carro #55 do trio Duncan Russell Cameron/Aaron Scott/Matt Griffin levou os 25 pontos da vitória com o 21º posto na geral, após 116 voltas. Christian Ried/Marvin Dienst/Marc Lieb fecharam a disputa com o segundo lugar na classe, seguidos por Riccardo Pera/Fabio Babini/Raymond Narac.

No campeonato, Pizzitola e Rusinov surgem como líderes, somando 37 pontos, um a mais que Vaxivière/Duval/Perrodo e dois à frente de Nato/Petit/Pla. Após a corrida de estreia, Felipe Nasr aparece em décimo-quarto com dois pontos. Na divisão LMP3, Mondini/Van Berlo assumem a dianteira com 40 pontos, dez a mais que Kaiser/Woodward, enquanto Job Van Uitert/John Farano/Rob Garofall, vencedores em Paul Ricard, somam 25,5 pontos e estão em terceiro lugar.

E mesmo com um modesto 4º lugar na prova de Monza, a trinca Miguel Molina/Alex MacDowall/Liam Griffin lidera na LMGTE com 37 pontos, seis a mais que Babini/Pera/Narac, enquanto os italianos Gianluca e Giorgio Roda Jr. vêm a seguir com 29.

A próxima etapa do ELMS é apenas em julho, no dia 22: as 4h do Red Bull Ring, na Áustria.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

1 Comentário

  • E mesmo com o aval da FIA/ACO para updates no pacote aerodinamico visando equiparar o desempenho dos Oreca, Ligier e Dallara ainda comem poeira dos Oreca, e olha que é o mesmo carro do ano passado, Acho que Le Mans vai ser como ano passado, so vai dar Oreca nas primeiras posições, triste, vide que a grande tripulações nos outros chassis.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames