MENU

28 de outubro de 2019 - 00:15Fórmula 1

O hexa é logo ali

Próximo da consagração: Lewis Hamilton venceu o GP do México e está a poucos pontos de mais um título – o sexto da carreira. O britânico chegou ao 100º pódio com a Mercedes e a marca alemã chegou a 100 triunfos na Fórmula 1

RIO DE JANEIRO – Fica difícil não apostar que Lewis Hamilton leva já no próximo fim de semana o título mundial de Fórmula 1, o sexto da carreira e o quinto nos últimos seis campeonatos.

O britânico não tinha – nem de longe – o melhor carro da pista no fim de semana do GP do México. Mas é, disparado, o melhor piloto hoje da categoria. Provou isso ao vencer sua 83ª corrida na carreira (faltam oito para igualar Schumacher), conquistando o centésimo pódio dele pela Mercedes-Benz (de um total de 149 em 247 GPs). A marca da estrela de três pontas entrou para um seleto clube: chegou à 100ª vitória na categoria.

A opção para ganhar a corrida, já que por equipamento Ferrari e Red Bull estavam melhores, era jogar as fichas numa estratégia que poderia dar certo se os rivais deixassem brechas. E deixaram.

O pole Charles Leclerc foi vítima da opção da Ferrari em fazer dois pit stops com o monegasco, enquanto Sebastian Vettel estendeu ao máximo a sua janela. A Mercedes viu que era uma boa fazer o mesmo que a Renault – que manteve Daniel Ricciardo na pista com um jogo de pneus duros por longo período, para fazer um único pit stop.

Como efeito, por 47 das 71 voltas da disputa, Lewis ficou na pista com o composto de maior durabilidade na pista. Arriscou e saiu-se muito bem.

“A gente não sabia [se estratégia ia funcionar], foi um experimento”, disse Toto Wolff, chefe de equipe. “A gente viu o Ricciardo andando forte [com duros], mas é difícil quando se está no carro e são 47 voltas [até o fim]. Como um piloto, estando no carro e ouvindo que precisa dar 47 voltas com aqueles pneus, não é algo simples. É mais fácil quando se está em terceiro e sexto, porque você pode ser agressivo. Funcionou hoje”, seguiu.

Mesmo sem muita confiança de ambas as partes, a Mercedes e seu piloto sabiam que só assim para poder bater as rivais – e a Red Bull também teve, mais uma vez, o irascível Max Verstappen quase pondo tudo a perder num ínicio de corrida: penalizado após a polêmica por não tirar o pé numa bandeira amarela no treino oficial, o holandês largou de quarto e depois se envolveu numa querela com uma das McLaren, tendo o pneu traseiro direito furado.

Verstappen ainda empreendeu uma boa recuperação e salvou oito pontos. A própria Red Bull também jogaria a corrida de Alex Albon fora ao optar por duas paradas. E os rubrotaurinos saíram no prejuízo na corrida mexicana.

A Ferrari tinha mais ritmo, Vettel seguiu a mesma estratégia de Hamilton, mas não foi o bastante. O alemão ainda teve de lidar com a pressão de Valtteri Bottas que, com o carro reconstruído após o fortíssimo acidente no treino oficial, ainda conseguiu com o 3º lugar – e estratégia semelhante à do companheiro de equipe – adiar a decisão do título por mais um fim de semana.

Mas está praticamente tudo resolvido: Hamilton precisa de somente quatro pontos no Circuito das Américas para se tornar o mais novo dono de seis títulos mundiais.

De resto, Sergio Pérez fez uma boa apresentação em seu GP caseiro, segurando a pressão de Daniel Ricciardo para ser o “best of the rest” no Hermanos Rodríguez. Coisa feia fez o russo Daniil Kvyat, que tentou resolver uma questão com Nico Hülkenberg e o fez da pior forma possível. Bateu no alemão na última curva e foi penalizado com acréscimo de tempo de 10 segundos. Acabou fora da zona dos pontos por conta disso.

A McLaren foi muito bem nos treinos e mal na corrida. Ninguém pontuou dessa vez. Quanto à Alfa Romeo, é evidente o declínio da equipe em relação ao ano passado.

Williams e Haas… sem comentários, principalmente esta última, uma tragédia.

Compartilhar

2 comentários

  1. ags disse:

    Esse nível de pilotagem é para poucos….. Vai bater o números do MS na sétima etapa de 2020… vem ai o nome a ser por anos e anos a ser lembrado….
    LH.. é uma peça crucial em um team… e não tem como fazer frente a ele…
    Merece muito… fez um carro junto com os engenheiros fantásticos uma maquina infernal… Parabéns campeão….

  2. Alan Ambrosini disse:

    Punição bizarra que aplicaram ao Verstapen, só e apenas ao Verstapen. Mas, como desde os anais da F1, a FIA tem seus prediletos e usa sem qualquer vergonha dois pesos e duas medidas. A FIA faz ter sucesso quem ela quer e ainda não chegou a hora do holandês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *